CADE aprova compra da Trend pela CVC, sem restrições

Businessman pushing shopping cart

Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) de hoje (21) a aprovação da aquisição de 90% da Check In Participações, empresa do grupo Trend, pela CVC. O anúncio da negociação de R$ 258 milhões foi feito no início de maio e dependia de um parecer favorável na análise do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). “Decido pela aprovação sem restrições”, diz o despacho assinado pelo Dr. Diogo Thomson de Andrade, superintendente-geral interino do Cade, em resposta ao Ato de Concentração nº 08700.003582/2017-57.

Para fechar o negócio, a Check In deverá passar por um processo de reorganização societária para adquirir 100% do capital social de todas as subsidiárias do grupo Trend, seguindo as orientações do contrato de compra e venda assinado há pouco mais de três meses. A Check In terá sua denominação social alterada para Trend Viagens S.A. e a CVC deterá o controle de todo o seu negócio de intermediação de produtos e serviços turísticos terrestres e aéreos para os segmentos de lazer e corporativo. Luís Paulo Luppa de Oliveira Couto – o Luppa – permanecerá como diretor-presidente e acionista minoritário da Check In.

Ao mercado, a CVC justifica o novo negócio como forma de ampliar e diversificar sua cadeia de serviços, agora com o reforço estrutural de uma operadora fortíssima em reservas de hotéis e vendas para o setor corporativo. No perfil da Trend, são mais de 155 mil hotéis no Brasil e no mundo, patamares superiores a 5 milhões de diárias vendidas por ano, mais de 14 mil agências clientes e 800 funcionários.

A CVC já havia investido na ampliação em consolidação aérea com a compra de 51% da RexturAdvance, em vendas on-line com o site Submarino e em pacotes de intercâmbio após a compra da Experimento. Anunciou ainda, no fim de maio, a compra de mais 33% da RexturAdvance, totalizando agora 84% da consolidadora.

O despacho foi publicado na Seção 1, página 21, do DOU de hoje.

O que isso muda para você? Confira a opinião de economistas e executivos do trade na análise assinada por Fernando Porto e publicada na edição de junho do Brasilturis.

Deixe uma resposta