“O que vivi no Turismo”… R.E. Cassulino

cassulino

Com experiência e paixão pela aviação, R.E. Cassulino ingressou cedo no Turismo. Foi aos 14 anos que ele aceitou uma vaga de office boy na Braniff International Airways para começar uma trajetória que perdura por muitos anos e faz dele um dos nomes mais conhecidos no segmento aéreo. “Naquela época, eu aprendi a operar telex, em função de algumas dificuldades de comunicação que existiam entre Viracopos e o Rio de Janeiro. Toda a informação referente ao voo e dados operacionais passavam por mim ou por quem estivesse de plantão naquela noite, então era preciso saber usar todos os recursos. Foi muito divertido”, conta.

É por toda essa dedicação e pelos legados deixados que R.E. Cassulino é o personagem da semana de “O que Vivi no Turismo”, série desenvolvida pelo Brasilturis Jornal para homenagear quem fez e faz a história da atividade no País. De office boy ele foi para o atendimento ao passageiro – com direito a uniforme desenhado por Emilio Pucci -, subiu ao departamento de reservas e pela “veia de vendedor que acabava sobrevendendo voos” acabou convidado a integrar o setor de vendas. “Visitava empresas nacionais e americanas, mas eu não gostava. Achava a agenda muito rígida, eu gostava mesmo era de visitar agências de viagens porque não tinha todo esse protocolo. Era muito mais simpático”, diz.

Filho de militar da força aérea, ele acredita que a carreira do pai tenha sido decisiva para sua escolha, já que a companhia norte-americana não é a única que figura em seu extenso currículo. As sul-americanas Aero Peru, Ladeco e Avianca já tiveram Cassulino em seus times, além da brasileira Vasp. Nessa última, ele acompanhou os fretamentos feitos com aviões Airbus sem o tanque central de combustível. “Só tinha o tanque das asas, então a autonomia era de 2h40 de voo. Imagina quantas escalas ele fazia até chegar a Miami…”, relembra.

Cassulino também empreendeu em outras frentes: Já foi sócio de uma locadora de automóveis, trabalhou em operadoras e no grupo Águia, liderou associações do trade, teve uma agência de viagens e atuou junto a Caio Carvalho e Tasso Gadzanis na Anhembi Turismo. Outra experiência marcante para ele foi trabalhar por 20 anos ao lado de Goiaci Guimarães, na Rextur. “Foi uma grande escola de consolidação”, conta.

Atualmente na Ancoradouro, Cassulino enaltece a gestão da família Cintra, comemora antecipadamente os sete anos de empresa que completará em 2021 e espera que muitos outros ainda venham. “A filial de São Paulo é a segunda em vendas do grupo, a primeira continua sendo Campinas e região. Honestamente, espero continuar trabalhando lá porque gosto muito da empresa, da gestão, das pessoas. Se pai e filho assim o permitirem eu quero continuar”, finaliza.

Confira o novo episódio da série:

Quatro décadas de história

Neste ano, o Brasilturis Jornal, publicação pertencente à Editora Via desde 2016, comemora seu 40º aniversário. Para celebrar a data, homenageia 40 profissionais, com mais de 40 anos de atividades em Turismo, divulgando suas histórias, experiências, dificuldades e conquistas. A cada semana estreia um novo episódio, todos estão disponíveis na Web TV do portal Brasilturis.

Veja também

O que vivi no Turismo… José Leiman

O que vivi no Turismo… Elizabeth Wada

Veja todos os episódios da série “O que vivi no Turismo”

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns,
    O Cassulino sempre foi uma fonte inspiradora para o Turismo.
    Nunca vou esquecer quando em 1996 decidi sair da agência que era sócia e abri
    outra em sociedade com as minhas 2 filhas… Enquanto estava tratando da documentação, ele liberou o meu crédito junto a Rextur.. Nunca vou esquecer essa atitude, onde a palavra de uma pessoa valia mais do que um contrato. Obrigada .

Deixe uma resposta