Abear afirma que setor aéreo não deve repetir desempenho de 2014

Por: Priscila Ferraz

A demanda total consolidada por viagens aéreas domésticas, na medida em passageiros-quilômetros transportados, cresceu 3,8% nos primeiros seis meses deste ano em relação a 2014. O comportamento revela queda no ritmo de evolução da atividade de transporte aéreo dentro do País, que até maio registrava alta acumulada de demanda de 4,2%.

 
Também sobre o primeiro semestre do ano passado, a oferta, medida em assentos-quilômetros oferecidos, foi ampliada em 2,8%. Com a demanda avançando um pouco acima da oferta, houve melhora do fator de aproveitamento dos voos em 0,7 ponto percentual, para 80%. O total de passageiros transportados somou 47,1 milhões – em alta de 3,3%. As estatísticas são referentes às operações da Avianca, Azul, GOL e TAM, integrantes da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear).
 

“Temos um cenário que inspira maior atenção desde meados do ano passado, quando o mercado – o segmento corporativo em especial – começou a dar sinais de menor disposição de consumo. As companhias aéreas reagiram oferecendo produtos mais atrativos, destinos, tarifas e aumentando os esforços de vendas, o que garantiu o desempenho bom de dezembro e janeiro. “Mas, desde então, nossas taxas mensais de demanda têm mostrado tendência de redução”, avaliou o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz. Depois de crescer 7,7% em dezembro e 9,1% em janeiro, o ritmo de crescimento da demanda doméstica se reduziu, com altas de 4,1% em fevereiro, 2,8% em março e abril, e 1% em maio. “Com base nessa trajetória, dificilmente repetiremos o resultado de 2014, de crescimento anual da ordem de quase 6%”, disse Sanovicz. 

Números do mês

 

Em junho, especificamente, que têm parte do fluxo reforçado pelo início das férias escolares, a demanda doméstica consolidada mostrou alguma reação e cresceu 1,7% sobre o mesmo mês de 2014. Como a oferta evoluiu em um patamar ligeiramente superior, 2,5%, o fator de aproveitamento teve retração de 0,6 ponto percentual, ficando em 77,9%. Esse é o segundo mês consecutivo que o indicador apresenta retração, além de ser a quarta baixa nos últimos cinco meses. Foram 7,6 milhões de passageiros transportados no País em junho, 6% a mais do que no ano anterior.
 

“O mercado brasileiro opera hoje com índices de ocupação em linha com os de mercados maduros, como o norte-americano, na casa dos 80%. A dificuldade em manter a estabilidade mensal em relação ao ano anterior, todavia, mostra que essa é uma temporada que tem exigido atenção redobrada das companhias na condução dos negócios”, ponderou o consultor técnico da Abear, Maurício Emboaba. “Mas devemos tomar cuidado ao tirar conclusões desses dados mensais, porque a base do ano passado traz atipicidades decorrentes da realização da Copa do Mundo. Para avaliar as tendências gerais, os números do semestre são mais adequados”, completou.
 

Divisão do mercado doméstico

 

No mês de junho a TAM liderou o mercado, capturando 37,02% da demanda. A companhia foi seguida pela GOL, com 36,70%, Azul, com 17,12%, e pela Avianca, com 9,16%. No semestre as posições se mantêm inalteradas, com pequenas variações nos percentuais: TAM – 37,03%; GOL – 36,72%; Azul – 17,13%; e Avianca – 9,12%.
 

Internacional

 

Os resultados das operações das companhias aéreas brasileiras no mercado internacional seguem se apresentando em um patamar superior quando comparados com os do mercado doméstico. No semestre, a demanda por viagens internacionais cresceu 13,1%, para uma oferta igualmente em alta de 13,6%. O fator de aproveitamento teve ligeira retração de 0,4 ponto percentual, para 80,5%. O total de passageiros transportados somou 3,5 milhões, em expansão de 15,1% sobre os primeiros seis meses de 2014.
 

“Os voos internacionais têm, em geral, uma participação maior de viajantes a lazer, que é um público mais sensível a preços e reage melhor às ações promocionais das companhias. Essa é uma das possíveis causas desses resultados expressivos, ainda que nossas estatísticas não revelem o que está acontecendo na parcela de mercado das empresas estrangeiras”, explicou Emboaba. “Outra razão é a própria ampliação da oferta nesse segmento, pela entrada de novas empresas, Avianca e Azul, essa de forma mais robusta, em relação ao cenário do ano anterior”, completou.
 

Isoladamente em junho a demanda avançou 11,6% e a oferta 12,3%, levando a uma queda no load factor de 0,5 ponto percentual (para 80,9%). Foram aproximadamente 560 mil passageiros transportados no mês em viagens aéreas internacionais, número 13,6% superior aos de junho do ano passado.
 

Na primeira metade deste ano, a TAM obteve a maior participação da demanda internacional, com 78,38%. GOL, com 14,16%, Azul, com 7,43%, e Avianca, com participação inferior a 1%, vieram a seguir. Em junho, a divisão do mercado se deu da seguinte forma: TAM – 81,15%; GOL – 12,40%; Azul – 6,40%; e Avianca, menos de 1%.

Cargas

 

No primeiro semestre de 2015, as associadas Abear transportaram 158,2 mil toneladas de carga em operações domésticas, um volume 8,4% abaixo do registrado no mesmo período do ano anterior. Por outro lado, no mercado internacional o total de carga transportada cresceu 2,6%, volume pouco superior a 84 mil toneladas.
 

Se observado o mês de junho somente, os resultados foram mais positivos. A movimentação de carga doméstica teve pequena ampliação de 0,4%, para 25,7 mil toneladas, enquanto no segmento internacional foi registrada ampliação de 24,2%, para 15,4 mil toneladas.

 

 

PF

Deixe uma resposta