Azul prevê abertura e reabertura de operações no Paraná no 2ºS

A Azul depende de melhorias nos aeroportos de Umuarama, Toledo, Ponta Grossa, Pato Branco e Guarapuava para a retomada dos voos

ilhéus Azul

A Azul Linhas Aéreas, de olho no avanço dos calendários de vacinação, prevê forte retomada e crescimento da demanda por voos domésticos no segundo semestre. Por isso, a companhia desenvolveu um plano de abertura de novas bases e reabertura daquelas que foram suspensas por conta da pandemia. Umuarama, por exemplo, é um dos destinos que a aérea planeja voar a partir de outubro.

Para a efetiva retomada, a Azul aguarda a realização de obras nos aeroportos locais para melhorar a operacionalidade dos voos. Em Umuarama, pousos e decolagens só serão realizados depois da cerificação operacional do Aeroporto Municipal Orlando de Carvalho por parte da Anac. Além disso, é necessária a instalação de equipamentos para operações com visibilidade reduzida e adequação de distâncias da pista para aviões ATR-72.

Ponta Grossa, Pato Branco, Guarapuava e Toledo também estão no radar de reabertura da empresa e, para a retomada nesses terminais, a Azul aguarda a instalação de equipamentos. Esses destinos contavam com operações da Azul em seus aeroportos e tiveram suas frequências suspensas.

A companhia visa voltar com suas operações nestas localidades entre setembro e outubro, porém depende das autoridades locais para implementações das melhorias na infraestrutura desses aeroportos.

Todos os aeroportos necessitam que os procedimentos de Regras de Voos por Instrumentos se tornem instrumentos de condições meteorológica. Além disso, é precisa a instalação e homologação de PAPI.

“Essas condições tornarão nossas operações nessas cidades mais regulares e a gente conta com as autoridades dessas cidades para implantarem essas melhorias. A demanda existe e nós estamos apenas aguardando esses ajustes para voltarmos com nossas operações e deixar o estado do Paraná ainda mais conectado para além dos cinco aeroportos que já operamos atualmente”, afirma Vitor Silva, gerente de Planejamento de Malha da Azul.

Deixe uma resposta