Delta divulga detalhes dos resultados financeiros do 1º trimestre

De acordo com os dados divulgados pela Delta, a receita operacional ajustada de US$ 3,6 bilhões diminuiu 65%. Veja mais detalhes!

delta
Ed Bastian, CEO da Delta Airlines. Foto: reprodução

A Delta Air Lines anunciou hoje os resultados financeiros do primeiro trimestre de 2021 e apresentou suas perspectivas para o trimestre de junho deste ano. Os destaques dos resultados no referido período estão descritos no decorrer deste comunicado.

“Um ano após o início da pandemia, os viajantes estão ganhando convicção e começando a retomar suas vidas. Se as tendências de recuperação se mantiverem, esperamos geração de caixa positivo no próximo trimestre e vemos um caminho para voltar à lucratividade no terceiro trimestre, conforme a recuperação da demanda progride”, disse Ed Bastian, CEO da Delta.

Resultados financeiros do primeiro trimestre

O prejuízo ajustado antes dos impostos de US$ 2,9 bilhões exclui US$ 1,2 bilhão em benefícios relacionados à primeira extensão do programa de apoio à folha de pagamento (PSP2), que é parcialmente compensado, entre outros itens, pelos encargos de extinção da dívida incorridos pelo pagamento antecipado de nosso empréstimo a prazo de US$ 1,5 bilhão em slots, portões de embarque e rotas;

A receita operacional ajustada de US$ 3,6 bilhões diminuiu 65% diante de uma capacidade vendável 55% menor (consulte a Nota A) em relação ao primeiro trimestre de 2019;

A despesa operacional total, que inclui o benefício de US$ 1,2 bilhão relacionado ao PSP2, diminuiu US$ 3,9 bilhões em relação ao trimestre de março de 2019. Ajustado para o benefício relacionado ao PSP2 e com a venda de refinarias a terceiros, a despesa operacional total diminuiu US$ 3,1 bilhões, ou 33%, neste trimestre em comparação com igual período de 2019, impulsionado por reduções de despesas correlatas à capacidade e receita, salários mais baixos e gastos relacionados e forte gestão de custos em toda a empresa;

Neste primeiro trimestre, a queima de caixa (ver Nota B) foi, em média, de US$ 11 milhões por dia e tornou-se positiva no mês de março, com geração de caixa de US$ 4 milhões por dia;

No final do trimestre de março, a empresa tinha US$ 16,6 bilhões em liquidez, incluindo caixa e equivalentes de caixa, investimentos de curto prazo e linhas de crédito rotativo não utilizadas. A companhia tinha dívida total e obrigações de arrendamento financeiro de US$ 29 bilhões, com dívida líquida ajustada de US$ 19,1 bilhões, que era maior do que a orientação anterior como resultado de decisões de financiamento de aeronaves.

Ambiente de receita

“Para o trimestre de junho, esperamos uma melhora sequencial significativa na receita à medida em que a demanda de lazer acelera no período de pico do verão e adicionamos capacidade de forma eficiente com a suspensão do nosso bloqueio de assentos em 1º de maio. Com isso, teremos as receitas se recuperando entre 45% e 50% em comparação a 2019”, declara Glen Hauenstein, presidente da Delta.

A receita operacional ajustada da Delta de US$ 3,6 bilhões no trimestre de março caiu 65% em comparação com o mesmo período de 2019, uma melhoria sequencial de quatro pontos em relação ao último trimestre de 2020, encerrado em dezembro. As receitas de passageiros diminuíram 70% neste trimestre em comparação com o trimestre de março de 2019 em uma capacidade vendável 55% menor, já que a Delta foi a única companhia que continuou bloqueando as poltronas intermediárias.

As receitas domésticas de passageiros decresceram 66% quando comparadas ao trimestre de março de 2019, mas, impulsionadas pela demanda de lazer, subiram mais de cinco pontos em relação aos resultados do trimestre anterior. A receita de passageiros internacionais permanece limitada em 81% em comparação com o trimestre de março de 2019, o que foi ocasionado pelas restrições de viagens contínuas.

Especificamente no mês de março, a receita de passageiros foi 50% maior do que em fevereiro, quase 15 pontos melhor do que as tendências de sazonalidade normais impulsionadas pela demanda de lazer. As vendas líquidas à vista, definidas como passagens compradas menos passagens reembolsadas, dobraram de janeiro para março e continuam melhorando.

A demanda corporativa diminuiu 80% em relação ao trimestre de março de 2019. Esse segmento deu sinais de recuperação durante o trimestre, com os volumes de março melhorando em relação a fevereiro a uma taxa duas vezes maior do que o crescimento sazonal normal entre os dois meses.

As receitas não relacionadas a passagens superaram as receitas de passageiros, com receitas de carga 12% maiores em relação primeiro trimestre de 2019 e receitas totais de fidelidade 48% menores. A remuneração da American Express caiu 23% no mesmo período, pois os gastos com cartão continuam a se recuperar mais rapidamente do que o tráfego de passageiros.

Desempenho de custo

“Conforme a recuperação começa a se fortalecer, estou animado para ver nosso foco mudar da estabilização da posição financeira. Esperamos estreitar nosso prejuízo ajustado antes dos impostos no segundo trimestre para entre US$ 1 bilhão e US$ 1,5 bilhão, com melhoria progressiva para alcançar um resultado de equilíbrio no mês de junho”, disse Gary Chase, codiretor financeiro interino da Delta.

No primeiro trimestre, as despesas operacionais totais ajustadas diminuíram US$ 3,1 bilhões, excluindo o benefício de US$ 1,2 bilhão do PSP2 e outros itens relacionados à COVID-19. O CASM da Delta foi 9% menor do que no trimestre finalizado em março de 2019. O CASM ajustado foi 4,1% maior do que no primeiro trimestre de 2019, com 36% menos capacidade.

O desempenho das despesas foi impulsionado por US$ 923 milhões, ou 47%, de redução nas despesas com combustível em relação ao trimestre de março de 2019, com uma diminuição de 38% nos gastos de manutenção e menores custos relacionados à volume e receita.

Os salários e custos relacionados e a participação nos lucros de US$ 2,2 bilhões caíram 25% no comparativo com o primeiro trimestre de 2019. A eficiência do combustível (consulte a Nota A) foi aprimorada em 12% neste trimestre em relação ao mesmo período de 2019, com quase metade da melhoria advinda dos esforços de renovação da nossa frota. O restante foi impulsionado por fatores que esperamos ser temporários, incluindo redução do congestionamento aéreo e taxas de ocupação das aeronaves mais baixas.

Em relação ao primeiro trimestre de 2019, nossas atuais despesas operacionais totais ajustadas caíram 33% em comparação com nossa previsão inicial de 35% a 4%. As despesas mais altas com combustível geraram uma variação de quase US$ 100 milhões em relação às nossas projeções em janeiro. O preço ajustado do combustível de US$ 1,91 por galão aumentou 33%

no período em comparação com o último trimestre de 2020 e acima das expectativas iniciais sobre valores de mercado mais altos do que o esperado, além das perdas na refinaria equivalentes a 23 centavos de dólar por galão. Os custos não relacionados a combustível foram maiores do que os projetados em função das despesas de prevenção contra a COVID entre os funcionários, incluindo vacinas e testes, além de gastos relacionados à recuperação.

As despesas não operacionais no trimestre aumentaram US$ 43 milhões em comparação com o trimestre de março de 2019, o que foi ocasionado principalmente por maiores custos com juros, parcialmente compensadas por um ganho em nosso investimento na Wheels Up.

Durante o trimestre encerrado, reclassificamos certos valores que anteriormente eram alocados junto às despesas das transportadoras regionais para seus itens de linha natural dentro das despesas operacionais. Essas reclassificações refletem melhor a natureza desses gastos e como a administração os vê.

A alocação foi de aproximadamente US$ 900 milhões em 2020, incluindo US$ 325 milhões no primeiro trimestre de 2020, e US$ 1,4 bilhão em 2019, incluindo US$ 355 milhões no trimestre finalizado em março de 2019. Os valores restantes nas despesas das operadoras regionais representam pagamentos às nossas operadoras regionais sob acordos de compra de capacidade e as despesas da subsidiária regional de nossa propriedade integral, a Endeavor Air, Inc. Consulte a Nota C para um resumo dessa realocação por item de linha nas despesas operacionais.

Balanço, caixa e liquidez

“No final do segundo trimestre, teremos diminuído as obrigações financeiras em quase US$ 10 bilhões por meio de uma combinação de pagamento de dívidas e aceleração dos fundos de pensão que vem ocorrendo desde o outono (do Hemisfério Norte) passado. Isso reflete uma reviravolta sem precedentes na saúde de nossos planos de previdência na última década, garantindo o futuro de nossos aposentados”, declarou Chase.

No final do referido trimestre, a empresa tinha dívida total e obrigações de arrendamento financeiro de US$ 29 bilhões, com uma dívida líquida ajustada de US$ 19,1 bilhões, o que significa US$ 8,6 bilhões a mais do que em dezembro de 2019. A dívida total da companhia tinha uma taxa de juros média ponderada de 4,5% ao fim do trimestre de março.

No decorrer dos três primeiros meses de 2021, a empresa pagou antecipadamente seu empréstimo a prazo de US$ 1,5 bilhão em slots, portões de embarque e rotas. E, ao final do trimestre que se encerrará em junho, espera-se que o total da dívida e do financiamento de pensões pagos desde o final do terceiro trimestre de 2020 chegue a quase US$ 10 bilhões.

Conforme anunciado anteriormente durante o trimestre, a empresa financiou voluntariamente US$ 1 bilhão em seus planos de pensão em 1º de abril. A companhia também está avaliando até US$ 1 bilhão de contribuição voluntária adicional no final deste ano para financiar totalmente os planos de pensão com base nos termos do recém-aprovado American Rescue Plan Act. Nesse nível de financiamento, espera-se que o retorno do investimento satisfaça os pagamentos de benefícios futuros, que acreditamos eliminariam quaisquer contribuições materiais em dinheiro para os planos futuros.

O caixa gerado pelas operações durante o trimestre foi de US$ 691 milhões, incluindo o benefício do PSP2. A queima diária de caixa foi em média de US$ 11 milhões no trimestre, tornando-se positivo em março, com geração de caixa de US$ 4 milhões por dia à medida em que as pessoas ganharam confiança para viajar e começaram a comprar passagens com mais antecedência para as mesmas, impulsionando uma extensão da curva de reservas.

Com essa melhoria na curva de reserva, a Responsabilidade por Tráfego Aéreo da empresa reverteu uma tendência de declínio de três quartos, aumentando em mais de US$ 800 milhões desde o final de 2020. Os créditos de viagens somam quase 50% da Responsabilidade por Tráfego Aéreo e representam aproximadamente de 10% a 15% da média de reservas diárias.

A Delta encerrou o trimestre de março com US$ 16,6 bilhões em liquidez, incluindo US$ 2,6 bilhões em capacidade de crédito rotativo não sacado. No segundo trimestre, a empresa prevê receber aproximadamente US$ 2,7 bilhões do Tesouro dos Estados Unidos sob o PSP3.

Programa de apoio à folha de pagamento

No primeiro trimestre, US$ 1,2 bilhão do PSP2 foi reconhecido como contradespesa, o que se reflete como “reconhecimento dos subsídios do governo” nas Demonstrações Consolidadas de Operações. Espera-se que os fundos restantes sob o PSP2 sejam reconhecidos no trimestre de junho.

Delta: resultados do primeiro trimestre

Os resultados deste primeiro trimestre foram ajustados principalmente para o reconhecimento de subsídios do governo, ganhos não realizados em investimentos, perda na extinção de dívidas, perdas por redução ao valor recuperável e pelo método de equivalência patrimonial e encargos de reestruturação, conforme descrito nas reconciliações abaixo.

Deixe uma resposta