Avaliação: Fiat Bravo T-Jet

Por: Marcelo Alexandre

Depois de lançar o hatch médio Bravo em suas versões regulares (Essence e Absolute) falta mais um membro na família. E assim a Fiat completou a família com a versão esportiva e turbinada do modelo. Com algumas características bem próprias, o terceiro carro da linha T-Jet (depois do Punto e Linea) mostra que tem vida própria e atributos para ter eu lugar ao sol.

 

História


Já faz algum tempo que o Marea Turbo deixou de ser fabricado, deixando muita saudade aos fãs de carros esportivos de alto desempenho da Fiat. Apenas para relembrar, o Marea Turbo foi apresentado no final de 1998 e durou até 2006. Na época, o então turbinado motor 2 litros e 5 cilindros 20v, chegava à estimulantes 182 cavalos de potência (a 6.000 rpm) e tinha torque máximo de 27 kgfm a 2.750rpm. Sua velocidade final era de 223km/h. A aceleração de 0-100 km/h acontecia em pouco mais de 7 segundos. Apenas como comparação, o 0 a 100 do VW Jetta TSI (recém-lançado) precisa de 7,3 segundos e sua velocidade máxima é de 238 km/h.

 

Depois do fantástico Marea Turbo, foi a vez do do Stilo Abarth, com um 0-100km/h em 8,4s e velocidade final de 212km/h. O motor usado era uma evolução do 2.4 do Marea, porém aspirado, com 167cv a 5.750rpm e 22,8kgfm de torque a 3.500rpm.

 

Mais recentemente, apenas no lançamento do sedan Linea, que a marca resolveu dar uma leve apimentada com o a versão turbinada T-Jet. Na sequência, foi a vez do hatch compacto Punto, ganhar a versão esportiva T-Jet. E em Junho de 2011, depois da apresentação das versões regulares, o hatch médio Bravo, também recebeu a versão esportiva T-Jet.

 

Em todas as versões T-Jet, nos três carros atuais da Fiat, o motor é sempre o mesmo. Porém, no Bravo, a Fiat lançou mão de alguns recursos à mais para conferir uma identidade própria ao modelo. É fato, que o Bravo tem características bastante marcantes, mesmo nas versões regulares. E na versão T-Jet, essas características foram realçadas.

 

Estilo


Pra começar, quem procura um carro esportivo, pensa em primeiro lugar na dirigibilidade. E nesse sentido, o Bravo já fazia bonito nas versões regulares. Entre todos os carros comercializados pela Fiat no Brasil, atualmente, o Bravo é sem sombra de dúvida o carro que tem a melhor posição ao dirigir. Já de cara, um banco que dá a sensação de abraçar o motorista. O volante também tem uma empunhadura bastante ergonômica. Nele, existem ressaltos anatômicos que sugerem a posição correta de colocar as mãos. O amplo párabrisa projetado e inclinado, bem como os eficientes espelhos laterais, conferem ótima visibilidade dianteira e lateral. Apenas no vidro traseiro, a visibilidade é regular. Ainda falando da postura ao volante, tanto a regulagem de altura do banco, como o ajuste de altura e profundidade do volante e a posição dos pedais (com detalhes em alumínio na versão T-Jet), conseguem agradar a maioria dos motoristas.

 

A versão T-Jet guarda ainda mais peculiaridades. Os mostradores do painel tem um visual diferente. Tanto velocimetro, quando o conta-giros tem seus ponteiros dispostos de maneira bastante peculiar, como um relógio, os ponteiros começam apontando para baixo, e girando no sentido horário, chegam a sua escala máxima na posição que equivaleria às 3 horas num relógio de ponteiros.

 

Câmbio manual 6 marchas


Outra exclusividade do Bravo T-Jet, é o câmbio manual com seis marchas. Fica claro que esse recurso foi usado para realçar a diferença entre Bravo e Punto, uma vez que os dois carros tem o motor com a mesma potência. E como o Bravo é um modelo maior (e naturalmente mais pesado), a seis marchas ajudam a manter o desempenho num patamar interessante, mesmo em comparação ao Punto. Sobre o câmbio, destaque para o bom escalonamento das marchas, trabalhando em grande sintonia com o motor. Porém, alguns engates poderiam ser mais suaves, A primeira e segunda marcha exigem certo esforço para entrar. Ainda sim, isso não chega a prejudicar a esportividade do conjunto.

 

Motor turbo


Como falado anteriormente, o motor do Bravo T-Jet é o mesmo 1,4 litro sobrealimentado por turbo e movido à gasolina, presente no Punto T-Jet e no Linea T-Jet. Esse motor que atende ao conceito de “downsizing”, embora pareça pequeno, atinge potência máxima de 152 cavalos a 5.500 rpm e tem torque máximo de 21,1 kgfm entre 2.250 e 4.500 rpm. A principal vantagem da utilização de um motor pequeno é a redução do consumo de combustível. Uma das desvantagens é a falta de torque em rotações muito baixas, o que exige certa habilidade motorista para sair com o carro em subidas. Para aliviar tal problema o Bravo T-Jet conta com assistente de partida em ladeiras, que mantém os freios acionados por alguns segundos para que o motorista possa sair com o carro com mais facilidade.

 

Overbooster


Outra particularidade da versão T-Jet do Bravo e a função Overbooster, que pode ser acionada através de um botão com a sigla “OVB” no painel, junto ao rádio. Quando acionada, algumas características do carro são alteradas, tornando o conjunto mais agressivo. Pra começar, ocorre o endurecimento da direção e uma reprogramação da sensibilidade do pedal do acelerador. Isso faz o carro responder mais rapidamente na celeração e passa a sensação de mairo firmeza. A Fiat ainda informa que existe uma diferença no aumento da pressão do turbo para 1 bar, o que faz com que o torque suba para 23 kgfm. Mas na prática, quando se acelera o carro para valer, com ou sem o Overbooster acionado, não dá para notar essa diferença.

 

Suspensão


A suspensão do Bravo, já era muito boa nas versões regulares. Agora, com ajuste mais esportivo, ficou ainda melhor para quem procura esportividade. É claro que isso pode refletir certo desconforto no uso urbano e cansa um pouco o motorista. Mas o ajuste esportivo do Bravo T-Jet está longe do ajuste que era usado no Civic Si, por exemlpo. A embreagem rápida é um fator que também incomoda no trânsito urbano. Mas para quem quer sentir aquela emoção de um carro com pegada esportiva, certamente o Bravo consegue entregar quase tudo que um carro esportivo precisa ter.

 

Desempenho


O senão fica por conta do desempenho final. Ainda que o motor e câmbio não façam feio, o desempenho fica abaixo de carros esportivos de verdade com potência próxima dos 200 cavalos, como Audi A3 e Civic Si. Segundo dados da fábrica, esse Bravo vai de 0 a 100 km/h em apenas 8,7 segundos e tem velocidade máxima de 206 km/h. Ainda sim, o Bravo faz melhor no quesito desempenho que qualquer outro hatch-back médio comercializado no Brasil, com preço até R$ 80 mil.

 

Equipamentos


Dentre os itens de série estão ar-condicionado com duas zonas, airbag duplo, freios a disco nas quatro rodas com ABS, ESP (controle eletrônico de estabilidade), auxílio de partida em ladeiras e rodas de 17 polegadas. Já entre os opcionais estão incluídos itens como faróis de xênon, teto solar, bancos com revestimento em couro, rádio com sistema de GPS integrado, air bags de cortina e para o joelho do motorista, entre outros.

 

Concorrentes


Como concorrentes do Bravo T-Jet pode-se destacar as versões top de linha do Citroën C4, Ford Focus com câmbio manual que estão numa faixa próxima ao preço inicial do T-Jet, porém de desempenho não tão apimentado. O seu verdadeiro concorrente é o próprio Punto T-Jet da Fiat, tanto pelo fator preço como pelo desempenho. O que o Bravo oferece à mais é maior espaço interno e melhor conforto, além de mais equipamentos.

 

Preço


O Bravo T-Jet tem preço inicial de R$ 68.950, mas que pode chegar à R$ 88.995 devido a sua vasta lista de opcionais que totalizam quase 19 mil reais.

Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre

Curtir isso:

Deixe uma resposta