Chile aumenta oferta aérea para o mercado brasileiro e estreia nova marca

Por: Rafael Lima

 

O Turismo do Chile lança as novas diretrizes da sua marca para mercado brasileiro e destaca o aumento da conectividade aérea entre Chile e o Brasil em 2014. Entre as estratégias e promoções turísticas, a corporação aponta fortes investimentos no Brasil para os próximos meses e já visualiza participação na WTM Latin America 2015.

 

Andrea Wolleter, gerente geral do Turismo do Chile, diz que as mudanças implementadas na marca procuram gerar uma proximidade com o público e assim vantagens competitivas que permitam atrair novos turistas. “Em conjunto com esta importante renovação da nossa marca, temos um plano de potencializar a presença do Chile, onde o mercado brasileiro receberá um investimento total de 2 milhões de dólares durante todo o ano de 2014.

 

“O Brasil é um importante mercado para nossas atividades turísticas, como mostram os números de 2013, quando 362.162 brasileiros entraram no Chile, sendo julho e agosto os meses de maior nmero de visitantes devido a alta temporada de esqui”, disse o subsecretário de Turismo, Javiera Montes.

 

Outro grande destaque é o visível aumento da conectividade aérea entre Chile e o Brasil, que apresentou um incremento durante o primeiro trimestre de 2014. Novas companhias aéreas passaram a oferecer voos desde o Brasil para o Chile, como a uruguaia BQB, a chilena Sky Airline e a espanhola Air Europa, que em conjunto incrementarão em 25% as ofertas de assentos para o destino.

 

A SKY Airline, por enquanto, opera um voo diário entre as cidades de Santiago e São Paulo, enquanto a BQB oferece um voo com saída de Porto Alegre até Santiago com um stop de 40 minutos, e sem transferência de aeronave, na cidade de Montevidéu.

 

 

WTM Latin America

 

O Turismo do Chile já visualiza participação na WTM Latin America 2015. Acreditamos que a feira tem um forte potencial de crescimento e estaremos presentes no próximo ano. Os nossos parceiros ficaram muito satisfeitos com a participação e os negócios gerados nesta edição”, diz Andrea Wolleter, Gerente Geral do Turismo do Chile.

 

O stand do Chile 2014 foi três vezes maior que o ano anterior e reuniu mais de 40 empresas de turismo entre hotéis, operadores turísticos, vinhedos, assim como a companhia aérea Sky Airline e executivos das regiões de Valparaíso, O Higgins, Araucanía, Magallanes, Antártica Chilena e dos Municípios de Viña del Mar e Pucón.

 

Durante a WTM 2014, o Chile promoveu a experiência gastronômica do país por meio de “Aulas Show” de gastronomia chilena, onde chefs brasileiros prepararam, ao vivo, comidas típicas para degustação. Tudo isso em uma área também dedicada ao fornecimento de vinhos do país, com presença das vinícolas Concha y Toro, o vale de Casablanca e a rota do vinho Colchagua.

 

 

Crescimento

 

Com objetivo estratégico de receber 5 milhões de visitantes internacionais em 2020, o Turismo do Chile vem aumentando cada vez mais o investimento em turismo de lazer e negócios, a fim de atrair o consumidor final nos mercados prioritários, como desenvolver e promover nichos de mercado e expansões geográficas. No total são 11 os países destacados como mercados prioritários para a promoção do turismo: Brasil, Argentina, Peru, Colômbia, México, Estados Unidos, Austrália, França, Alemanha, Inglaterra e Espanha.

 

O Chile recebeu 3.569.744 visitantes estrangeiros em 2013, com uma taxa de crescimento que se manteve em relação ao ano de 2012. Deste total, a América do Sul é responsável por 76% das chegadas, Europa 12%, América do Norte 8% e o resto do mundo, 4%.

 

Em promoções internacionais, o investimento ultrapassou US$8,3 milhões em 2013, com meta para chegar a US$ 14 milhões em 2014. Cada região investe cerca de US$ 1 milhão só em promoções turísticas no Exterior, incluindo viagens de imprensa, publicações de mídia, feiras de turismo e workshops.

 

Para 2014, o investimento da iniciativa privada do país vai alcançar US$ 389 milhões, projetados para diferentes atividades turísticas, como verbas em restaurantes, infraestrutura e transportes, hotéis, iniciativas de lazer, esportes e atividades culturais. Segundo dados do Serviço Nacional de Turismo do Chile (Sernatur), são projetados também um montante de US$ 391 milhões em investimentos para 2015 e US$ 615 milhões para 2016.

 

 

RL

Deixe uma resposta