Turismo LGBT: Saiba tudo o que rolou nos três dias de convenção da IGLTA em Nova Iorque

O evento contou com número recorde de profissionais brasileiros e serviu como espaço de capacitação e relacionamento, possibilitando a prospecção de novos negócios

0
Parte da delação italiana no último dia 36º Convenção da IGLTA

As expectativas para a 36ª Convenção Anual Global da International Gay and Lesbian Travel Association (IGLTA) já eram otimistas, principalmente por conta do número recorde de brasileiros no evento, formado por agentes de viagens, operadores, profissionais de receptivo, hoteleiros, mídia e destinos. O evento acontece no hotel Hilton Midtown em Nova Iorque.

“O Brasil é o segundo país em número de associados, o que me deixa muito orgulhoso. É uma grande responsabilidade também, afinal estamos falando de profissionais que atuam no mercado há muitos anos e que, agora, também estão dando foco ao turismo LGBT”, comemorou Clóvis Casemiro, coordenador da IGLTA para o Brasil.

Ao todo, foram 90 fornecedores atendendo 60 compradores em reuniões de oito minutos durante o evento. Todos eles, incluindo agentes, operadores e planejadores são membros da IGLTA e contam com pré-qualificação, baseada no número de viagens LGBTs por ano e por quanto tempo seu negócio está presente no mercado.

Uma das principais novidades deste ano foi a possibilidade das empresas expositoras também poderem participar a agenda completa da convenção, aumentando, assim, o networking oferecido pelo encontro.

Em 2018, o evento gerou 720 reuniões com compradores e estima-se a venda de US$ 470,9 milhões em viagens anuais. Neste ano, é que tenham sido realizadas 1500 reuniões.

“É a primeira vez que participo de uma convenção da IGLTA e estou gostando muito, fiz muitos novos contatos e pude apresentar o Tivoli Mofarrej São Paulo para pelo menos 15 empresas importantes que trabalham com o turismo LGBT”, disse João Corte-Real, diretor geral do Tivoli Mofarrej São Paulo, em entrevista exclusiva para o Brasilturis.

No primeiro dia, o evento reuniu cerca de 600 profissionais. Durante a abertura, John Tanzella, CEO e presidente da associação, agradeceu a presença de todos e ressaltou a importância do trabalho da associação e também destacou a relevância do segmento LGBT para a indústria do turismo.

Quero lembrar a todos que a maior razão de estarmos aqui é educação. Espero que, durante esses três dias de convenção, todos possam adquirir muito conhecimento aqui e que aproveitem ao máximo para que ajudem nossa comunidade a crescer ainda mais”, disse Tanzella.

Um dos destaque do dia foi a apresentação do Reoger Dow, presidente e CEO da US Travel Association, órgão oficial de promoção turística dos Estados Unidos. Em seu discurso, o profissional enfatizou a importância do turismo LGBT para os Estados Unidos e o que o setor pode fazer para passar a mensagem de boas-vindas.

Além disso, a tarde contou com a palestra de Mara Keisling, diretora executiva do National Center Transngender Equality (Centro nacional de igualdade para transgêneros), e de Kenneth Kwok, fundador da Global Citizen Capital, empresa de investimentos  com base em Hong Kong  e fundador também da Better Together Foudation.

Já o segundo dia contou com uma palestra sobre social media e o mercado de turismo LGBT, ministrada por Douglas Mackenzie, responsável pelo setor de turismo do Google NY, e Ophelia Pastrana, influenciadora digital. Ambos elucidaram como a tecnologia gerou exponencial mudança na maneira de consumir viagem.

O dia também contou com discussão sobre viagem e turismo executivo, liderada por Amy Marin, VP of Global Brand Marketing do Hilton, Perry Cantarutti, Senior VP de Aliança da Delta Airlines, e Willie Montano, VP de Marketing da Insight Vacations & Luxury Gold. Além disso, também houve a divulgação de uma pesquisa orientada pela IGLTA Foundation, apresentada por Nicolas Graf, PGD pelo centro de Hospitalidade de New York University School.

Ao fim do dia, 30 mídias LGBT+ de várias nacionalidades puderam expor seus produtos aos participantes da convenção. O Brasil contou com a participação da Revista ViaG, única revista de turismo LGBT brasileira.

último dia da 36º Convenção anual da IGLTA deu destaque ao mercado chinês. As informações foram fornecidas pelo palestrante Charlie Gu, CEO e co-fundador da Kollective Influence.

“Apesar do aperto na censura e dos desafios regulatórios, a comunidade LGBT da China está ganhando visibilidade. Além disso, no verão de 2017, a PFLAG China – a maior instituição LGBT do país asiático – realizou sua 10ª conferência anual em uma viagem de cruzeiro ao Japão. Superando as expectativas, o cruzeiro atraiu mais de dois mil participantes, informou Gu.

O executivo, contudo, também apresentou as dificuldades das políticas para a comunidade LGBT na China. Além disso, citou as melhores práticas para se promover um negócio para o seguimento, através de mídias e organizações sem fins lucrativos.

A última manhã da convenção contou, ainda, com a palestra de Peter Jordan, da Gen C Traveller. A empresa, aliás, é especialista em consultoria de turismo LGBT, reforçou as boas práticas de sustentabilidade social no setor.


LEIA TAMBÉM:
- 36º Convenção Anual da IGLTA terá participação recorde de brasileiros
- IGLTA Foundation traz executivos do Google e Airbnb para a direção
- IGLTA realiza rebranding e apresenta nova identidade visual

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here