Comparativo: Tiguan x Edge

Por: Marcelo Alexandre

Nessa oportunidade trazemos mais um comparativo. Alias, vamos comparar dois veículos que podem até ser considerados de categorias diferentes. O primeiro é o Ford Edge, que segundo a própria montadora, é caracterizado como um crossover de luxo. Para quem ainda não conhece essa caracterização, crossover é um tipo de veículo que reúne características de perua e de um Sport-Utility. Ou seja, o carro traz visual de carro grande como num SUV, porém com a praticidade e dirigibilidade de uma perua.

O outro é o Sport-Utility Tiguan da Volkswagen. Já mais conhecido do público brasileiro, o Tiguan, ainda que tenha mais características de um SUV do que um crossover, não pode ser entendido como um SUV autêntico, uma vez que não foi concebido para aventuras radicais no fora de estrada. Ainda sim, a Volkswagen define o produto como um SUV.

Então qual seria o motivo de comparar produtos, em teoria, tão diferentes!? A resposta é simples: No final das contas, ambos acabam sendo usados da mesma forma pelos seus proprietários e tem um preço de venda muito próximo, nas respectivas versões que serão comparadas aqui.

História

O Ford Edge foi lançado no Brasil em fins de 2008. Quando chegou por aqui, o Ford Edge era uma referência em tecnologia e sofisticação. Inicialmente posicionado como produto de imagem da Ford, suas vendas dobraram de volume com as novidades introduzidas na linha ao longo do tempo. É importante destacar que o segmento de crossovers ganhou muito espaço no mercado brasileiro. De 2008 a 2011, tiveram um avanço de 170% no período, enquanto os utilitários esportivos cresceram apenas 13%. Ainda sim, o Edge evolui bastante. E a linha 2012 trouxe ainda mais novidades. Passou a incluir sistema multimídia SYNC da Microsoft com comandos de voz em português e GPS integrado com mapas do Brasil. Além disso, o Edge passou a oferecer a opção de tração dianteira em suas versões SEL e Limited.

Já o Tiguan foi lançado mundialmente em 2007, e tornou-se um dos grandes sucessos da Volkswagen. A última atualização do Tiguan aconteceu no final de 2011. A versão anterior vendeu mais de 700 mil unidades em todo o mundo desde seu lançamento. Internacionalmente, os maiores mercados do Tiguan incluem Europa Ocidental, Rússia, Estados Unidos, China, Austrália e Brasil, onde foi lançado em 2009 e é o segundo modelo importado da Volkswagen com maior volume de vendas por aqui. A última reestilização do Tiguan contemplou um avançado pacote de sistemas tecnológicos que inclui detector de fadiga, o sistema Kessy de acesso ao veículo e partida do motor sem uso da chave e o Park Assist II, que auxilia no estacionamento em vagas paralelas e também em vagas transversais.

Versões escolhidas

E nesse comparativo vamos confrontar o Ford Edge Limited com tração dianteira com a versão topo de linha do Volkswagen Tiguan com todos os seus opcionais. A versão escolhida do Ford Edge tem preço de venda de R$ 142,1 mil. Já o Volkswagen Tiguan que é vendido em versão única parte de R$ 106,4 mil. Porém com todos os seus opcionais, o preço sobe para R$ 138,7 mil. Ou seja, eles custam praticamente a mesma coisa.

Estilo

O design do Edge é da escola americana da Ford que proporcionou um ar parrudo e musculoso ao veículo. A dianteira com as grades cromadas e os faróis afilados tem o melhor ângulo do crossover, transmitindo esportividade e imponência. Os leds para iluminação diurna (que substituem os faróis auxiliares) são elegantes. Entretanto, poderiam ter maior intensidade para serem mais efetivos durante o dia. A lateral limpa, as caixas de rodas salientes e a linha de cintura alta dão presença ao carro. A traseira é mais discreta, com lanternas pequenas que não invadem a tampa do porta-malas. O modelo ainda traz duas saídas de escapamento cromadas, uma de cada lado. O destaque fica com rodas de 20 polegadas que tem acabamento cromado. Vale destacar que esse acabamento cromado é uma “capa” montada sobre a roda de liga-leve.

Já o Tiguan adota o DNA de estilo da Volkswagen, com predominância de linhas horizontais bem definidas. Como no Touareg, sua grade é marcada por dois frisos cromados duplos, que fazem a ligação entre os dois faróis nas extremidades. Logo abaixo do para-choque, os faróis de neblina, posicionados nas aberturas de ventilação laterais, completam o conjunto. Uma das características de todos os atuais modelos da Volkswagen são as lanternas traseiras com design horizontal. No Tiguan, elas são bipartidas, com a parte interna incorporada à porta do compartimento de bagagem. Quando acesas, elas criam elementos duplos, formando um L. A borda inferior das novas lanternas segue uma linha horizontal. No modelo avaliado estavam presentes os faróis com iluminação xenon (opcionais), acompanhados por lanternas dianteiras formadas por um conjunto de 14 LEDs. Tais LEDs permanecem acesos durante o dia, conferindo um ar distinto a frente do carro.

Interior

Espaço é algo que não falta no Edge devido ao seu DNA tipicamente americano. São 4,70m de comprimento, 2,82m de entre eixos, 2,22m de largura (incluindo os retrovisores) e 1,70m de altura. Todo esse tamanho faz com que os passageiros viajem confortavelmente, inclusive um possível terceiro ocupante atrás que não terá que se incomodar com elevação no assoalho entre as pernas. Os bancos de trás também reclinam para maior conforto. Além disso também são rebatíveis automaticamente por meio do sistema Easy Fold System. O Edge ainda conta com sistema de abertura e fechamento automático da tampa do porta-malas, pelo simples toque de um botão, presente também no telecomando da chave. Espaço interno é algo que não falta ao Edge. Seu porta-malas oferece 909 litros, e com os bancos traseiros rebatidos, esse espaço sobre para 1.971 litros. A oferta de porta-objetos é realmente ampla, a começar de um enorme compartimento, sob o descansa-braço entre os bancos dianteiros. Outro espaço interessante é encontrado atrás do painel central, ideal para carteiras e objetos de pequeno tamanho. O nível de conforto é excelente, até mesmo para o quinto passageiro no centro do banco traseiro. Ou seja, o Edge consegue transportar mais carga e oferecer mais conforto para seus ocupantes.

Já no Tiguan, o interior é menor e mais racionalizado. Afinal, são 4,42 metros de comprimento, 2,60m de entre eixos, 2,04m de largura (incluindo os retrovisores) e 1,66m de altura. Assim, os detalhes dão praticidade ao ambiente. Além de porta-objetos nas portas e console central, há mesas dobráveis atrás dos bancos dianteiros e encosto do banco central traseiro rebatível, que pode servir de descansa braço ou porta-copos. Sob o banco do motorista há uma gaveta porta-objetos e o encosto do banco do passageiro da frente pode ser totalmente rebatido para o transporte de objetos longos. Também existe a opção de ajuste elétrico do assento do motorista em todas as direções, inclusive com ajuste do lombar. O banco do passageiro conta também com ajuste de altura, porém, manual. O Tiguan oferece excelente nível de conforto para quatro ocupantes, embora possa levar cinco ainda com razoável conforto. O banco traseiro, que traz encostos rebatíveis e divididos na proporção 60/40, pode ter a posição ajustada em 16 cm no sentido longitudinal. Por conta dessa característica, pode-se ajustar o espaço para as pernas na parte de trás ou a capacidade do compartimento de carga, de 470 litros. Com os bancos traseiros rebatidos, o espaço sobe para 1.510 litros.

Motores e câmbios

No Brasil, todas as versões do Edge são equipadas com motor V6 de 3.5 litros. Ele oferece 289 cavalos de potência a 6.500 rpm e torque de 343 Nm a 4.000 rpm. Uma das características é o duplo comando variável e independente de válvulas (Ti-VCT) que permite o ajuste contínuo do motor para maximizar o fluxo de ar e a eficiência volumétrica. Junto com esse motor, está a transmissão automática SelectShift de 6 marchas. Esse câmbio casa bem com o motor, com trocas suaves e bom escalonamento. O sistema ainda permite trocas sequencias das marchas, através de um pequeno botão instalado na alavanca de câmbio. O desempenho é convincente e proporcional a rotação do motor, em rotações baixas o motor se mostra bem suave. Na estrada, o conjunto é bastante consistente quando solicitado. Os 289 cavalos são suficientes para dar agilidade aos 1.972 kg do Edge. Mas o bom desempenho cobra o seu preço no consumo de gasolina. Na cidade, não é possível fazer mais que 6 km/l. E na estrada, a melhor marca não supera 9 km/l. O reservatório de combustível tem 68 litros. A aceleração até 100 km/h acontece em 9 segundos e a velocidade máxima é limitada eletronicamente em 180 km/h.

Já o Tiguan, tem o seu ponto alto no motor turbo à gasolina. Ainda que seja um motor de 4 cilindros, o rendimento impressiona. Ele produz potência máxima de 200 cavalos à 5.100 rpm, com 28 kgfm de torque (entre 1.700 e 5.000 rpm). Atuando em conjunto com um câmbio Tiptronic de seis marchas, o conjunto leva o Tiguan de 0 a 100 km/h em apenas 8,5 segundos e à velocidade máxima de 207 km/h, desempenho confirmado na prática. Para mais esportividade existem “borboletas” atrás do volante para as trocas de marcha. O Tiguan ainda mostra eficiência quando o assunto é economia de combustível. Mesmo pesando 1.622 kg, o Tiguan consegue fazer uma média de 7 km/l na cidade. Na estrada, essa média sobe para 11 km/l, em condução moderada. Com um tanque de 64 litros, a autonomia é muito boa.

Tração e mobilidade

O Edge avaliado aqui conta com tração dianteira. Porém, existem versões com tração integral. Ainda sim, o Edge é um carro para ser usado como qualquer outro automóvel, ou seja, no asfalto. A começar dos enormes pneus 245/50 de raio 20 com perfil baixo, excelentes para a estabilidade na estrada, porém com sérias restrições ao enfrentar qualquer tipo de buraco, ou até mesmo subir uma guia. A vocação urbana do Edge se confirma através do ângulo de ataque, que é de apenas 15 graus. O ângulo de saída sobe para 28,1 graus e o vão livre do solo é de 20 cm. Ou seja, o Edge é um carro feito para o asfalto mesmo. Além disso, a suspensão do Edge não é igual a maioria dos carros norte-americanos. Em vez de ser muito mole visando prioritariamente o conforto, o Edge tem uma suspensão mais consistente. Na prática, ela é firme e proporciona condução esportiva no asfalto liso.

Já o Tiguan vem sempre de série com a tração integral definida por 4Motion. Ela aciona as rodas traseiras apenas quando há perda de aderência das dianteiras, mediante uma embreagem multidisco Haldex. Não existe redução, já que a proposta não é de fora-de-estrada autêntico. A tração integral serve mais para conferir estabilidade ao modelo, além de alguma mobilidade em terrenos de baixa aderência. Ainda que o Tiguan consiga enfrentar estradas de terra, ou caminhos de praia, não deve ser usado em aventuras no fora de estrada. No uso normal, 90% do torque é dirigido para o eixo dianteiro, o que ajuda a economizar combustível. O sistema também evita que as rodas dianteiras girem em falso nas arrancadas e nas acelerações, podendo transferir até 100% da força do motor para as rodas traseiras nessas circunstâncias. A suspensão do Tiguan é mais confortável e macia. Muitos motoristas vão achar a Tiguan com comportamento de sedan, dado o nível de sofisticação da suspensão do veículo, além da suavidade do conjunto. As rodas são de alumínio de 17 polegadas e usam pneus 235/55. Na mobilidade fora do asfalto, o Tiguan tem ligeira vantagem sobre o Edge. O ângulo de entrada do Tiguan é de 18 graus, o de saída sobe para 25 graus e a altura livre do solo é de 20 cm.

Um show de tecnologia embarcada

Certamente esse é o tema que mais diferencia os modelos em questão. Ambos os veículos oferecem tecnologias realmente avançadas, mesmo quando comparadas a outros produtos do segmento. Entretanto, cada marca tem a sua maneira de trazer essa tecnologia até o cliente.

Ford Edge

A tecnologia e os mimos presentes do Edge encantam até mesmo os mais exigentes, a começar da hora de entrar no carro. Com a chave no bolso (que inclui sistema presencial) basta colocar a mão na maçaneta para que o carro se destranque. Se estiver muito calor, também é possível dar partida no carro à distância, para que o ar condicionado comece a funcionar antes mesmo de se entrar no carro. Se estiver sem a chave, o motorista também pode abrir o carro usando o código no teclado numérico da porta.

Tanto motorista como o passageiro da frente contam com ajustes elétricos e aquecimento para os bancos como também ar-condicionado de duas zonas. Nos bancos, os comandos elétricos oferecem ajustes em 10 posições diferentes, incluindo ajuste lombar para motorista e passageiro na versão topo de linha. Na versão Limited, a cabine tem revestimento em couro cinza claro.

O acabamento do console central é em black piano. Todos os comandos do ar-condicionado, funções do som e demais controles do console central estão em uma superfície na qual não existem botões físicos. Basta aproximar o dedo que as funções são ativadas através de um sistema totalmente touch screen.No mostrador de instrumentos do motorista, exista apenas um único marcador analógico, que é o velocímetro no centro. Nas laterais, estão duas telas digitais de alta resolução com cores vibrantes. Elas podem ser personalizadas mostrando as informações de preferência do usuário, que incluem os marcadores de combustível, temperatura, conta-giros, computador de bordo, configurações do carro entre outras várias de funções. A interação com cada uma das telas é relativamente simples. No volante do carro existem dois conjuntos de controles iguais, um de cada lado. O controle da esquerda controla as funções da tela esquerda. E os controles da direita, interagem com a tela direita. Leva algum tempo até que o motorista se acostume com tanta informação digital e entenda todas as opções disponíveis. Mas depois de certo tempo de uso, o sistema é bastante fácil de entender e usar.

Além disso, o Edge 2012 traz um novo nível de interatividade tecnológica para as ruas brasileiras. A nova geração do sistema SYNC da Microsoft foi desenvolvida para operar também com comandos de voz em português do Brasil. O SYNC foi desenvolvido para oferecer o máximo em interatividade. Ele permite operar telefone, navegador GPS, sistemas de entretenimento multimedia e climatização a bordo através de uma tela touchscreen. Para um uso mais intuitivo, os comandos são identificados no painel central e no mostrador por cores diferentes para cada uma das funções. Assim o menu do telefone é na cor amarela, do navegador verde, entretenimento vermelho e climatizador azul. Essas funções podem ser controladas por teclas no volante ou pela tela central multimedia touchscreen e até mesmo por comandos de voz. A tela ainda funciona em conjunto com uma câmera de ré, que inclui sensor de proximidade e oferece três níveis de zoom na tela de 8 polegadas.

O navegador do Edge 2012 já traz o mapa do Brasil, e base de dados atualizada da TeleAtlas (o mesmo fornecedor do GoogleMaps). Ele pode operar por comando de voz em português, ou por toques na tela de 8 polegadas no centro do console central. Esse elaborado navegador permite a seleção de rota mais curta, mais rápida ou ecológica, além da edição de rotas com destinos intermediários, e a identificação de pontos de interesse mais próximos. O sistema é amplamente configurável e muito interativo. O GPS também pode ser controlado pelas teclas do volante e ainda traz exibições resumidas em uma as telas do painel do motorista.

O aparelho de som Premium Sound Sony conta com 390W de potência e 12 alto-falantes. Ele utiliza a tecnologia Dolby Pro Logic para criar um verdadeiro som de cinema dentro do veículo, com ambiente digital 5.1. Dispõe ainda de conectividade Bluetooth com suporte a streaming de músicas diretamente do celular. Sob o descanso de braço central existem duas entradas USB, uma entrada para cartão SD (onde ficam armazenados os mapas do GPS) e uma entrada AV. Com essa entrada AV é possível instalar, por exemplo, um vídeo-game utilizando a tela central e o sistema de som do carro. E claro, também existe o trival CD player com suporte a MP3.

A personalização do veículo vai além, com a possibilidade de trocar a iluminação ambiente entre sete diferentes cores (vermelho, laranja, verde, rosa e três tons de azul) dão um ar descolado ao interior. Os leds são responsáveis por iluminar a zona dos pés tanto dos passageiros da frente como os de trás, as maçanetas e os porta objetos nas portas dianteiras. É possível regular a intensidade da iluminação ou mesmo desabilitar completamente.

Mais dois recursos tecnológicos de assistência ao motorista estão presentes: são eles o alerta de ponto cego e alerta de tráfego cruzado. O primeiro acende uma luz nos retrovisores externos quando existe algum carro no ponto cego do veículo aumentando a segurança na hora de se trocar de faixa no transito. Já o alerta de tráfego cruzado funciona, por exemplo, quando é necessário tirar o carro de ré de uma garagem, o sistema emite um aviso sonoro e uma mensagem no painel avisando se tem existe carros se aproximando pela direita ou pela esquerda.

O sistema MyKey permite configurar a chave reserva para limitar a velocidade, o volume do som e impedir a desabilitação dos equipamentos de segurança. Além desse sistema, o Edge oferece ainda a função Valet Mode, que bloqueia o acesso às configurações originais estabelecidas pelo proprietário. Estes recursos podem ser usados, por exemplo, quando o carro é emprestado para o filho ou confiado ao manobrista.

Volkswagen Tiguan

O Tiguan, ainda que seja muito mais conservador em apresentar a tecnologia ao seu cliente, também oferece equipamentos exclusivos. Com um elevado padrão de conforto o modelo traz computador de bordo completo, volante de direção multifunção em couro com ajuste de altura e profundidade, retrovisor interno fotocrômico, limpador de para-brisa automático, sensor de estacionamento, vidros traseiros ligeiramente escurecidos e temporizador de faróis. De forma complementar inclui ar-condicionado digital e automáticos de duas zonas, controlador de velocidade, acionamento elétrico por simples toque para vidros, travas e retrovisores. A versão avaliada também incorporava o teto solar panorâmico que dá um charme extra. Este ocupa praticamente todo o teto do veículo, e tem a seção dianteira móvel por comando elétrico e a parte traseira fixa.

Outro equipamento presente é o sistema Kessy, que além de oferecer ignição do motor por meio de um botão dentro do carro, permite abrir e fechar as portas do veículo sem necessidade do uso da chave. Basta o motorista ter a chave no bolso e pegar na maçaneta para a porta do carro se destrancar e permitir a partida. Ao sair do carro, basta dar um toque na parte superior da maçaneta, para as portas serem trancadas automaticamente. Ainda existe a opção do telecomando da chave, para trancar e destrancar o carro.

O sistema de som está equipado com rádio/CD compatível com MP3 e capacidade para até seis CDs. Além disso, conta com entrada para fontes de áudio externas como cartão do tipo SD Card, conexão aux-in para mp3 players e uma conexão MEDIA-IN que pode suportar diversos tipos de conexão. Para isso, basta ter o extensor compatível vendido como acessório. No modelo avaliado a conexão MEDIA-IN trazia um adaptador para iPod. O conjunto ainda é compatível com celulares via Bluetooth e traz oito alto-falantes de alta qualidade.

Um dos destaques tecnológicos do Tiguan é o sistema de manobra automático para estacionamento. Isso é possível graças a utilização de sensores nas laterais do para-choque dianteiro e motores elétricos na direção. Batizado de Park Assist II, o equipamento de segunda recebeu algumas melhorias. A utilização do equipamento é simples. Primeiro é preciso se aproximar da vaga, parando paralelamente atrás dela. Em seguida, aciona-se o sistema pressionando um botão localizado no painel. Indicações no quadro de instrumentos orientarão o motorista a passar lentamente ao lado da vaga. Conforme o carro avança, sensores laterais começam a medir o comprimento disponível. Em seguida, o sistema avisa o motorista se há ou não espaço para estacionar a Tiguan. Concluída essa etapa, o motorista deve engatar a marcha à ré, soltar o volante e controlar a velocidade com o pé no freio. Os motores elétricos na direção se encarregam de movimentar o volante, posicionando o carro na vaga. A manobra pode ser feita para tanto em vagas à direita, como à esquerda da via. Para isso é preciso acionar a seta para o lado desejado no momento de medir a vaga. Além de estacionar em vaga paralela, o sistema também permite estacionamento em vagas transversais (iguais as de shopping center). O procedimento de estacionamento é o mesmo da vaga paralela. E para quem ainda quer mais, o Park Assist II também pode ser utilizado para ajudar o motorista a tirar o carro da vaga. Basta pressionar o botão, e seguir as instruções para o veículo ser manobrado para fora da vaga. Entretanto, em relação ao modelo anterior, o novo Tiguan perdeu a câmera de ré, que de certa forma, tinha o seu charme.

O Tiguan traz um prático painel de instrumentos que inclui os comandos do ar condicionado. Esse conjunto engloba o rádio com tela sensível ao toque, os comandos do sistema de som, as informações sobre o ar-condicionado e os sensores de posição durante a operação do Park Assist. Ainda nessa tela está o sistema GPS que também incorporam os mapas do Brasil. O sistema da Volkswagen funciona muito bem e é bastante intuitivo em seu uso. Pra começar, o processador que exibe os mapas é bastante rápido, e mostra as imagens com bastante suavidade, sem travadas ou trancos entre as imagens. Destaque para o comando de “zoom in” e “zoom out” do GPS. Além disso, o GPS permite, além de definir um destino, possibilita a fácil inclusão de um destino intermediário. Assim, o motorista pode programar uma rota, escolhendo por onde quer passar (quando existe mais que um caminho possível). O único senão do sistema, é que quando o sistema traça a rota, ele cria uma marcação azul na tela, mais larga que os caminhos do mapa. Isso, em algumas bifurcações, acaba gerando alguma dúvida no motorista, que precisa ficar muito atento aos comandos vocais e as indicações das setas no mostrador do painel principal. Mas de resto, o GPS da Volkswagen funciona melhor que a maioria dos sistemas de GPS que vêm de fábrica.

Segurança

O Ford Edge traz um sofisticado conjunto de segurança, que a Ford afirma ser o mais avançado do segmento. O Edge oferece controle eletrônico de estabilidade (sistema AdvanceTrac com RSC) evitando derrapagens e capotamento. Tem ainda 6 airbags, freios ABS nas quatro rodas com distribuição eletrônica de frenagem (EBD), monitoramento de pressão dos pneus, sensor de estacionamento traseiro e Sistema de Segurança Pessoal Ford, composto de sensor de severidade de acidentes com cintos pré-tensionados com retrator de gerenciamento de força, sensor de posição do banco do motorista e detecção de passageiro na dianteira. O sistema de classificação do ocupante otimiza o uso do airbag de acordo com o peso dos ocupantes. Em caso de acidente, o sistema de alerta destrava as portas e aciona as luzes de emergência.

O Tiguan também não fica atrás quando o assunto é segurança. O modelo incorpora controle eletrônico de tração e de estabilidade, seis air-bags (frontais, laterais e cortinas), monitor de pressão dos pneus e ABS nos freios. De forma complementar, o Tiguan traz ainda o sistema HBA (Hydraulic Brake Assist) de assistência adicional em frenagens de emergência, que reconhece a rapidez do acionamento dos freios e amplia a pressão de frenagem. O Tiguan é o dos poucos modelos do segmento com acionamento eletrônico do freio de estacionamento e sistema auto-hold, ou assistente de saída em aclives, que mantém o carro freado sem a necessidade de pisar no freio até que o motorista acelere, impedindo seu recuo. O freio de estacionamento tem comando elétrico (por botão) e automático, tanto para acionar quanto para liberar.Um importante incremento na segurança é o detector de fadiga, que analisa a forma como o motorista dirige e compara com os 15 primeiros minutos de direção. Caso detecte um desvio no comportamento ao volante, o equipamento emite um alerta, sugerindo ao condutor uma parada para descansar e tomar um café.

Algumas curiosidades

Mesmo sendo um carro tão sofisticado, é estranho que o Edge não ofereça faróis auxiliares na dianteira. No lugar deles existe apenas os LEDs de sinalização. Outra questão é a falta do farol de Xenon. No Edge, os faróis trazem apenas lâmpadas convencionais. Outra questão, observada apenas pelos mais atentos é o aviso no bocal do tanque de abastecimento, que não tem tampa. Nesse bocal está informado que só pode ser utilizada gasolina tipo E10, proibindo o uso de gasolina E25 e E85. Mas no Brasil, nossa gasolina é E22. Segundo a Ford, a informação no bocal de abastecimento do Edge é característica de uso nos Estados Unidos, onde o veículo é comercializado. Ainda que a informação esteja errada para o mercado brasileiro, a Ford informa que o manual do proprietário traz a informação correta e o veículo que vem para o Brasil, foi construído para utilizar o combustível que temos aqui.

O Tiguan também traz os seus fatos curiosos, como a sua designação de Sport-Utility. Curioso o fato do carro não ter qualquer sistema de tração reduzida e ainda oferecer um estepe de uso temporário (que é muito mais fino que os pneus normais). Afinal, como fica o usuário que pode ter um pneu furado numa estrada de cheia de lama e de difícil acesso. Vai ser difícil voltar de lá com um pneu desses, indicado apenas para estradas bem pavimentadas. Além disso, os opcionais que dão charme ao Tiguan custarem todos juntos incríveis R$ 32 mil reais é algo que precisa revisto pela marca. E por fim, com opcionais tão salgados e a marca não ter incluido o banco com controle elétrico no passageiro, é algo que deixa a desejar.

Preço e mercado

Mesmo não sendo oriundo de uma marca Premium, pode ter certeza que o Edge não fará feio frente a qualquer BMW X3, Audi Q5, Mercedes GLK ou o badalado Range Rover Evoque. Ele terá tanta presença quanto seus concorrentes europeus. O Edge está disponível em várias cores. Na versão 2012, três novas cores foram incluídas: cinza Oregon, vermelho Turim e azul Sevilha, além das conhecidas preto Bristol, vermelho Córdoba, prata Dublin e branco Sibéria. Além de três anos de garantia total e assistência na Rede Ford em todo o Brasil, ele conta com revisões com preço fixo até os 60.000 km. Na linha 2012, a Ford também oferece um plano especial de seguro em parceria com a Mapfre que proporciona o menor custo entre os principais concorrentes do segmento. A apólice inclui cobertura da indenização integral correspondente ao veículo zero quilômetro (tabela FIPE) durante os 12 primeiros meses, carro reserva por 30 dias com ar-condicionado, retorno de oficina e atendimento feito por uma central exclusiva dos Seguros Ford.Como avaliado, na versão Limited e com tração dianteira, o Edge tem preço de R$ 141 mil. Existe ainda a opção do “salgado” teto solar panorâmico , que faz o preço subir para R$ 150.5 mil.

O Tiguan já é um produto bem mais discreto que o Edge, porém é um veículo muito funcional, e com recursos exclusivos em sua categoria. De certa forma, o Tiguan se mostra mais polivalente, pois consegue fazer as funções de um SUV “light”, ao mesmo tempo que entrega um excelente nível de conforto. A garantia é de 3 anos. Porém não existe planos especiais de seguro ou suporte ao carro em caso de problemas mecânicos. A política de revisão deve ser feita a cada 6 meses ou 10 mil km (o que ocorrer primeiro) Os valores do primeiro e segundo serviço da revisão é R$ 397,17. O Tiguan pode ser atendido em qualquer concessionária Volkswagen no Brasil. Mesmo que essa concessionária não seja plena, ou seja, não tenha todo o equipamento necessário para a manutenção de importados, a rede automaticamente irá transferir a uma concessionária credenciada para atendimento de veículos importados, que são 212 em todo território nacional. Mas o cliente vai retirar o veículo na concessionária em que ele foi entregue. No total, são 620 concessionárias Volkswagen no Brasil. O Tiguan está disponível em seis cores, sendo: branco Cristal, prata Sargas, cinza Pepper, marrom Toffe, azul Shadow, preto Mystic. O Volkswagen Tiguan que é vendido em versão única parte de R$ 106,4 mil. Porém com todos os seus opcionais, o preço sobe para R$ 138,7 mil.

Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre
Marcelo Alexandre

Curtir isso:

Deixe uma resposta