Artigo: Vega I.T inicia processo de internacionalização

A Vega I.T vê na pandemia de covid-19 uma grande oportunidade negócios e também uma nova forma de ajudar no desenvolvimento de outros países

Vega I.T
Foto: reprodução

A Vega I.T., empresa de tecnologia voltada à hotelaria acaba de publicar um artigo sobre o planejamento de expansão internacional motivada pela pandemia de covid-19. Confira abaixo o conteúdo na íntegra.

A última década foi marcada pelo crescimento exponencial das empresas no ramo de tecnologia pelo mundo todo e, mesmo em meio ao caos pandêmico causado pela covid-19, muitas delas seguem otimistas e com projetos audaciosos para um futuro próximo.

Em levantamento das previsões de como o setor de IT pode se comportar neste ano, a IDC Brasil apontou que em 2021 pode-se esperar um aumento nos investimentos de 10% no país, principalmente em hardware, software e serviços.

Na América Latina, esse salto pode ser ainda maior, com investimentos de até 18% em softwares e 60% para hardwares. Com o projeto de ir além-fronteiras, a Vega I.T. já está se preparando para começar a transformação digital de muitos hotéis em novos lugares, mundo afora.

“Primeiro, penso que não podemos ver a internacionalização de uma maneira geral, cada país é uma cultura diferente e tem um desenvolvimento econômico, político e social único”, afirma Paula Becerra, International Manager da Vega I.T.

De acordo com a profissional, o grande diferencial que ela enxerga na empresa é a especialização no setor hoteleiro, pois todas as soluções desenvolvidas foram pensadas para atender, especialmente, as necessidades que surgem dentro dos hotéis. “O nosso ecossistema respira hotelaria, então nós não só inserimos tecnologia em uma operação x, mas também entregamos soluções inteligentes para o dia-a-dia das operações dos hotéis”, completa Paula.

A necessidade de soluções tecnológicas que trouxessem mais segurança às operações e que auxiliassem no distanciamento social, é um dos fatores que potencializou a aceleração do crescimento de muitas empresas de tecnologia, no último ano. No caso da Vega I.T, a procura por aplicativos de check-in on-line teve grande crescimento em 2020, resultado também da procura por parte de hóspedes que buscam ferramentas mais modernas nas acomodações.

No Brasil, outro fator determinante nesta ascensão tecnológica, foi a sanção da LGPD, Lei Geral de Proteção de Dados, que entrou em vigor no final de 2020 e que dá a oportunidade às empresas que trabalham com dados de utilizarem a regulamentação à sua pauta estratégica. Visando atender estas demandas, as soluções da Vega I.T., já foram desenvolvidas para estar em conformidade à lei.

Para Matheus Quincozes, CEO da Vega I.T., o desejo em ampliar os horizontes da empresa que nasceu em Curitiba, veio do potencial que foi visto em seguir focando em um setor. “Tínhamos duas escolhas: abrir o leque de mais segmentos e não ficar mais somente com hospitalidade, ou aumentar a geografia e ficar focado ainda em um segmento. Escolhemos a segunda opção, pois assim poderíamos passar a ajudar a mudar a hotelaria não mais do Brasil e sim do mundo todo, e isso é muito realizador”, afirma o proprietário.

A expansão internacional de uma empresa não é uma tarefa simples. Os obstáculos são muitos e pode levar tempo e demandar muita dedicação. Matheus elenca os principais desafios que hoje a empresa enfrenta nessa transição: “são muitos, desde a preparação dos produtos para línguas, culturas e leis diferentes, cultura da equipe para pensar global e, em um ano de pandemia, o capital para a expansão”.

As soluções tecnológicas que já puderam ser implantadas Brasil afora, foram desenvolvidas em modo escalável, a fim de que facilitasse a implementação, bem como tornasse o custo-benefício dos produtos mais atrativos para a empresa e também para o hoteleiro.

Paula diz que a chegada da pandemia ajudou a ver a diversificação do mercado como uma grande oportunidade negócios, e também uma nova forma de ajudar no desenvolvimento de outros países, levando mais segurança aos viajantes e hoteleiros. “A internacionalização de uma empresa não é um projeto em paralelo, mas uma transformação de dentro para fora, que pode levar tempo, dedicação e muita aprendizagem”, finaliza a gerente.

Deixe uma resposta