Clia prevê 32 milhões de embarques em cruzeiros no próximo ano

Uma das preocupações para 2020 é a criação de ferramentas que diminuam o impacto ambiental

0
Marco Ferraz (Clia Brasil)

Nesta terça-feira (17), a Cruise Lines International Association (Clia) divulgou o relatório de “Perspectivas sobre o Estado da Indústria de Cruzeiros para 2020”. O documento estima o embarque de 32 milhões de passageiros no próximo ano.

“Embora a demanda por cruzeiros tenha atingido novos patamares, a indústria de cruzeiros está acelerando nossos esforços para sermos líderes em turismo responsável”, afirma Kelly Craighead, presidente e CEO da Clia.

A movimentação do setor contribui para o desenvolvimento financeiro das cidades as quais recebem as embarcações. Para atender a demanda prevista até o final de 2020, serão incorporadas 19 novas embarcações, resultando em um total de 278 navios de oceanos dos associados da CLIA.

“O impacto econômico do setor é de grande importância, especialmente no que se refere às contribuições dos cruzeiristas às economias locais e à geração de postos de trabalho. Com esses números e expectativas positivas, aliados às principais tendências e a um perfil do atual cruzeirista tão bem traçado, temos uma excelente ferramenta para alavancar cada vez mais o nosso setor”, ressalta disse Marco Ferraz, presidente da Clia Brasil (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos).

Segundo Marco, no Brasil, a perspectiva para a temporada 2019/2020 é um impacto de $ 2,2 bilhões na economia do país, montante 6% superior ao ano anterior. No mundo, o nicho manteve 1.177.000 empregos, representando US$50,24 bilhões em salários e remunerações e US$150 bilhões em produção total em 2018.

Segundo a análise de Impacto Econômico Global da CLIA para 2018, serão investidos US$22 bilhões para o desenvolvimento de novas tecnologias que diminuam o impacto ambiental, além do compromisso de reduzir as taxas de carbono em 40% até 2030. “Os nossos membros estão na linha de frente das práticas recomendadas concebidas para proteger a integridade dos destinos que visitamos e melhorar as experiências dos viajantes e residentes”, reforça Kelly.

O documento incita ainda que a média de gasto de passageiros em cidades portuárias é de US$376, além dos US$101 deixados nos portos.  A América do Norte é responsável pela maior taxa de viajantes em cruzeiros, com 14,2 milhões de norte-americanos viajando em cruzeiros em 2018.

Tendências da indústria de cruzeiros 2020

No próximo ano, 44% da capacidade das novas embarcações dependerá do combustível GNL para propulsão primária e 75% que não utilizam GNL contarão com o Sistemas de Limpeza de Gases de Exaustão (EGCS).

Todos os lançamentos terão sistemas avançados de tratamento de água residual e 88% terão ou serão aptas a energia litorânea. Haverá ainda a implantação de embarcações movidas a bateria, práticas avançadas de reciclagem, redução de plástico, iluminação energeticamente eficiente, energia solar e célula de combustível.

Para gerenciar o aumento de cruzeiristas, serão implantadas parcerias com governos locais e chegas e partidas escalonadas. Segundo o Relatório de Perspectivas sobre o Estado da Indústria de Cruzeiros 65% dos passageiros de cruzeiros passam alguns dias a mais nos destinos de embarque ou de desembarque, o que permite a movimentação econômica da região.


Leia mais:
Clia registra aumento de 16,1% no número de cruzeiristas brasileiros no 1ºS
Clia revela aporte de US$ 22 bilhões para tecnologia sustentável
Clia Brasil enxerga saldo positivo após realização de fórum


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here