Dos EUA para os EAU: Happy Tour trabalha turismo especializado

Agência de Salvador (BA) remodela itinerário de grupos para Orlando e embarca quase cem passageiros aos Emirados Árabes Unidos

Happy Tour
Suzana Mamede, da Happy Tour, com um dos vários grupos que levou a Orlando antes da pandemia. Foto: divulgação

Enquanto as excursões para Orlando (EUA) estão suspensas, que tal partir para os Emirados Árabes Unidos (EAU)? Essa foi a ideia da Happy Tour, agência de viagens de Salvador (BA). Especializada em grupos, a empresa é responsável pelo embarque de quase cem passageiros para Dubai e Abu Dhabi neste mês, sendo cerca de 50 jovens (com idade entre 14 e 18 anos) e mais de 40 adultos.

Dubai vem se destacando durante a pandemia como um destino que reagiu bem à crise e manteve suas portas abertas aos brasileiros. Com mais de 70% da população vacinada, a cidade implementou medidas de segurança para receber turistas que auxiliam no controle da doença, como apresentação de teste negativo para covid-19, realizado até 72 horas antes do embarque, e contratação de seguro-saúde.

Atualmente, eventos e atividades podem ser realizados em restaurantes, cafés e shoppings por um período experimental de um mês, desde que os protocolos sejam aplicados. Todas as instalações e locais de entretenimento podem ocupar até 70% do espaço disponível, enquanto os hotéis já estão autorizados a operar com 100% da capacidade.

Esses atributos motivaram Suzana Mamede, sócia-diretora da Happy Tour, a cogitar a possibilidade. Ela estava com um grupo de 500 viajantes para Orlando neste mês de junho, mas o embarque foi adiado por conta das restrições impostas pelas autoridades norte-americanas que seguem em vigor.

“Já fui a Dubai 12 vezes e atuo com grupos há 36 anos. Estávamos com 500 passageiros confirmados para viajar a Orlando no meio do ano e a previsão era de chegar a 700 quando a pandemia chegou. Nesse momento, mudamos nosso foco e ajudamos na repatriação, inclusive daqueles que compraram direto, porque a agência de viagens tem o dever de ajudar”, defende.

A profissional conta que sua mente seguia inquieta na busca por proporcionar experiências inesquecíveis, sobretudo aos jovens, visto que esta é uma oportunidade para eles evoluírem antes de entrarem no período pré-vestibular. “Os pais solicitaram outro roteiro para substituir e eu busquei um local que fosse seguro, com atrações que ocupassem o dia desses jovens”, declara. Ela diz se orgulhar do impacto que essas viagens podem trazer aos viajantes.

“É um divisor de águas, porque ali eles se transformam. É a primeira vez de muitos em uma viagem sem os pais. Sob nosso olhar atento, eles ficam à vontade, compram o que querem, vão cuidar das próprias coisas, são responsáveis, se relacionam com outras pessoas e entendem o respeito e a vivência em um país diferente”, avalia.

A aceitação, segundo a executiva, foi imediata. Durante dois meses, a agência trabalhou na formatação dos roteiros em Dubai e Abu Dhabi justamente para as 500 pessoas que já estavam previstas para embarcar rumo aos Estados Unidos. O grupo de jovens foi o primeiro a fechar o que, por consequência, despertou o interesse entre os adultos pelo itinerário.

“Os jovens embarcam no dia 18 para um roteiro de 14 dias, enquanto os adultos viajam no dia 23, para 9 dias de viagem. Não misturamos os dois grupos, porque são linguagens diferentes”, pontua Suzana, adiantando que, para janeiro de 2022, há um novo grupo formado para os Emirados Árabes formado, com cerca de 40 passageiros.

“Temos de aproveitar as taxas mais baixas, pois os preços estarão lá em cima no final do ano. Agora o valor está mais atrativo e com muita oportunidade”, conta. Como o quesito segurança é indispensável, Suzana lembra que a Happy Tour promoveu uma live no Youtube para apresentar aos clientes as opções relacionadas aos Emirados Árabes e detalhar todos os protocolos de segurança.

“Eu acho que se a gente tiver cuidado, mantiver o distanciamento, higienizar bem as mãos, usar máscaras e seguir as medidas exigidas, vamos retomar as viagens e aproveitar muito bem”, afirma a executiva. Ela já reservou máscaras personalizadas para todos os passageiros, uma para cada dia de viagem.

IMAGEM CONSOLIDADA

Com 36 anos de atuação com viagens em grupo, Suzana lembra de como seu trabalho já está passando para outras gerações. “Durante minha carreira, eu conheci muita gente, então eles sabem que eu sou, sabem quem é a minha equipe. Hoje, eu já estou levando os filhos dos meus primeiros jovens clientes. Alguns desses, que hoje são pais, fizeram sua primeira viagem sem a presença do responsável com a gente”, relembra.

Ela defende que o networking construído por quase quatro décadas é uma ferramenta essencial para sua atuação hoje. Segundo ela, esse trabalho de promoção em Dubai e Abu Dhabi, por exemplo, é realizado em parceria com a rede Hilton, que acreditou e ajudou a promover essa viagem, sendo responsável pela hospedagem dos jovens.

“Durante a viagem, ficaremos no Hilton Abu Dhabi Yas Island. A Happy Tour vai contar, ainda, com quatro supervisores para ajudar no atendimento aos jovens e eu também vou estar lá para coordenar e oferecer suporte. Além disso, também teremos o apoio da operadora local, representada no Brasil por Christina Kler. Tivemos muito apoio e isso foi muito importante para concluirmos esses grupos”, cita.

Obviamente, todos esses anos de trabalho levaram Suzana a ter uma visão ampla sobre o cenário atual, impactado pelo novo coronavírus. Ela relembra como o Turismo sofreu com a gripe suína (H1N1), gripe aviária (H5N1) e com a queda das torres-gêmeas, em Nova York (EUA).

“Eu sinto me como em 2001, após o ataque às torres. Tivemos muitas incertezas e paramos de vender para qualquer destino internacional. Lembro que fiz um grupo para assistir ao programa da Hebe Camargo, em São Paulo. E, no ano seguinte, voltamos com grupos para Orlando. Então, tenho certeza de que vamos nos adaptar ao novo momento”, conclui.

Deixe uma resposta