Embratur quer avançar na conquista de mercados internacionais

O presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Vinicius Lummertz, fez nesta segunda-feira (27) uma apresentação do trabalho que está sendo realizado para a transformação do órgão em uma agência de fomento internacional do turismo brasileiro e defendeu a implantação de uma política nacional de turismo na reunião da Câmara Empresarial de Turismo, em Florianópolis (SC). “O turismo tem que ser prioridade política, por sua importância presente e futura para a economia nacional”, afirmou Lummertz, que fez uma palestra sobre os rumos do setor no Brasil e participou de um painel após a apresentação da Pesquisa de Turismo Verão 2017, realizada pela Fecomércio-SC.

Entre as metas da “nova Embratur”, está a de trazer 12 milhões de turistas para o País em 2022, com U$ 19 bilhões (valor de hoje) em faturamento. Segundo Vinicius Lummertz, “pelas estimativas, tivemos 6,6 milhões de turistas no Brasil em 2016 e perto de U$ 7 bilhões de receita. Podemos multiplicar esse valor com uma política de turismo comercial agressiva, moderna e inteligente”. O presidente da Embratur informou que esteve com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, juntamente com os ministros do Planejamento, Dyogo Oliveira, e do Turismo, Marx Beltrão, discutindo o formato de financiamento dessa nova agência.

Fórum Econômico Mundial

 

Lummertz relatou que o Fórum Econômico Mundial faz pesquisas regulares sobre o setor. Nos últimos anos, essa pesquisa coloca o Brasil em 1º lugar em potencial natural para o turismo e 8º em potencial cultural. Mas no quesito ambiente de negócios, em 140 países, o Brasil está no 137º pior do mundo para desenvolver o turismo. “Precisamos de uma agência moderna para competir nesse mercado internacional. Com a nova Embratur, temos a meta de chegar a 12 milhões de turistas em 2022 e U$ 19 bilhões (valor de hoje) em faturamento. Tivemos 6,6 milhões de turistas no ano de 2016 pelas estimativas e perto de U$ 7 bilhões de receita. Pode parecer pouco, mas é o 5º item da nossa balança de pagamentos”, resumiu.

Deixe uma resposta