Água quente e pantufas

Alexis Frick, gerente de pesquisas da Euromonitor International

A WTM Latin America repetiu neste ano a parceria com a Euromonitor International para a elaboração do Relatório de Tendências para os mercados latino americanos. Entre os destaques está o crescimento no número de turistas chineses em viagem pelo mundo. “A chegada deles é mais percebida hoje em destinos da Ásia e do leste Europeu, que ficam mais próximos da China. O Brasil e outros países da América Latina sentirão a presença dos chineses de forma mais evidente nos próximos anos”, antecipou Alexis Frick, gerente de pesquisa para o Brasil da Euromonitor International.

Com cerca de 380 mil partidas, a China ficou em 13º lugar entre os países emissores para a América Latina em 2014. As pesquisas mostram que esse número irá ultrapassar a marca de 500 mil viagens nos próximos cinco anos, levando o país asiático a alcançar a 10ª posição. No cenário global, a China deve crescer mais de 33% em emissivo internacional até 2019 e chegará à marca de 115 milhões de viagens até 2030, ultrapassando Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha e tornando-se o maior emissor de turistas do planeta.

O destino mais procurado pelos turistas chineses na América Latina é o México (com 110 mil viagens em 2014), seguido pelo Brasil (64 mil) e Venezuela (34 mil). Para atender a esse mercado crescente, o caminho apontado por Frick é personalização. “Como a cultura deles é muito diferente, é importante adaptar os serviços da rede hoteleira para melhor recebê-los”, defendeu.

Segundo ele, alguns hotéis já incluíram pratos da culinária chinesa nos cardápios e oferecem chaleiras com água quente e pantufas nos quartos de hotéis. Outras sugestões importantes são traduzir toda a papelaria e informes para o mandarim, além de manter um cadastro de guias que falem o idioma.

 

Camila Lucchesi

 

Deixe uma resposta