Escassez de opções: veja os destinos procurados e seus requisitos

Destinos internacionais voltam a entrar no radar dos viajantes, mas venda requer atenção, já que ainda há restrições impostas pelos países

destinos
Foto: reprodução

As viagens retornam, de forma gradativa, desde que a palavra vacina começou a circular nas manchetes dos diversos veículos de comunicação, dando esperança aos destinos. Afinal, estamos falando da luz no fim do túnel para o período caótico que o mundo vive desde março de 2020, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a pandemia.

Em 17 de janeiro deste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial da Coronavac, imunizante desenvolvido pelo Instituto Butantan com a chinesa Sinovac Biotech. A aplicação iniciada na capital paulista adianta o calendário de vacinação e dá início ao Programa Nacional de Imunização (PNI), dividido em etapas para atender a toda a população.

O PNI contará também com doses de outras vacinas, como a fabricada pela Fiocruz em parceria com a Universidade de Oxford e com a AstraZeneca. É válido ressaltar que há 50 países com o plano de imunização em andamento, gerando um número de cerca de 28 milhões de pessoas já vacinadas ao redor do mundo até o fechamento desta edição. Essa corrida repercute positivamente no mercado, reacendendo planos engavetados pela pandemia, incluindo as viagens entre países.

O Brasilturis Jornal contatou executivos de operadoras e líderes dos metabuscadores para entender, sob o recorte brasileiro, quais destinos estão entre os mais procurados e os respectivos requisitos para entrada. “Há destinos super conhecidos, mas que nunca estiveram entre os top 10, como Maldivas e Turquia, por exemplo. Notamos que há um comportamento de busca por destinos que estão abertos para brasileiros e há muitas oportunidades e ofertas neste momento. É um bom período para comprar a viagem internacional, com flexibilidade de alteração de data, opção oferecida pela maioria das cias aéreas”, salienta a CVC, por meio de nota enviada à redação.

SONHO DE CONSUMO

DESTINOS

Com base no número de menções, criamos o Top 10 destinos mais buscados pelos brasileiros para viajar em 2021. As buscas se referem ao último trimestre de 2020, segundo dados da Azul Viagens, CVC, Kayak, Flot, Schultz, Abreutur, Agaxtur e Orinter. México, Estado Unidos e Argentina dominam o topo do ranking, seguidos por Chile, Portugal, República Dominicana e França.

O Top 10 destinos dos sonhos termina com Egito, Colômbia e Espanha. Apesar de não ter se classificado entre os locais mais buscados, as ilhas Maldivas foram citadas – de forma quase unânime – pelo crescimento nas buscas.

“Maldivas se constitui em boa surpresa e se consolidou na preferência dos brasileiros. As vendas e consultas cresceram e isto se deve à percepção de segurança de estar em uma ilha exclusiva com somente um hotel”, pontua Eduardo Barbosa, diretor da Flot Viagens.

Além de exclusividade na estrutura hoteleira, a flexibilidade na remarcação, tarifas atraentes, protocolos de segurança e qualidade do serviço estão entre os fatores que colaboram para a ascensão do destino no Brasil. Um dos efeitos da pandemia de covid-19 no comportamento do viajante é o interesse em serviços exclusivos, mesmo que para pequenos grupos e com integrantes selecionados.

 “Preparamos novas sugestões de programas de viagem com ênfase em serviços individualizados, ou seja, estamos oferecendo traslados e passeios exclusivos para o casal, família ou grupo de amigos. Criamos também itinerários que visitam mais de um destino com serviços privativos. Temos estes programas para Turquia, Israel, Peru e outros”, ressalta Barbosa.

Aldo Leone Filho, CEO da Agaxtur, destaca que a procura não mudou de patamar, visto que destinos como Dubai (Emirados Árabes Unidos), Maldivas, Punta Cana (República Dominicana) e Cancún (México) já eram produtos consolidados no portfólio da operadora. De acordo com o executivo, o Caribe é um dos poucos locais abertos e que conta uma infraestrutura atraente, com hotéis grandes, áreas abertas e conexão aérea conveniente.

“A cada dia tudo muda. Então o segredo é estar a par do que acontece e avaliar as políticas de cada país. Não tem outra forma de vendas. Os pacotes se mantiveram, com seguro-viagem e tudo mais. Mas o serviço individual é mais presente, inclusive com transfers privados e passeios exclusivos”, detalha o CEO da Agaxtur.

O quadro é semelhante ao que foi apresentado pela Orinter. Jorge de Sousa, gerente de Marketing da operadora, explica que México, República Dominicana e Maldivas estão no topo e aconselha aos agentes que se mantenham atentos às políticas de cada um desses locais.

“É necessário estar informado e, sobretudo, demonstrar confiança aos clientes. É um trabalho que exige sugerir pacotes adaptados a este novo momento. Buscamos sempre oferecer produtos que tenham políticas de flexibilidade atreladas”, complementa.

A Abreutur também percebe alta na busca por destinos caribenhos, justamente por conta da procura por locais que possibilitem manter o distanciamento social com tranquilidade. “O Caribe é destaque nas vendas, principalmente destinos como Cancún, que corresponde a 20% do total das vendas internacionais da Abreu; e Punta Cana, na República Dominicana, muito apreciada pelos brasileiros. Outro lugar paradisíaco muito procurado nos últimos meses foram as Maldivas, já que os descontos se mostraram bem atraentes”, conta Adriana Boeckh, gerente de Marketing.

De acordo com a profissional, manter os agentes informados sobre cada um dos destinos atendidos é um objetivo e, por isso, a empresa decidiu investir em diferentes canais de comunicação, como newsletters e redes sociais.

“Também temos todo o suporte de nossa equipe de promoção para repassar as notícias atualizadas, como lista de destinos abertos e requisitos, bem como a situação da doença nesses países, melhores oportunidades de hospedagens, protocolos, entre outros dados. Assim, o agente pode transmitir conhecimento para que o viajante tenha um roteiro tranquilo e seguro”, detalha. A formatação dos pacotes da Abreutur também passou por reavaliação.

“Apostamos no segmento de pequenos grupos, com o programa ‘Europa com Amigos’. São viagens privativas para grupos de 4 a 11 pessoas, que contam com saídas diárias e disponibilizam um motorista e guia para os traslados em minivans. Outro ajuste foi a pesquisa e contratação de hotelaria diferenciada em locais próximos aos grandes centros ou com serviços voltados para o bem-estar e lazer, principalmente em destinos no Brasil e Caribe”, explica.

Uma das mais recentes apostas da empresa é focada justamente nos destinos abertos. A Abreu desenvolveu a campanha “Abreu ta on”, que será veiculada nos canais de comunicação da operadora e visa inspirar parceiros e viajantes, mostrando que é possível sonhar com as próximas férias.

A campanha é parte de uma série de estratégias elaboradas para a retomada do segmento. A Abreu, que chegou a registrar queda de 98% nas vendas no início da pandemia, já conta com um aumento considerável de seus negócios, chegando a 60% de recuperação.

“Com otimismo e profissionalismo, o setor irá se recuperar. Por isso, trabalhamos incansavelmente para trazer novas opções e novidades aos nossos agentes”, finaliza Adriana. A alta na pesquisa por destinos abertos a brasileiros colabora para que novos destinos ganhem destaque.

“Nossas divulgações de produtos e ofertas são desenvolvidas somente para destinos abertos para brasileiros. As pessoas que possuem poder de compra não procuram apenas boas ofertas, elas também querem segurança e garantia do investimento. Esses fatores foram determinantes para as vendas internacionais no período”, enfatiza Rodrigo Rodrigues, diretor comercial da Schultz Operadora.

As operadoras reforçam a importância da comunicação com os agentes de viagens por meio de atualizações em seus portais. As informações focam nas principais mudanças dos mercados, protocolos de segurança, novos produtos, políticas de flexibilização e oferecem canais de suporte para eventuais problemas.

“Lançamos novos produtos e reformulamos os pacotes com a inclusão de seguro-viagem com cobertura para covid-19, requisito básico de entrada na maioria dos países. Também temos uma relação dos laboratórios nos principais destinos no exterior para que os passageiros que estão em viagem possam fazer o teste PCR antes de embarcar e temos um canal de atendimento por meio de Whatsapp para agilizar demandas do pós-viagem”, complementa a CVC. 

EXIGÊNCIAS DOS DESTINOS

Seguindo o ranking dos destinos mais buscados pelos brasileiros, confira as restrições e requisitos para a entrada em cada um deles. Os dados foram coletados em 18 de janeiro de 2021, e podem sofrer alterações.


ARGENTINA

DESTINOS
(Restrições moderadas)

175.857 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 45.227 mortes

A Argentina reduziu a frequência de voos de/para o Brasil em 50% e bloqueou, até 31 de janeiro, a entrada de pessoas vindas do Reino Unido. Outra nacionalidade barrada é a chinesa. Para ambos os casos, a entrada é liberada por meio de comprovação de parentesco e relacionamento com argentinos.

Nas demais situações, o requisito para a entrada é a apresentação do resultado negativo emitido do teste RT-PCR, com até 72 horas de antecedência do embarque, e o preenchimento de uma declaração eletrônica para ingresso em território nacional. A exceção se aplica às pessoas com menos de seis anos e passageiros com alta médica para covid-19, emitido até dez dias antes do embarque. A Argentina pede, ainda, a contratação de seguro com cobertura para o novo coronavírus, exceto para residentes. É válido ressaltar que há a possibilidade de ter de cumprir quarentena na chegada.


CHILE

DESTINOS
(Restrições fortes)

26.440 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 17.369 mortes

O Chile também está impedindo a entrada de pessoas vindas do Reino Unido, exceto residentes no país, que deverão cumprir quarentena de até 14 dias. Brasileiros estão autorizados a entrar. Moradores do Chile ou pessoas com parentes residentes podem chegar ao destino por qualquer terminal aéreo.

É obrigatória a comprovação de resultado negativo no teste RT-PCR Sars-CoV-2 com emissão até 72 horas antes do embarque, exceto crianças com menos de dois anos. Outro requisito é o preenchimento, até 48 horas antes do embarque, de uma declaração disponível no site do Ministério da Saúde do Chile.

O país também exige que estrangeiros contratem um seguro saúde com cobertura mínima de US$ 30 mil para tratamentos médicos e custo de repatriação. Os visitantes devem passar pelo “rastreamento de passageiros” durante 14 dias ou até deixarem o Chile e existe a possibilidade de que recebam uma solicitação para realização de novo teste na chegada ao destino ou cumprimento de quarentena.


COLÔMBIA

DESTINOS
(Restrições fortes)

119.734 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 49.402 mortes

O país fechou as fronteiras e suspendeu os voos de/para o Brasil por 30 dias, a partir de 29 de janeiro. Passageiros de outras origens devem apresentar um certificado médico com resultado negativo de teste RT-PCR para covid-19, feito no máximo 96 horas antes da partida.

Caso não apresente o documento, o visitante deve realizar um exame na chegada e ficar em quarentena até que o resultado fique pronto. O formulário “Check Mig” deve ser preenchido e enviado no site de migração da Colômbia, no máximo 24 horas antes da partida.


ESPANHA

DESTINOS
 (Restrições fortes)

150.376 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 54.173 mortes

Sem necessidade de quarentena na ida ou no retorno, os passageiros brasileiros devem apresentar atestado médico com resultado negativo para a covid-19 por meio de teste RT-PCR ou TMA. O exame deve ser realizado no máximo 72 horas antes da chegada e o certificado deve ser redigido em inglês, francês, alemão, espanhol ou acompanhado de uma tradução juramentada em espanhol.

Estão isentos do exame passageiros com menos de seis anos de idade. Os viajantes também precisam preencher o Formulário de Controle de Saúde FCS, documento que irá gerar um QR Code que deve ser apresentado no destino. Os visitantes também estão sujeitos a exames médicos na chegada.


EGITO

DESTINOS
(Restrições moderadas)

 25.384 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 8.696 mortes

Os viajantes brasileiros devem levar um certificado médico impresso, com resultado negativo para teste RT-PCR para covid-19, realizado no máximo 96 horas antes da partida do voo. O atestado deve ser emitido e carimbado por um laboratório aprovado e não deve conter raspagem, cancelamento ou acréscimo por escrito. O exame deve ter como base um cotonete nasal ou oral. Estão isentos dessa medida os passageiros menores de seis anos. Além disso, o passageiro deve preencher um cartão de saúde pública e apresentá-lo ao oficial da imigração egípcio.


FRANÇA

DESTINOS
(Restrições fortes)

24.703 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 70.686 mortes

Desde o último dia 18 de janeiro, todos os viajantes de países de fora da União Europeia devem apresentar teste PCR antes de partir. Além disso, os viajantes terão que se comprometer a ficarem isolados por sete dias assim que chegarem ao país e, em seguida, fazer um segundo exame.

Outro requisito é portar o certificado de viagem internacional excepcional para a França continental, que está disponível tanto em inglês quanto em francês no site do Ministério do Interior.

O formulário deve ser apresentado à companhia de transporte antes da utilização da passagem, bem como às autoridades responsáveis pelo controle nas fronteiras, sejam elas marítimas, terrestres, ferroviárias ou aéreas.

Outro comprometimento por parte do viajante é uma declaração solene na qual garante não apresentar sintomas da covid-19, acessível também no site do Ministério do Interior. O consulado geral da França recomenda que, neste momento, as viagens para o destino sejam reprogramadas ou canceladas.


ESTADOS UNIDOS

(Restrições fortes)

23.138.207 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 392.103

Os Estados Unidos permanecem com as fronteiras fechadas para a entrada de 31 nacionalidades, incluindo Brasil, China, França, Itália, Portugal, Espanha e Reino Unido. A medida restritiva é válida também para pessoas que visitaram um desses países nos últimos 14 dias.

Fogem à regra aqueles com residência permanente nos Estados Unidos, visitantes a convite do governo para fins de combate à covid-19 ou com vistos especiais, sem necessidade de cumprimento de quarentena. Para ingresso no país é necessário apresentar resultado negativo feito com, no máximo, três dias de antecedência no Teste de Amplificação de Ácido Nucleico (NAAT) ou antígeno viral de covid-19.

O exame é dispensado para quem esteve em trânsito por, no máximo, 24 horas no Reino Unido e aos passageiros com menos de dois anos de idade. Para quem passou pelo Reino Unido, o formulário de saúde está disponível no site do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, da sigla em inglês).


MÉXICO

(Sem restrições)

270.903 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 139.022 mortes

O México é um dos poucos destinos internacionais que ainda permitem a entrada de brasileiros. O país requer o preenchimento de um Questionário de Identificação de Riscos em Viajantes, que está alocado na Agência Federal de Aviação Civil do México e deve ser apresentado na imigração. É válido ressaltar que os viajantes podem ser submetidos ao teste para detecção da covid-19 e cumprimento de quarentena, se necessário.


PORTUGAL

(Restrições fortes)

125.861 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 8.543 mortes

A entrada de brasileiros em Portugal não está liberada. Por ora, somente residentes permanentes ou pessoas com visto de longa duração para o país, além de moradores de outras nacionalidades europeias, podem visitar o destino.

É requisito para ingresso em Portugal apresentar o resultado negativo do teste RT-PCR para covid-19 emitido com até 72 horas de antecedência do voo e o preenchimento eletrônico do Passenger Locator Card (PLCe), por meio do site Portugal Clean and Safe, um sistema de controle visitantes no país. É válido ressaltar que existe a possibilidade do cumprimento de quarentena de 14 dias no destino e a aplicação do teste para detecção do novo coronavírus.

Há restrições para a entrada na Ilha da Madeira, incluindo a exigência da apresentação de laudo negativo e preenchimento de inquérito epidemiológico no site Madeira Safe. Já para quem quer ir para Açores, o requisito é responder ao Formulário de Saúde na chegada ao destino.


REPÚBLICA DOMINICANA

DESTINOS

(Restrições moderadas)

48.310 casos ativos de covid-19 diagnosticados e 2.448 mortes

Diferente do cenário apresentado para com os viajantes do Reino Unido – que devem ficar em quarentena por sete dias após a chegada -, os visitantes de demais origens não precisam mais fornecer um teste negativo para covid-19 na chegada.

Agora, os aeroportos e outras portas de entrada realizarão teste de respiração rápido para uma taxa de 3% a 15% dos passageiros – escolhidos de forma aleatória – além dos que apresentarem sintomas. Todos precisarão ter a temperatura aferida. Também é obrigatório que os viajantes preencham formulários de imigração e alfandegários fornecidos pelas companhias aéreas ou pelas autoridades dominicanas.

O documento online deve ser preenchido, como garantia de que o visitante não teve sintomas relacionados à doença nas últimas 72 horas, e fornecer detalhes para os próximos 30 dias. Aqueles que apresentarem sintomas ou cujos exames resultarem positivos serão isolados e atendidos em locais autorizados. O país também aconselha que os passageiros fiquem atentos a qualquer novo requisito imposto pelas companhias aéreas e aeroporto de origem, incluindo possíveis testes para covid-19.

Deixe uma resposta