Welcome to Brazil – Companhias dos Estados Unidos destacam ações

A American Airlines, United e Delta debatem soluções para o desenvolvimento de novas operações no Brasil

0
As três principais companhias americanas atuando no Brasil elencaram os próximos passos
Por Leonardo Neves – Matéria publicada na edição nº 825 do Brasilturis Jornal

Os Estados Unidos são soberanos quando o assunto é levar brasileiros ao exterior. Em 2018, o número de turistas do Brasil que visitaram a terra do Tio Sam foi de 1,65 milhão de pessoas, de acordo com dados do Statista, portal on-line que disponibiliza dados recolhidos por institutos de pesquisas de todo o mundo.

O índice está longe do ápice atingido em 2014 – com 2,26 milhões de visitas aos EUA -, mas é o primeiro ano de alta desde 2016, quando os números começaram a cair. As projeções até 2022 são de um crescimento que deve chegar a 1,84 milhão de visitantes anuais.

Diante do aumento e da adoção de políticas que beneficiam o setor aéreo por parte dos governos nas esferas federal e estadual, as três principais companhias aéreas norte-americanas atuantes no País já avaliam expandir os negócios por aqui. As empresas iniciaram debates que visam sanar os principais empecilhos que ainda impedem o desenvolvimento mais rápido e agudo.

Expansão e upgrade

Jacqueline Conrado (United)
Jacqueline Conrado (United)

A United Airlines, companhia que liga o Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP) a 10 cidades norte-americanas avaliou que o novo governo está trazendo otimismo para o setor privado. Jacqueline Conrado, diretora da United no Brasil, reforçou que esse posicionamento ajuda a impulsionar os investimentos e avalia a possibilidade de expandir as conexões Brasil-EUA em parceria com a Azul. As empresas têm um acordo de codeshare desde 2015.

A executiva que assumiu o posto em janeiro deste ano, com a missão de liderar o principal mercado latino-americano para a aérea, informa que a companhia conseguiu manter a capacidade estável ao longo dos anos, e agora, pode ser o momento de expandir. “Com nosso relacionamento muito próximo à Azul, há muitas oportunidades para que possamos conectar diversas partes do Brasil aos EUA”, lembrou.

Ela também destacou que a política de Céus Abertos, que permite a expansão sem limites de voos e rotas por parte de companhias internacionais atuando no Brasil, também trouxe “uma luz positiva para o Brasil” e informou que as aeronaves em operação devem passar por upgrade.

A expectativa é que o processo de modernização das aeronaves seja finalizado até 2020. “Até lá, esperamos que todos os aviões que aterrissam no Brasil apresentem as novas poltronas da classe executiva Polaris, bem como a Premium Plus, classe que oferecerá assentos diferenciados em relação à Economy e à Economy Plus”, finalizou Jacqueline.

A perspectiva positiva também é compartilhada pela American Airlines. Atualmente, a companhia opera 53 frequências por semana no Brasil, sendo 32 partindo de São Paulo, sete do Rio de Janeiro, sete de Brasília (DF) e outras sete de Manaus (AM).


LEIA MAIS

+ American estende cancelamentos de voos do 737 Max 8; veja
+ United apresenta visual renovado da parte externa de aeronaves
+ Delta mantém voo sazonal entre Rio de Janeiro e Nova York em 2020

Extensão do debate

Dilson Verçosa Jr. (American Airlines)
Dilson Verçosa Jr. (American Airlines)

Dilson Verçosa Jr., diretor de vendas da American Airlines para as Américas do Sul e Central, destacou que os principais pleitos do setor aéreo internacional estão sendo cada vez mais colocados em pauta e que os governos estão notando a importância do setor no desenvolvimento econômico. O executivo ressaltou, porém, que o debate e as medidas para melhorar o cenário devem se estender para além dos terminais aéreos.

“O Brasil precisa debater cada vez mais a questão da infraestrutura aeroportuária, mas também a necessidade de ter mais portões de embarque e acessos aos aeroportos. O ideal seria uma descentralização das operações em Guarulhos e investimento em novos hubs, como Recife (PE). Além disso, devem continuar sendo feitas mais privatizações, seguindo a boa leva recente”, apontou o executivo.

Apesar do cenário positivo para as companhias estrangeiras até o momento, Verçosa não crê em aumento de operações entre o Brasil e os Estados Unidos em 2019. “Ainda é cedo para avaliar os índices que poderão se concretizar ao final do ano que, aliás, não estão tão animadores. A isenção dos vistos para norte-americanos poderia ser um ponto que ajudaria a melhorar, mas ainda não trouxe grandes mudanças”, afirmou.

Desde fevereiro, o governo do estado de São Paulo tem se aproximado do setor aéreo adotando medidas como a redução da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do querosene da aviação. A atual gestão também vem promovendo encontros com companhias aéreas internacionais para debater medidas que atendam às principais demandas, o que, de acordo com o executivo da American Airlines, coloca o estado em posição de vantagem.

“O governo de São Paulo sabe das necessidades da nossa área e está dando um passo à frente com as medidas para o setor. Estão sendo debatidos meios pelos quais o governo pode ajudar a aprimorar o segmento, desde transportes mais regulares para os aeroportos até segurança, a fim de tornar o estado uma porta de entrada para os turistas. Está sendo uma jogada de mestre”, destacou.

Já a Delta Airlines, que opera voos diários para os Estados Unidos a partir de São Paulo para Atlanta e Nova Iorque e também oferece ligações diárias do Rio de Janeiro até Atlanta, continua a apostar na parceria com a Gol para manter o plano de expansão na América Latina. A colaboração das empresas permite conexões em mais de 25 cidades brasileiras (a partir de uma ponte em São Paulo, Rio ou Brasília) com os Estados Unidos.

Questionada sobre a posição em relação às políticas vigentes, a companhia disse que não comenta contextos relacionados aos mercados em que opera. “A missão da companhia é conectar pessoas e continuaremos investindo no mercado brasileiro como tem sido feito em mais de 20 anos de serviços ininterruptos no País”, informou, em nota.


Leia Também:

Embraer X lança solução para aviões em manutenções não-planejadas
A330-900neo da Azul realiza primeiro voo internacional para Orlando
Tap diz que “2019 deve ficar no mesmo patamar de 2018”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here