Embratur valoriza e incentiva a cultura brasileira

Por: Chris Flores

A cultura de um país é um dos fatores determinantes que o define diante do mundo. No caso do Brasil, a cultura é resultado da influência de vários povos e etnias e das características predominantes em cada região.

 

A Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) investe na cultura como fator diferencial no mercado turístico mundial e trabalha para aperfeiçoar a difusão da cultura como uma ferramenta de promoção do País no exterior. O Instituto tem o objetivo de ampliar o conhecimento do mundo acerca da cultura brasileira, destacando o modo de viver da população brasileira, a literatura, os museus, os filmes e peças teatrais, a música e as festas que celebram a brasilidade.

 

A diversidade cultural brasileira é um dos atrativos mais requisitados pelos visitantes internacionais que desembarcam no Brasil, segundo estudo do Ministério do Turismo, realizado em 2014.  Embora sol e praia ainda sejam os principais motivos da vinda ao País, a maior parte (53,4%) dos estrangeiros buscou atividades culturais, como visitas a museus, locais históricos e espaços onde acontecem as tradições e o folclore popular.

 

Entre os atrativos, estão as manifestações típicas arraigadas à cultura da comunidade local, como as festas juninas no Nordeste, que estavam no auge de suas comemorações justamente no período da Copa. Outras manifestações culturais populares e tradicionais no País que costumam chamar a atenção dos visitantes são o Bumba-meu-Boi, o Carimbó, o Frevo, o Samba de Roda, o Maracatu e as Rodas de Capoeira, recém declaradas Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. Em suas ações de promoção da cultura brasileira pelo mundo, a Embratur leva diferenciados grupos de manifestações culturais e folclóricas para divulgarem seus trabalhos no exterior.

 

Segundo a Unesco, o Brasil tem dezoito bens inscritos na lista do Patrimônio Mundial, entre bens materiais e imateriais, pelo valor que representam para a cultura da humanidade. Entre os imateriais estão o Círio de Nazaré, procissão realizada em Belém (PA); o Frevo, dança carnavalesca (PE); o Yaokwa, ritual indígena do povo Enawene-nawe (MT); o museu vivo do Fandango, no sul de São Paulo e norte do Paraná; além das expressões orais e gráficas dos Wajãpis, índios da família linguística dos tupi-guaranis e que se espalham por diversas regiões do Brasil; também o Samba de Roda do Recôncavo Baiano e as Rodas de Capoeira.

 

 

CF

 

Deixe uma resposta