Emirates registra lucro de US$ 456 milhões em ano fiscal 2019/20

O grupo Emirates identificou algumas dificuldades nos últimos meses do primeiro trimestre do ano, como desvalorização de moeda e a pandemia da covid-19

Emirates

O grupo Emirates divulgou o seu Relatório Anual 2019/20 e registrou um lucro de US$ 456 milhões no exercício do ano fiscal, encerrado em 31 de março. Este número representa uma queda de 28% frente ao ano anterior. A receita chegou a US$ 28,3 bilhões, 5% a menos do que fora registrado no passado. O balanço de caixa contraria a curva e conta com aumento de 15% em relação ao ínterim anterior, chegando a US$ 7 bilhões, justificado pelo forte desempenho comercial até fevereiro.

O grupo investiu coletivamente US$ 3,2 bilhões em novas aeronaves e equipamentos, aquisição de empresas, instalações e tecnologias. Além disso, investiu em recursos para apoiar comunidades, ações ambientais e programas que cultivam o talento e inovação para o contínuo apoio à indústria.

Em suas subsidiárias, o grupo permaneceu com sua força de trabalho praticamente inalterada, sendo 105.730 funcionários de mais de 160 nacionalidades.

Emirates: Desempenho

A capacidade total de passageiros e cargas da Emirates caiu 8%, chegando a 58,6 bilhões, devido às restrições de capacidade com a pandemia da covid-19. O fechamento da pista DXB e a crise da doença impactaram sua receita total no exercício com uma queda de 6% para US$ 25,1 bilhões.

O fortalecimento relativo do dólar dos EUA em relação a moedas em muitos dos principais mercados da Emirates teve um impacto negativo de US$ 262 milhões no resultado financeiro da companhia aérea, um aumento substancial em comparação com o impacto negativo da moeda do ano anterior de US$ 156 milhões.

Apesar da desvalorização da moeda e pressão competitiva, a companhia contou com lucro de US$ 288 milhões, um acréscimo de 21% em relação aos resultados do ano passado e uma margem de lucro de 1,1%.  O lucro poderia ter sido maior sem a perda de US$ 299 milhões devido à ineficiência da barreira de combustível no final do ano.

O tráfego geral de passageiro diminuiu 4%, totalizando 56,2 milhões de passageiros transportados. Com a queda na capacidade, a companhia alcança um Passenger Seat Factor de 78,5%, uma performance positiva se comparada com os 76,8% do ano passado. O grupo atribui esse aumento ao gerenciamento bem-sucedido da capacidade e a demanda positiva em quase todos os mercados em um cenário pré-pandemia.

O Relatório Anual 2019-20 completo do Emirates Group – incluindo Emirates, dnata e suas subsidiárias – está disponível aqui.


Deixe uma resposta