Abav e Embratur se unem para capacitar trade internacional

De acordo com Magda Nassar, presidente da Abav Nacional, esta é mais uma prova de que a entidade se preocupa com o desenvolvimento nacional

Abav

A Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav Nacional) anunciou, na manhã desta quarta (6) – que marca o início da Abav Expo & Collab, em Fortaleza – uma nova parceria com a Embratur e o Ministério de Turismo. A agência de promoção internacional anunciou que, no dia 23 de novembro, será promovida capacitações e rodadas de negócio internacionais, visando fomentar o Turismo brasileiro.

“Resolvemos lançar uma ação de capacitação e geração de negócios. Hoje, estamos trabalhando no internacional e entendemos que precisamos capacitar o mercado, dar informações sobre oferta turística para que eles vendam o nosso destino. As inscrições serão realizadas na plataforma da Abav. Assim, conseguiremos interagir e fortalecer a indústria nacional”, afirma Carlos Brito, presidente da Embratur.

De acordo com Magda Nassar, presidente da Abav Nacional, esta é mais uma prova de que a entidade se preocupa com o desenvolvimento nacional do mercado e está trabalhando continuamente em parceria com os órgãos públicos. “A gente continua fazendo nosso papel de fornecedores”, se orgulha a profissional.

Parceria Abav e poder público

Hoje, a Abav conta com dois principais questões a resolver: o IRRF e a PL908, que envolve responsabilidade solidárias. Segundo o ministro Gilson Machado, o que falta para que essas pautas avancem é que parecer favorável.

“Entendemos a concorrência desleal e estamos lutando por isso e pelas companhias aéreas que estão lidando com o leasing. Vamos fazer o que for necessário para que o agente de viagens não quebre. Nós somos sensíveis ao o que está acontecendo no setor. Podem contar conosco”, afirma.

Magda reforça que tudo o que está ao alcance da entidade já foi realizado. “Sempre falta uma posição da receita, uma compensação. Temls feito a lição de casa com o ministro e o comprometimento de todos”, comenta.

Gargalos do mercado

Gilson Machado, ministro do Turismo, reconhece que o País não se mostra um ambiente de negócio favorável para companhias aéreas. “Nós abrimos o capital para que as empresas viessem. Nenhum veio e detectamos distintos motivos. O combustível corresponde mundialmente a 15% do custo em escala mundial; no Brasil esse número salta çara 30%. Além disso, das cem ações judiciais contra companhias aéreas que ocorrem no mundo, 92 são no Brasil”, pontua.

Ainda de acordo com o ministro, isso corrobora com a imagem de mercado tóxico não só para as companhias aéreas, como para com empresas marítimas. “Somos o país mais preservado e uma oportunidade que o mundo está descobrindo e que o governo está trabalhando para ser favorável”, complementa o executivo.

Desenvolvimento no Ceará

De acordo com Arialdo Pinho, secretário de Turismo do Ceará, há expectativas otimistas quanto ao reaquecimento do setor e a atração de visitantes. “Trouxemos Abav e BTM, viemos trabalhando em feiras e apostamos nas ações presenciais. Não acredito em feira virtual, mas sim no olho no olho. Trabalhamos muito e estamos com ocupação em torno dos 85% dos 50 mil leitos no estado. Além disso, abriremos novos empreendimentos de luxo”, estima.

Além disso, o secretário espera que o avanço no calendário de vacinação seja mais um impulso no estado. “Estaremos prontos. Entre dezembro e janeiro, todos os cearense estarão vacinados. Queremos ter o ambiente propício e retomar os voos internacionais. Deixaremos de ser estado emissivo e passaremos a ser receptivos” diz.

Deixe uma resposta