Boeing toma decisões sobre o projeto do 737 MAX

Por: Camila Oliveira

 

A Boeing tem feito uma série de atualizações no projeto do 737 MAX para otimizar ainda mais o desempenho da nova variante do motor. “O 737 MAX está no rumo certo para proporcionar substancial economia de combustível aos clientes a partir de 2017″, afirma o vice-presidente e gerente-geral, do programa 737, Beverly Wyse.

 

“Tomamos várias decisões sobre esse projeto que apoiam as metas de desempenho para o MAX e evoluem o design do 737 Next-Generation no âmbito do programa 737 MAX”, diz ainda. Essas decisões de projeto incluem:

 

Melhorias aerodinâmicas na cauda: o cone de cauda será estendido e a seção acima do elevador será engrossada para melhorar estabilidade do fluxo de ar. Isto elimina a necessidade dos geradores de vórtice na cauda. Essas melhorias vão resultar em menos arrasto, melhorando o desempenho do avião;

 

Instalação do motor: os novos motores CFM International LEAP-1B serão integrados às asas, semelhante às linhas aerodinâmicas dos motores do 787 Dreamliner. Um novo amortecedor e uma escora, juntamente com uma extensão de oito polegadas no trem de pouso dianteiro, irá manter a mesma distância do solo atual do 737, porém acomodando hélices maiores nas turbinas. O design da porta dianteira foi alterado para se adaptar a esta revisão;

 

Atualizações de controle de voo e do sistema: os controles de voo incluirão spoilers fly-by-wire, o que economiza o peso do sistema mecânico usado anteriormente. O MAX também contará com um sistema de ar eletrônico do tipo “bleed”, que permite otimizar a pressurização da cabine e os sistemas que evitam congelamento, resultando em uma melhor queima de combustível.

 

Outras pequenas modificações no avião incluem o reforço do trem de pouso principal, das asas e da fuselagem para acomodar o aumento da carga devido aos motores maiores. A Boeing vai continuar a conduzir estudos sobre a eficiência dos motores, alterações aerodinâmicas e sobre a venda de aviões como uma equipe especializada que trabalha para otimizar o projeto da aeronave em meados de 2013.

 

“Também continuamos a fazer o trabalho no túnel de vento para encontrar melhor desempenho do 737 MAX em baixas e altas velocidades”, afirma oengenheiro chefe do projeto e gerente do programa 737 MAX, Michael Teal. “Com base no trabalho de concepção e os resultados dos testes preliminares, temos mais confiança na nossa capacidade de fornecer aos nossos clientes a economia de combustível de que necessitam, enquanto minimizamos o risco de desenvolvimento deste programa”.

 

Uma possível revisão para as pontas das asas do MAX também está sendo testada no túnel de vento para avaliar se esta nova tecnologia poderá beneficiar ainda mais o avião. “Qualquer nova tecnologia incorporada ao projeto MAX deve oferecer benefícios substanciais para os nossos clientes com um risco mínimo para a equipe que a desenvolve”, afirma Teal. “No 737 MAX, estamos seguindo o nosso processo de desenvolvimento e vamos continuar a trabalhar em uma versão do avião que irá proporcionar maior valor para nossos clientes.”

 

As companhias aéreas que operam o 737 MAX irão notar uma melhora na queima de combustível de 10 a 12% em relação aos atuais aviões de corredor único. Também será percebida uma melhoria de 7% no custo operacional por assento sobre os aviões concorrentes. E até o momento, o 737 MAX tem mais de 1000 pedidos e compromissos de compra, firmados por 16 clientes, de todo o mundo.

 

CO

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui