CDC entrega certificação de navegação adicional à Royal Caribbean

A Royal Caribbean será uma das empresas que retomará as operações após um ano e realiza navegação de simulação com 10% da capacidade

Royal Caribbean

O Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) concederam ao Celebrity Edge da Royal Caribbean certificação de navegação adicional. Este será um dos primeiros grandes navio de cruzeiros a partir dos Estados Unidos após um ano. Apesar de ainda necessitar de protocolos bem estabelecidos, a novidade já oferece esperança às operadoras de cruzeiros da América do Norte a retomarem as operações com segurança, segundo a Globaldata, empresa de dados e análises.

“Os americanos são ávidos cruzadores, com a pesquisa de consumidor do terceiro trimestre de 2019 da Globaldata descobrindo que 24% dos entrevistados nos EUA normalmente fazem um cruzeiro de férias, acima da média global (15%). Os cruzeiros continuarão tendo alta demanda nos Estados Unidos, já que essas viagens permitem que os americanos visitem vários lugares em uma viagem, o que os torna uma forma eficaz de viajar para esse mercado”, declara Johanna Bonhill-Smith, analista de Viagens e Turismo da Globaldata.

Parte da ordem do CDC para retomar os cruzeiros inclui realizar viagens simuladas, onde os passageiros voluntários podem ficar pelo menos três dias e duas noites, replicando um cruzeiro normal com apenas 10% da capacidade, como um teste. Antes de receber o certificado de navegação, a Royal Caribbean já planejava operar um simulador de viagem.

Mais de 250 mil se voluntariaram para participar do processo de simulação com a empresa, demonstrando uma demanda de turistas americanos. Em 1º de julho, o CDC aprovou provisoriamente quatro solicitações para o início de cruzeiros teste, com outras seis solicitações em revisão, demonstrando que os processos estão em andamento para que o Turismo retorne com segurança.

Vacinas e cruzeiros

Os Estados Unidos têm uma das taxas de vacinação mais altas do mundo. No entanto, segundo a Globaldata, o ceticismo da vacina no país pode ser uma barreira para o lançamento de certificações de navegação adicionais. De acordo com um levantamento, 21% dos entrevistados norte-americanos declaram que não pretendem tomar a vacina, o que poderia prejudicar ainda mais a aceitação dos cruzeiros.

“Alguns operadores de cruzeiros afirmaram que a vacinação será necessária para os passageiros viajarem com segurança no futuro, enquanto outros afirmaram que um teste negativo será suficiente. No entanto, para obter um certificado de navegação condicional emitido pelo CDC nos EUA, a vacinação é o principal fator. Embora ainda haja um longo período de recuperação para as operadoras de cruzeiros dos EUA, há esperança no horizonte para uma indústria cujas perspectivas têm sido continuamente rotuladas como ‘desoladoras’ durante esta pandemia”, completa Bonhill-Smith.

Deixe uma resposta