Albatrozes e petréis são atrações no litoral brasileiro; veja onde e como avistar

Albatrozes e petréis são aves pelágicas que passam a maior parte da vida sobrevoando regiões de mar aberto em busca de alimento. Algumas delas, apesar do habitat inóspito, podem ultrapassar os 60 anos de idade. Durante este período, elas só voltam à terra firme para construírem seus ninhos e alimentar os filhotes junto de seus parceiros. Por esse motivo, muitas pessoas nunca avistaram um albatroz nas praias brasileiras.

Estas aves oceânicas costumam nidificar em ilhas distantes, geralmente no extremo do hemisfério sul e na Antártida, como as Ilhas Malvinas/Falklands, Gough, Geórgia do Sul e Tristão da Cunha. Mas, de acordo com o consultor técnico da base do Projeto Albatroz em Itajaí (SC), Augusto Costa, estes animais também podem ser encontrados na costa brasileira, que é rota obrigatória de muitos deles durante a migração.

“Tanto albatrozes como petréis também podem ser avistados ao largo das regiões sul e sudeste do Brasil e, para observá-los, é necessário deixar a terra firme e decidir se aventurar no mar”, afirma.

No total, dez espécies de albatrozes podem ser vistas em águas brasileiras, geralmente próximas às embarcações de pesca. Mas tudo depende do tipo de barco escolhido para a viagem a alto-mar. “Embarcações menores podem ser utilizadas para observação de albatrozes mais próximos da costa”, afirma, enquanto para ir até ilhas mais distantes é necessário embarcar em navios maiores.

Nessas regiões, as duas espécies mais comumente avistadas são o albatroz-de-nariz-amarelo e o albatroz-de-sobrancelha-negra.

Ilhas e pontos de observação
As aves oceânicas podem ser observadas, prioritariamente, no litoral sul do Brasil, devido suas semelhanças com o clima antártico. No estado do Rio Grande do Sul, por exemplo, duas localidades se destacam pela oportunidade de ver estes magníficos animais. Nos Molhes da Barra, na cidade do Rio Grande (litoral sul), e em Torres (litoral norte), é possível avistá-las com os pés em terra firme, desde que se esteja munido de binóculos ou luneta, uma vez que não chegam tão próximas da areia.

Mesmo assim, não é todo dia que albatrozes e petréis dão o ar da graça. De acordo com Costa, as aparições são mais comuns durante o inverno, em dias com bastante vento. “O observador pode ficar um pouco frustrado, porque elas não costumam se aproximar muito das pessoas”, explica o consultor técnico do Projeto Albatroz, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental. Eventualmente, aves pelágicas mais debilitadas podem ser encontradas nas praias ao longo de toda a costa meridional do país.

Os albatrozes também podem ser vistos com maior facilidade em passeios de barco nas proximidades de algumas ilhas e arquipélagos brasileiros mais afastados da costa, como é o caso da Ilha do Arvoredo (SC) – que faz parte da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo -, Ilha dos Lobos (RS) – considerada um santuário de leões e lobos marinhos com área equivalente a dois campos de futebol – e Laje de Santos (SP) – formação rochosa que é habitat de diversas espécies marinhas como raias mantas, golfinhos, peixes e aves oceânicas. Porém, nenhuma espécie de albatroz ou pardela se reproduz nessas localidades, apenas adota as proximidades daquela região marinha como sua fonte de alimento.

Recomendações
Para finalizar, Augusto Costa explica que é mais fácil encontrar albatrozes do que petréis nessas expedições, pois são mais abundantes em nosso litoral. Além disso, ele salienta que os observadores mais aventureiros que decidirem sair de barco rumo aos locais onde é possível avistar as aves devem ter em mente algumas medidas e equipamentos de segurança.

“É importante procurar embarcações seguras, utilizar roupas adequadas para o frio ou para longos períodos de exposição ao sol e não esquecer equipamentos como binóculos, câmeras fotográficas e guias de identificação de aves”, recomenda. As ilhas descritas acima são protegidas por lei e suas visitações são permitidas apenas por empresas turísticas e de mergulho, devidamente credenciadas.

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui