FBHA: pesquisa aponta para crescimento econômico nos próximos meses

45% do empresariado avaliam que os próximos meses promoverão um crescimento econômico para o segmento e 29% acreditam que conseguirão manter a estabilidade em seus negócios

FBHA
Foto: reprodução

Segundo a Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), 45% do empresariado avaliam que os próximos meses promoverão um crescimento econômico para o segmento. Os dados são baseados na pesquisa realizada pelo Monitora Turismo, responsável por monitorar 571 atividades divididas em diretas, indiretas e aquecidas.

A projeção recém divulgada considera a vacinação como um dos fatores colaborativos para a melhora do setor. “A vacinação geral da população é a nossa melhor chance para conseguir voltar às atividades de forma completa. Sem dúvidas, ainda há um longo percurso para atravessarmos. Hoje em dia, por exemplo, vemos algumas cidades voltarem com as restrições para o nosso segmento. Nossa batalha para manter o turismo vivo é constante”, comenta Alexandre Sampaio, presidente da FBHA.

Os dados apontam ainda que 29% acreditam que conseguirão manter a estabilidade em seus negócios e, no âmbito de retração, 26% temem por decréscimos no faturamento. Sabe-se que, no ano passado, o segmento teve uma perda de R$ 261 bilhões, conforme informado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Como consequência, 397,1 mil postos formais de trabalho foram fechados.

“Esse segmento específico, dentro das atividades turísticas, está debilitado. Nos centros das cidades, é o que mais movimenta a alimentação e a hotelaria. Além disso, tivemos uma redução significativa da hospedagem corporativa, que pode ser incluída dentro desse aspecto. Com o crescimento do home office, as empresas estão, cada vez menos, buscando meios externos para se estruturarem”, pontua o presidente da FBHA.

Recentemente, Mariana Aldrigui, professora da Universidade de São Paulo (USP), informou que São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília foram as capitais que mais perderam empregos dentro do setor. 

Deixe uma resposta