Câmara de Comércio e Turismo LGBT se posiciona ante a fala de Bolsonaro

Em comunicado, a Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil afirma que, junto à comunidade, repudia o preconceito e considera o turismo uma atividade lucrativa

0

O presidente Jair Bolsonaro, na última quinta-feira (25), afirmou em um café da manhã com jornalistas que “o Brasil não pode ser um país do mundo gay, de turismo gay”. A declaração, aliás, não foi bem-recebida por alguns setores, inclusive o do Turismo LGBT+.

Em comunicado, a Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil afirma que, junto à comunidade, repudia o preconceito e considera o turismo uma atividade lucrativa, que promove o emprego, melhora a imagem do País no exterior e reafirma o compromisso brasileiro com a defesa dos direitos igualitários.

Confira o comunicado na íntegra:

Em resposta à informação publicada pela imprensa brasileira, contendo a frase “Quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. Agora, não pode ficar conhecido como paraíso do mundo gay aqui dentro”, sendo atribuída ao Presidente da República, a Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil vem a público esclarecer:

O Turismo LGBT movimentou USD218,7 bilhões em 2018, segundo dados da pesquisa LGBT Travel Market, promovido anualmente pela Consultoria Out Now/WTM.
Países como Israel, Espanha, França, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Grã-Bretanha, Argentina e Uruguai, entre tantos outros, realizam investimentos constantes no Turismo LGBT como forma de aquecimento dos negócios, bem como afirmação e respeito à cidadania.

A fala apresentada traz em si uma falta grave relacionada ao conceito de Turismo LGBT, que não promove o turismo sexual. Ao dizer que “Quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade”, o autor da frase sugere que o Governo incentivará o turismo sexual em território brasileiro, o que não é aceitável do ponto de vista moral e ético.
A Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil e a população LGBTI+ do País repudiam o preconceito e consideram o turismo uma atividade lucrativa, que promove o emprego, melhora a imagem do País no exterior e reafirma o compromisso brasileiro com a defesa dos direitos igualitários.

Combater a visita da comunidade LGBTI+ ao Brasil, além de ser um grave ataque aos direitos universais, impediria a entrada de USD26,8 bilhões na economia brasileira (pesquisa OUT/WTM 2018), colaborando com o desemprego e minando as relações internacionais brasileiras com países que valorizam a democracia e o fim do preconceito.

A Câmara de Comércio e Turismo LGBT do Brasil, entidade que defende e promove o empreendedorismo, a empregabilidade e o turismo de e para a comunidade LGBTI+ no Brasil, reafirma seu compromisso com a geração de renda e o combate à crise econômica e institucional no País. Reafirmamos nosso compromisso com o Turismo LGBT ao confirmar a realização da Conferência Internacional da Diversidade e Turismo LGBT (de 25 a 28 de agosto de 2019 na cidade de São Paulo), bem como com a continuidade das atividades assumidas com a sociedade, inclusive com o Acordo de Cooperação Técnica firmado entre a Câmara LGBT, a EMBRATUR e o Ministério do Turismo, assinado em maio de 2018 com validade de cinco anos.


Leia também:
Turismo LGBT: 36º Convenção Anual da IGLTA terá participação recorde de brasileiros
Visit Britain confirma participação no 3º Fórum de Turismo LGBT
Tailândia confirma presença no Fórum de Turismo LGBT do Brasil 2019

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here