Alagev sobre gratuidade: “Estamos mais inclusivos”

Objetivo é ampliar o fomento de negócios para toda a cadeia de viagens e eventos corporativos
alagev

Conforme anunciado na manhã desta segunda-feira (17), a Alagev fez um reposicionamento e passa a se apresentar como Associação Latino Americana de Gestão de Viagens e Eventos Corporativas. De acordo com Rodrigo Cézar, presidente da associação, a ideia é tirar a imagem de exclusividade e consolidar a inclusão, reunindo maior número de profissionais do setor.

“Foi pensado, não foi decidido do nada. A gente quer ter os profissionais gerando mais receitas, com mais segurança, com mais informação e em parceria com os fornecedores. Esse é o nosso objetivo”, declara o executivo.

Hoje, a associação tem quase 500 associados e a ideia é que o número cresça nos próximos meses. No entanto, a entidade não tem metas específicas. “Não trabalhamos em cima de números. Não é nosso foco. A gente quer ter qualidade e quantidade é uma consequência disso”, afirma.

Ainda de acordo com o executivo, essa iniciativa faz parte do planejamento para a próxima presidência, levando em consideração que seu mandato termina em maio, com o anúncio da nova diretoria confirmado para a próxima terça-feira (18). “Continuarei no conselho, mas passarei o cargo a outro executivo”, adiantou.

Alagev: Lacte 15

Durante os dias 17 e 18 de fevereiro, a Alagev está promovendo o Lacte 15, encontro que visa apresentar informações relevantes e dados inéditos para o mercado corporativo. Seu formato permite que os convidados escolham a programação e tenham acesso ao conteúdo de sua preferência.

“Entendemos que o dia a dia dos executivos é assim. Somos rodeados por diferentes informações de todos os lados. Cabe a nós saber filtrar o que vamos utilizar, seja pela televisão, rádio ou WhatsApp. Decidimos fazer o evento com o mesmo conceito, dando aos visitantes esse poder de escolha”, reforçou.

Pautado no tema “Dados Humanos”, o evento, que acontece no WTC Golden Hall, quer mostrar que os profissionais ainda têm muito trabalho pela frente, mesmo com a tecnologia cada vez mais presente no cotidiano. “A tecnologia vem para realizar algumas funções, mas ela nunca vai substituir a imagem humana, o trabalho humano. No setor, isso sempre será necessário”, declara.


Leia também:

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui