Azul amplia operações a partir do Rio de Janeiro; confira rotas

A partir de agosto, a Azul começa a operar rotas entre Rio de Janeiro e Goiânia. Já em setembro, a nova rota será entre Santos Dumont e Curitiba

Azul

A Azul Linhas Aéreas anunciou a criação de dois novos mercados a partir do Aeroporto Santos Dumont: Goiânia e Curitiba. A rota entre Rio de Janeiro e Goiás passa a ter voos a partir do dia 17 de agosto. Já a operação entre Rio de Janeiro e Curitiba terá ligações diretas e diárias a partir de 14 de setembro. Com a inclusão dessas rotas, a companhia deve operar 21 voos diários para dez destinos a partir do estado fluminense.

As operações para Goiânia e Curitiba acontecerão nas aeronaves A320neo, capaz de transportar 174 clientes. Serão dois voos diários para os destinos, que serão cumpridos pela manhã e à noite. Além dos novos mercados, a Azul aumentará a oferta na rota entre Rio de Janeiro e Brasília, que passará a ter duas frequências por dia. Outra rota que ganha expansão é Santos Dumont – Recife, que também contará com duas frequências diárias. As vendas já estão disponíveis.

“O Rio de Janeiro é uma cidade muito importante para a nossa malha. Com a flexibilização e a retomada da economia na região, estamos crescendo a nossa oferta diária e acrescentando voos importantes e estratégicos para os cariocas. À medida que tenhamos uma resposta positiva, a ideia é ampliar o volume de operações e fortalecer a conectividade, um dos pilares e diferenciais da Azul”, afirma Vitor Silva, gerente de Planejamento de Malha da Azul.

Em junho, a base fluminense recebeu importantes incrementos. No mês passado, a Azul voltou a operar a ponte aérea e retomou as ligações para Brasília e Porto Alegre. Neste mês, a companhia deu início aos voos inéditos para Recife.

Confira, a seguir, o detalhamento das novas operações:

Rio de Janeiro – Goiânia

OrigemSaídaDestinoChegada Frequência
Santos Dumont09:00Goiânia10:50Segundas, terças e sextas
Goiânia20:30Santos Dumont22:15Segundas, quartas e sextas
A partir de 01º de outubro
OrigemSaídaDestinoChegada Frequência
Santos Dumont09:00Goiânia10:50Exceto aos sábados
Goiânia20:30Santos Dumont22:15Exceto aos sábados
Santos Dumont21:45Goiânia23:35Exceto aos sábados
Goiânia06:00Santos Dumont07:45Exceto aos domingos

Rio de Janeiro – Curitiba

OrigemSaídaDestinoChegada Frequência
Santos Dumont21:20Curitiba22:45Exceto aos sábados
Curitiba06:30Santos Dumont08:00Exceto aos domingos

Rio de Janeiro – Brasília (incremento de oferta: a partir de 01 de setembro)

OrigemSaídaDestinoChegada Frequência
Santos Dumont06:30Brasília08:15Exceto aos domingos
Brasília07:30Santos Dumont09:15Exceto aos domingos*
Santos Dumont19:00Brasília20:45Exceto aos sábados*
Brasília20:05Santos Dumont21:45Exceto aos sábados

Rio de Janeiro – Recife (incremento de oferta: a partir de 01 de setembro)

OrigemSaídaDestinoChegada Frequência
Santos Dumont08:30Recife11:15Diário
Recife09:05Santos Dumont11:55Exceto aos domingos*
Santos Dumont18:05Recife20:50Exceto aos sábados*
Recife18:30Santos Dumont21:20Diário

Hangar de Campinas

O hangar de Campinas está sendo usado para diversas tarefas de manutenção. Até o fim do ano, a companhia visa agregar ao local novas oficinas, que darão suporte aos serviços de reparos feitos nas aeronaves e também iniciará processo de transformação digital para garantir mais eficiência nos processos e controles.

Os profissionais que trabalham no hangar estão auxiliando a operação diária da Azul recebendo aviões que necessitam fazer paradas especiais e reparos nas estruturas. Neste mês, o prédio recebeu a primeira aeronave para manutenção de grande complexidade, o heavy check.

O A320neo ficou estacionado para manutenção no prédio da Azul, em Campinas, entre os dias 7 e 15 de julho. Cerca de 70 profissionais ficaram para a realização dos serviços nesses dez dias, em um total de 4,5 mil horas. Segundo Flavio Costa, vice-presidente técnico-operacional da companhia, conduzir essa tarefa dá à Azul a condição de ser mais eficiente e flexível.

“A partir do momento que somos nós realizando o serviço, conseguimos melhorar de forma contínua todos os processos que envolvem o heavy check. Garantimos qualidade na execução e também diminuição dos custos. Além, é claro, de aprimorar o conhecimento de nossos técnicos, protegendo postos de trabalho e criando novas oportunidades internamente e também para o mercado”, afirma o executivo.

Carlos Naufel, diretor técnico da Azul, afirma que outro benefício é a estrutura de oficinas próprias. “Nesses espaços, peças que precisam de reparos podem ser consertadas e instaladas novamente pelo nosso time de especialistas ali mesmo no hangar. Isso proporciona uma eficiência enorme para o trabalho de heavy check”, completa.

A expectativa da empresa é conseguir alcançar o mesmo nível de excelência que possui com a manutenção de outros modelos de sua frota. “A curva de aprendizado será enorme e o mais importante é que todos os Tripulantes envolvidos nesse primeiro processo conseguirão alcançar um novo patamar de conhecimento técnico, o que nos oferecerá uma condição superior na hora de iniciarmos o segundo heavy check em Campinas”, diz Naufel.


Deixe uma resposta