Etihad anuncia maior encomenda de aviões para viabilizar estratégia de crescimento acelerado

Por: Rafael Lima

 

A Etihad Airways, companhia aérea nacional dos Emirados Árabes Unidos, anuncia sua maior encomenda já feita: trata-se de 199 aviões e 294 motores, em um negócio de US$ 67 bilhões que permitirá à companhia aérea atingir crescimento líder no setor na próxima década.

 

A empresa anunciou no Dubai Air Show os pedidos de 87 aeronaves Airbus e 56 Boeing, com mais 56 opções e direitos de compra. Os novos aviões serão movidos por 127 motores GE Aviation, 115 Rolls-Royce e 52 CFM.

 

As novas aeronaves serão utilizadas como parte da ambiciosa estratégia de crescimento da Etihad Airways para novos mercados com o aumento das frequências em rotas existentes, além da substituição progressiva de seus modelos mais antigos e menos eficientes.

 

Em uma nova abordagem, a Etihad Airways terá a capacidade de redirecionar encomendas a membros de sua aliança acionária, companhias aéreas nos principais mercados do mundo nas quais tem ações minoritárias. Isso permitirá a alocação da capacidade para onde ela é mais necessária e melhorará o compartilhamento da frota e de sinergias de custo significativas entre companhias aéreas membros das alianças acionárias.

 

A encomenda de 25 Boeing 777X de nova geração, 30 Boeing 787-10 Dreamliners, um cargueiro Boeing 777, 50 Airbus A350 XWB, 36 aviões da família A320neo da Airbus e um Airbus A330-200F prevê a entrega de modelos para passageiros a partir de 2018.

 

A companhia aérea atualmente conta com uma frota de 86 aeronaves com mais de 80 delas encomendadas. Sua última grande encomenda de aviões foi feita no Farnborough Air Show em 2008, quando a Etihad Airways anunciou pedidos de 100 unidades, em um acordo de longo prazo que, na época, foi um dos maiores na história da aviação comercial. O valor das encomendas em 2008 e 2013, incluindo motores, supera os US$ 110 bilhões em preços de tabela.

 

Agora, a Etihad Airways se tornará a maior cliente entre as companhias aéreas do Boeing 787 Dreamliner, com as 30 unidades nesta encomenda acrescentadas às 41 anunciadas em pedidos anteriores. Além disso, se tornará a primeira cliente a lançar o Boeing 777-8X.

 

James Hogan, presidente e CEO da Etihad Airways, diz que “na semana passada, a Etihad Airways completou seu 10º aniversário. Em apenas uma década, a empresa se tornou uma companhia aérea com 86 aeronaves, transportando mais de 11 milhões de passageiros em 97 rotas, servidas por mais de 16.500 funcionários. Atingimos tudo isso enquanto obtivemos uma lucratividade sustentável”.

 

O CEO comenta, ainda, que as encomendas feitas permitem à Etihad dar o próximo passo em sua estratégia de crescimento de longo prazo: “O pedido atende às necessidades dos próximos 10 anos e além, à medida que vamos mais longe e crescemos mais rápido do que nunca. Estamos ajudando a estabelecer Abu Dhabi como um dos maiores hubs de aviação do mundo, oferecendo conexões a cidades de todos os continentes. Essa encomenda nos dará a capacidade de continuar com aspirações ambiciosas”, ressalta.

 

A mistura de aeronaves de fuselagem larga e estreita ajudará a apoiar o desenvolvimento da rede em maturação da companhia aérea, com foco em seu hub no Aeroporto Internacional de Abu Dhabi, que terá a abertura do novo Terminal Midfield em 2017, aumentando consideravelmente a capacidade.

 

Hogan afirma que a possibilidade de compartilhar os pedidos com membros da aliança acionária ofereceu uma oportunidade única. Atualmente, a Etihad Airways tem ações na Airberlin, Air Seychelles, Aer Lingus, Virgin Australia e Air Serbia. Na semana passada, a empresa recebeu aprovação regulatória para um investimento proposto de 24% na indiana Jet Airways. A companhia aérea também anuncia a aquisição de 33,3% na suíça Darwin Airline, que oferecerá as primeiras operações regionais com marca Etihad Airways sob a nova insígnia Etihad Regional.

 

“Os benefícios de receita de nossa aliança acionária a todos os membros sempre foram claros, mas a verdadeira força dessa estratégia está na oportunidade para sinergias de negócios que possam melhorar os custos operacionais de todos os parceiros”, revela Hogan. “Quando fizemos nossa última grande encomenda, em Farnborough, no ano de 2008, estruturamos acordos que nos deram grande flexibilidade no momento das entregas de aviões. Esses acordos nos dão oportunidade de padronizar frotas e alinhar produtos entre os membros – sempre mantendo as diferentes identidades de marca de cada companhia aérea – além de oferecer sinergias de custo e benefícios de marketing”.

 

O grupo Seabury atuou como consultor na conclusão desses acordos.

 

RL

Deixe uma resposta