Boeing apresenta estudo para higienização contra SARS-CoV-2; confira

Os testes foram conduzidos em um ambiente de laboratório protegido na universidade usando partes da cabine de comando e o vírus SARS-CoV-2

covid-19

Na última terça-feira (15), a Boeing e a Universidade do Arizona apresentaram um estudo de higienização contra covid-19 utilizando exposição de três horas em superfícies, especialmente em equipamentos de cabine de comando, a 50°C. O resultado é a eliminação de 99,99% do SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19.

“A segurança dos passageiros e da tripulação são nossas principais prioridades. Isso se estende por todas as áreas da aeronave”, afirmou Michael Delaney, que lidera os esforços da Iniciativa Viagem com Segurança (Confident Travel Initiative – CTI) da Boeing.

Segundo o estudo, temperaturas a partir de 40°C já seriam efetivas em matar mais de 99,9% dos vírus. “A desinfecção térmica pode fornecer uma nova ferramenta bastante valiosa de destruição do vírus da covid-19 em componentes sensíveis e de difícil acesso que protegem os pilotos”, ressalta.

Os testes foram conduzidos em um ambiente de laboratório protegido na universidade usando partes da cabine de comando e o vírus SARS-CoV-2. “Estamos basicamente cozinhando o vírus. A desinfecção térmica é uma das formas mais antigas de matar microrganismos causadores de doenças. É usada por microbiologistas em nosso laboratório todos os dias”, explicou o Dr. Charles Gerba, microbiologista da Universidade do Arizona e especialista em doenças infecciosas.

A cabine de comando foi projetada para suportar temperaturas de até pouco mais de 71ºC, o que torna a desinfecção térmica um método de higienização seguro, prático e eficaz. Como as viagens aéreas são fundamentalmente afetadas pela pandemia global de covid-19, a Boeing e a Universidade do Arizona continuam testando métodos de limpeza recomendados em um laboratório contra o SARS-CoV-2 e outros vírus semelhantes para validar sua eficácia.

Deixe uma resposta