24 horas em Brighton (UK)

Por Camila Lucchesi

Alegre, colorida e totalmente friendly. Essa é a atmosfera em Brighton, cidade do litoral sul inglês, às margens do Canal da Mancha. A antiga vila de pescadores começou a chamar a atenção da nobreza britânica no século 18, especialmente por conta da crença em benefícios terapêuticos relacionados ao banho em água salgada.

Em 1841, a ligação ferroviária democratizou o acesso e transformou Brighton em destino de fim de semana para ingleses e turistas. A fama persiste até hoje e o fato de Londres estar a apenas uma hora de distância torna Brighton uma opção perfeita para um bate e volta. E o melhor: por lá, dá para fazer quase tudo a pé!

Segundo Warren Morgan, líder da Câmara Municipal de Brighton & Hove, o balneário, recebe 10 milhões de visitantes por ano. Para conferir o que leva tanta gente à cidade, a guia de turismo Françoise Haslam-Dodo nos acompanhou no tour de um dia pelos destaques dessa verdadeira joia da coroa. Confira!

[unitegallery Brighton24horas]

Vista aérea

British Airways i360 é uma torre de observação inaugurada em agosto do ano passado que fica à beira mar, bem em frente do histórico West Pier. A atração é um dos destaques no processo de renovação da área – que, em breve, contará com centro de informação, banheiros públicos e diversos novos atrativos. Com gôndola envidraçada, a i360 leva até 200 pessoas a uma altura de 138 metros, em tours de 20 minutos. O passeio vale a pena, mesmo se o clima não estiver muito convidativo.

Estrada dos reis

A beira-mar Kings Road é o endereço de um dos atrativos mais populares: o Brighton Pier. O lugar é especialmente interessante para quem viaja com crianças, pois abriga um enorme parque de diversões. Para chegar lá, basta caminhar pelo calçadão que acompanha a praia – o passeio pode ocorrer paralelo à rua ou em um patamar abaixo, no nível acima do mar. No meio do caminho, vale uma parada no Museu da Pesca, espaço simples e com entrada gratuita focado na atividade que deu origem à cidade.

Tipicamente inglês

Quem conhece um pouco das tradições britânicas sabe que a combinação de peixe e batata frita – o famoso fish & chips – é refeição sagrada para os locais. Com oferta abundante de peixes frescos, Brighton é o lugar certo para provar essa especialidade. Ao longo do calçadão e no Brighton Pier existem diversas casas especializadas.

Becos e vielas

Com a chegada da nobreza que se instalou à beira-mar, os pescadores se mudaram para a região conhecida como “The Lanes”. Antigas peixarias deram lugar a boutiques independentes, joalherias, lojas vintage e restaurantes. A ideia é se perder pelo labirinto de becos para garimpar itens autênticos ou tomar um pint em um dos pubs. The Cricketers e Black Lion estão entre os mais antigos, mas o The Font chama a atenção por um motivo inusitado: o que hoje é um templo da bebida e dos esportes, já funcionou como igreja.

Para aquecer

A dica é fazer uma parada na Choccywoccydoodah, local de nome impronunciável especializado na produção e venda de bolos de casamento que mais parecem obras de arte. No andar superior, há espaço para degustar as delícias preparadas com cacau, com destaque para o delicioso chocolate quente. O cardápio traz opções que combinam diversos ingredientes, mas mesmo a bebida simples, sem nenhum acompanhamento, é sensacional.

De cair o queixo

Construído no século 18, o exuberante Royal Pavilion chama a atenção pela arquitetura, com domos e minaretes que lembram paisagens indianas, e pela decoração que aposta em cores fortes e elementos que remetem à China. A história começou quando o príncipe regente – que depois se tornaria o rei George 4º – foi orientado pelos médicos a passar um tempo no litoral. Ele se adaptou tão bem que decidiu erguer ali um palácio para servir como moradia para ele e casa de veraneio para a Família Real. Reserve boas horas para conhecer as dezenas de salas, quartos e a impressionante cozinha em um tour com guiado pelo interior da propriedade.

INFORMAÇÕES ÚTEIS

Moeda: Libra esterlina

Câmbio: £ 1 = R$ 3,86

Gorjeta: É vista, no Reino Unido, como uma gratificação e não como uma obrigação. Nos restaurantes, a sugestão é acrescentar 10% ao valor da conta, mas observe que alguns estabelecimentos já incluem uma taxa de até 15%, com pagamento opcional. Nos táxis, basta arredondar o valor para cima, e nos pubs, a dica é colocar moedas na “caixinha” dos funcionários que, normalmente, fica próxima à caixa registradora.

Idioma: Inglês

Fuso horário: +3h em relação a Brasília (DF)

Documentação: Passaporte válido por seis meses e seguro-viagem de 30 mil euros. Viagens de até 90 dias não requerem visto.

COMO CHEGAR

Brighton fica a cerca de 90 km de Londres. A melhor forma de fazer esse trajeto é de trem, pelas estações London Bridge e Victoria. Alugar um carro exige cuidado extra já que, assim como em todo o Reino Unido, a direção segue a mão inglesa.

QUANDO IR

Durante o inverno, o tempo normalmente é nublado – com possibilidade de chuva e temperatura oscilando entre 6oC e 8oC. A primavera oferece uma atração extra: o Brighton Festival, que acontece em maio, e é um prato cheio para os amantes das artes. Com garantia de dias ensolarados, julho e agosto são os meses mais convidativos. A temperatura média nesse período varia de 20oC a 23oC.

PARA SABER MAIS

www.visitbrighton.com

www.VisitBritainShop.com

 

Brasilturis Jornal viajou a convite do Visit Britain, com seguro-viagem April. Conteúdo publicado originalmente na edição 799 (abril) 

Deixe uma resposta