Trabalho árduo: Marco Ferraz detalha desafios enfrentados pela Clia Brasil

A associação, aliás, tem planos especiais para os agentes de viagens, a fim de manter o ritmo e garantir a tendência de bons resultados nas próximas temporadas
Clia Brasil
Marco Ferraz, presidente da Clia Brasil

Há uma década, o setor de cruzeiros prosperava no Brasil: eram 20 navios na costa nacional. Com a retração econômica – e a falta de investimentos – hoje são apenas sete embarcações. Armadoras não apenas deixaram de operar como também fecharam escritórios no País. Pra complicar, países como China, Austrália, Emirados Árabes e África do Sul investiram pesado nessa atividade.

A retomada tem sido constantemente trabalhada pela Clia Brasil. Marco Ferraz, presidente da associação, destaca os esforços contínuos junto às autoridades, companhias marítimas e representações. E ressalta: O papel do agente de viagens tem se mostrado fundamental para a recuperação do setor, já que os profissionais respondem por uma fatia de 80% a 90% nas vendas de cruzeiros.


LEIA MAIS:
+ Conheça o compilado de boas práticas para cruzeiristas, criado pela Clia Brasil
+ Clia Brasil se posiciona após boatos de descarte de resíduos em SC

A associação tem planos especiais para os agentes de viagens, a fim de manter o ritmo e garantir para os próximos anos números tão positivos quanto os obtidos em 2018. Durante o bate-papo, ele destacou os gargalos que o setor tem enfrentado. Também destrinchou planos especiais para os agentes de viagens brasileiros e informou novos portos que deverão entrar (ou voltar) para o mapa dos cruzeiros.

Em 2018, 510 mil brasileiros viajaram em cruzeiros por todo o mundo, 15% a mais do que em 2017. O que explica esse crescimento?

Percebemos a redução do impacto da crise no Brasil e as viagens começaram a acontecer em um ritmo um pouco maior. Sob essa perspectiva, os cruzeiros e os navios têm um apelo muito forte, o que explica a alta de brasileiros em diversos destinos, tanto nacionais – que, ao todo, registraram 315 mil passageiros – quanto internacionais. Os navios, que incluem hospedagem, alimentação, entretenimento e transporte, oferecem um bom custo-benefício de lazer.

Como as armadoras e representações devem aproveitar o momento? E como as operadoras e as agências de viagens podem se beneficiar?

O agente de viagens é o nosso principal canal de vendas. No Brasil, cerca de 80% a 90% dos produtos de cruzeiros são comercializados por meio desses profissionais. É imprescindível que eles sejam treinados a respeito dos produtos que comercializam e garantam as vendas.

Cabe às armadoras e representantes oferecer mais capacitações, além de promoções ou incentivos para as vendas. Pois, independente do cenário econômico brasileiro, novos navios e roteiros chegam aos montes no mercado. É momento de investir em quem vende e fideliza esses clientes.

A Clia Brasil faz capacitações com os agentes de viagens?

Por enquanto, a Clia Brasil tem concentrado o seu trabalho em questões regulatórias e legislativas. Mas, em breve, a associação terá uma solução semelhante ao que já acontece na Europa e nos Estados Unidos, onde a Clia tem 15 mil agências associadas. São mais de 25 mil agentes cadastrados que estão se especializando e obtendo certificados.

Há previsão para a chegada desse projeto ao Brasil?

A versão brasileira deverá estar disponível a partir de 2020. Quando tudo estiver pronto, será o momento de a Clia ir atrás do agente de viagens, permitindo que ele se especialize por meio de cursos à distância  e seja certificado. O que não apenas será um diferencial a ele, que se tornará um especialista no produto, como também um investimento para o setor.

A Clia divulgou dados que demonstram uma alta de 15% no interesse por cruzeiros pelo Brasil. A que se deve esse crescimento?

Na década passada, chegamos a ter 20 navios em nossa costa, com 800 mil cruzeiristas. Agora, temos sete embarcações e pouco mais de 300 mil passageiros. O Brasil perdeu muito com a competitividade, além de a crise ter afetado os investimentos. Enquanto isso, outros países investiram mais e muitos navios se deslocaram para lá.

Entretanto, o País tem progressivamente voltado a crescer. Estamos nos recuperando da crise. Para a próxima temporada, estamos trabalhando para ter mais um navio, proporcionando um aumento de 6% na oferta e, assim, oferecendo 530 mil leitos.

O que mudou da década passada para cá?

A economia brasileira de 2010 passava por um momento positivo, com câmbio favorável e baixo desemprego. Era bem diferente do vivido em 2016, quando chegamos a sete navios. Além disso, não havia uma concorrência tão forte da China, Austrália, Emirados Árabes e África do Sul.


LEIA MAIS:
+ FOTOS: Fórum Clia Brasil reúne players do setor de cruzeiros em Brasília (DF)
+ 2º Fórum Clia Brasil 2018 debaterá o futuro dos cruzeiros, em Brasília

Na década passada, houve um momento de efervescência, com a presença da Ibero, Royal Caribbean, Pullmantur, MSC e Costa, além de várias outras empresas, sendo que até mesmo a CVC fretava alguns navios. Com a crise econômica, não apenas o poder de compra passou por desestabilização, como as próprias armadoras perceberam que havia mais vantagem ao estar presente em outros mercados.

A China, por exemplo, há oito anos tinha apenas cinco embarcações, hoje já tem mais de 60. Eles realmente investiram em infraestrutura e modernizações. Os chineses também acertaram em divulgar ao mercado interno, cuja classe média dava seus passos à ascensão.  O Brasil, em contrapartida, não tinha recursos para investir e assistia a sua classe média sucumbir à crise.

E quais são as principais dificuldades que o setor tem enfrentado?

Os entraves estão em quatro pilares: infraestrutura, custo, impostos e regulação. Faltam destinos e, mesmo os que temos, também demandam melhorias – às vezes uma dragagem, um píer e mesmo uma logística de trânsito para a cidade ou um terminal de passageiros. A Clia precisa atuar junto com o governo federal, estadual e municipal para alcançar esses objetivos.

Na questão de custos, no Brasil o valor para um navio operar é, em média, 40% superior. Isso encarece a operação e o custo final da cabine. Os impostos também  são muito altos quando comparados com outros países, sendo há tributação exclusiva no combustível e fretamento dos navios. Estamos trabalhando com o Ministério do Turismo para rever esses impostos, que não existiam até 2006.

Por fim, temos as questões da regulação de píer, porto, praticagem, ambientais e sanitárias. A Clia trabalha em conjunto com as agências regulatórias para estar sempre dentro da legislação.

Falando de infraestrutura, quais são as expectativas com o porto em operação em Balneário Camboriú? Há novos projetos?

Balneário está indo para a sua terceira temporada e tem se mostrado consolidada. Para a próxima, são esperadas mais de 40 escalas. E a novidade da temporada a seguir é Itajaí (SC), com a cidade voltando a ser um porto de embarque.

Além disso, estamos conversando com mais de dez cidades. Três estão bem encaminhadas e poderão operar em fase de teste na próxima temporada. Sendo elas: Penha (SC), Ilha do Mel (PR) e Arraial do Cabo (RJ). É provável que iniciem as escalas entre o fim deste ano e o início de 2020. 

E quais são as expectativas para o ano?

O crescimento deverá ser de aproximadamente 5%. Nós estamos confiando no novo governo, visto que o turismo tem sido uma das suas prioridades. O ministro Marcelo Álvaro tem atuado de maneira a auxiliar o setor, o que influencia positivamente. Além disso, no mundo, teremos muitos navios entrando em operação, o que aumenta a oferta e deverá gerar um maior consumo global. Seguimos trabalhando arduamente.


Leia também:
Clia Brasil apoia o Ministério do Turismo no projeto Brasil Braços Abertos
Abav, Braztoa E Clia Brasil reúnem-se com integrantes do Legislativo de São Paulo
Clia Brasil discute futuro dos cruzeiros com evento inédito em Brasília

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui