Efromovich mostra a Avianca em voos de oportunidades

Por: Antonio Euryco

‘2012 é um ano de crescimento extra’. Cheio de otimismo, confiante nos números e  no momento diferenciado da economia e  no ritmo de crescimento aéreo, a Avianca Brasil está vivendo uma fase de excelência, com resultados que levaram à reformulação do seu projeto deste e dos próximos anos. ‘Somos uma companhia que está identificada com o seu projeto de crescimento’,  afirmou o presidente José Efromovich na coletiva realizada hoje (20), quando  anunciou mais R$ 220 milhões de investimentos com a aquisição de oito novos Airbus  que estarão  na frota até o final de 2012 e as novas boas  possibilidades graças ao modelo de serviços da empresa.

aviancalogo

 

Dentro do planejado em  cinco anos, os R$ 2,7 bilhões ganharam um reforço de  8% para a ampliação das operações. A frota atual de 26 aeronaves passará a 34, adicionados da seguinte forma: um A319 chega no mês que vem e dois A320 entre setembro e outubro. Já no final de julho começam a chegar os outros cinco A320 da relação dos 15 adquiridos e que começaram a vir em 2011. 

 

Malha aérea maior, mais voos. Dos 147 atuais, o numero deverá chegar a cerca de 200 até o final do ano com 22 destinos. E  alcançar  5,2 milhões de passageiros transportados até o final da temporada.  Maceió, única capital do Nordeste ainda sem ligação, entrará na rota em setembro, com dois voos diários. ‘A malha mais densa também abrigará a interligção entre cidades ainda sem esta facilidade, como Brasilia-Natal, em um exemplo real”, disse o presidente da Avianca.

 

Efromovich é um especialista em números. No retrospecto dos últimos anos, desde a época de OceanAir,  vem constatando que a evolução é consistente e bem recebida pelos clientes. O load-factor da companhia reflete esta situação, completando a média de ocupação do ano passado em 79,3%. “Uma ocupação acima da média do mercado”, frizou.

 

 Os números e outros indicativos como o produto reunindo conforto, refeição quente sem cobrança de taxa, entretenimento e atendimento, reafirmam como “a  Avianca é uma companhia  muito querida pelo público,  em dois anos seguidos  ganhamos entre as 25 melhores empresas indicadas pelo Instituto Ibero-Brasileiro de Relacionamento com o Cliente, o IBRC, e junto à Anac temos a classificação ‘A’ em todas as fileiras, nos espaços de assentos de todas as aeronaves”.

 

No final do ano o programa ‘Amigo’ deverá alcançar 2 milhões de associados. A unidade de negócios de carga, com mais espaço na ‘barriga’ dos aviões vai muito bem e deverá dobrar o faturamento deste ano para R$ 15 milhões. Na área cultural e sócio-ambiental está em uma série de atividades e na programação de benefícios foi assinada a primeira de uma série de parcerias, esta com a Hertz para a locação combinada de veículos.

 

Efromovichcomhoracio

 

R$ 876 milhões foi a receita da Avianca Brasil no ano passado. “Estamos muito atentos para fatores atrelados – como a flutuação do dólar e preços do combustível – e temos grande chance de atingir o equilíbrio neste ano”, antecipou em relação a uma das questões formuladas na entrevista, contando também que viaja nesta quinta (21) para Bogotá, onde assistirá à cerimônia de ingresso da Avianca/Taca na Star Alliance.

 

Aproveitou para esclarecer, mais uma vez que a Avianca Brasil, sob o seu comando, ainda é uma empresa independente do grupo Avianca/Taca, embora com muitos investidores comuns.  Aponta que a Avianca ainda não conta com uma estrutura de TI necessária e obrigatória para o ingresso em uma aliança. “Além do investimento, é preciso tempo para implementar o programa de integração.” Daí não cogitar, pelo menos no prazo de um ano, a possibilidade de ingresso da companhia brasileira no grupo da aliança, “até porque ainda não estamos preparados para tal. Quem sabe mais à frente, afinal a Star deverá ficar em breve sem uma empresa realmente brasileira”, indicou.

 

Antonio Euryco

 

 

 

 

Deixe uma resposta