Festuris Connection ressalta ações de retomada e apresenta novidade

Criatividade, reinvenção, trabalho em grupo e comunicação foram os destaques do encontro virtual

Marta Rossi e Eduardo Zorzanello são os diretores do Festuris Connection
Marta Rossi e Eduardo Zorzanello são os diretores do Festuris Connection. Foto: reprodução

Começou nesta terça-feira (4), a primeira edição do Festuris Connection, evento digital com transmissão ao vivo do castelo Saint Andrews (RS) que acontecerá até a próxima quinta-feira (6). Organizado e apresentado por Marta Rossi e Eduardo Zorzanelo, CEOs do Festuris Gramado, o encontro foi dividido em três blocos, abordando temas de hospitalidade, recuperação do Turismo, hospitalidade, trabalho em grupo, estratégias de marketing e cases internacionais.

Panorama mundial

Segundo Alejandro Varella, diretor Regional Para a América Latina da Organização Mundial do Turismo (OMT), o primeiro quadrimestre de 2020 teve queda mundial de 44% na atividade turística, principalmente na Ásia e Pacífico (51%). Já o Oriente Médio (40%), Europa (44%), e as Américas com (36%).

No turismo receptor, em comparação com 2019, os meses de janeiro a abril demonstram os maiores valores em queda. Analisando mensalmente, em janeiro deste ano houve crescimento da atividade turística mundial em 2%, seguido por 12% negativo no mês seguinte, valor este que atingiu -92% em abril.

Em 15 de junho, o relatório da OMT apresenta 22% dos destinos com restrições em resposta à pandemia de covid-19. O volume representa 37 destinos na Europa, seis nas Américas, cinco ilhas e três destinos na Ásia e Pacífico.

Segundo as previsões do órgão para 2020, se o confinamento fosse encerrado em julho, a queda nas chegadas de turistas seria de 850 milhões, caso fosse postergado até setembro, esse volume ficaria em 1020 milhões, e, no que Alejandro considera o pior cenário, com a retomada em dezembro, a queda estimada é de 1140 milhões de chegadas.

 Alejandro destaca que, com a pandemia, a OMT utilizou seu portal para compartilhar conteúdo acerca do setor e suas diferentes segmentações. Varella abordou ainda o barômetro, ferramenta de medição do rendimento dos países, a convocatória mundial dos países a fim de desenvolver soluções que ajudem a mitigar os impactos da pandemia de covid-19 e os protocolos para a retomada do setor de maneira segura para visitantes e colaboradores.

“ Viemos enfatizando muito o tema da saúde pública, e nós queremos ratificar esta mensagem de que fiquem em casa hoje para que possam viajar manhã. Como a maioria dos destinos, a OMT está tentando trabalhar no tema das restrições e podem contar conosco para o que precisarem. O turismo interno é nossa fortaleza e é o que nos vai servir para sair desta etapa difícil”, declara.

Caminhos para a retomada

William França, secretário Nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo enfatiza a importância da adoção de protocolos de saúde e segurança contra o novo coronavírus, por meio do selo Turismo Responsável, limpo e Seguro, além do incentivo ao turismo rodoviário e o desenvolvimento da atividade turística nacional, bem como sua valorização.

“Estamos alinhavando planos e iniciativas para incentivos ao Turismo nacional, o qual deve ser anunciado por Marcelo Álvaro, ministro do Turismo na próxima semana. Acreditamos que esse é o momento do brasileiro redescobrir o Brasil e por isso, estamos trabalhando nesse sentido”, declara França. Vamos investir no turismo rodoviário, pois acreditamos que essa é uma porta para o retorno das atividades do turismo”, destaca.

O secretário aponta que há 12.500 empresas nacionais com a aplicação do selo e que tal iniciativa servirá para criar a sensação de segurança no turista. “Isso significa que estes empreendedores estão olhando para o consumidor e dizendo que oferecem serviços com qualidade, segurança e dentro dos padrões de da Anvisa. Essa é uma ferramenta que também poderá ser usada como marketing”, incita.

Segundo França, dos 12.500 selos emitidos, o Rio Grande do Sul possui 680, Porto Alegre (RS) tem 115 e Gramado (RS) 62, dos quais 38 estão no setor de hotelaria. A obtenção do selo é gratuita e pode ser requisitada por meio do site do Ministério do Tursimo.

Já Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, destacou a transparência, comunicação, gestão de território e a preocupação com o bem-estar dos residentes, como estratégia de combate à covid-19. O destino agora está disponível para visitação, mas ainda conta com restrições.

“Acreditamos que as empresas de Portugal são sólidas e o destino possui políticas públicas focadas nas necessidades da empresas, trabalhadores e turistas. Este é um momento de pensar o que queremos para a experiência do turista. Queremos que seja a melhor possível e que aconteça de maneira fluída em termos de informação. Acreditamos que a sustentabilidade é o futuro tanto ambiental quanto social. Apostamos em um turismo em rede. Portugal não vive sozinho e por isso, é importante estimular o setor do turismo em todo o mundo”, afirma Luís.

A discussão caminha ainda, com a apresentação de ideias sobre a importância da cooperação para a recuperação dos destinos, apresentada por Solon Stapassola Stahl, diretor Executivo do Sicredi Pioneira.“ O turismo é um exemplo de ecossistema, o que tem uma característica chamada interdependência, não há como um hotel ter sucesso sem um atrativo ou restaurante e vice e versa”, aponta Solon. O executivo ressalta também a concorrência saudável entre empresas a fim de reforçar a qualidade do serviço e setor. “Ao invés de adotarmos a competição, podíamos implementar a coopetição, que é cooperar competindo”, finaliza.

Falando sobre hospitalidade, Luciano Peccin, diretor do Grupo Casa Hotéis aponta que o cumprimento das diretrizes e protocolos de segurança e saúde não será visto como diferencial, para tal, é preciso oferecer o melhor da hospitalidade.

“Estamos trancados em casa há muito tempo e há um desejo muito grande em sair. Essas pessoas que estão saindo querem algo a mais do que fazíamos e acredito que esse é o momento de usarmos a nossa criatividade. A limpeza e o cuidado são obrigações que temos que fazer. A criatividade tem que fluir para a cidade”, evidencia.

Guilherme Paulus, fundador do Grupo CVC e GJP fala sobre viagens privativas feitas em família de carro. “O pessoal da cidade vai para o campo, o pessoal do campo vai para a cidade e acho que essa movimentação vai acontecer naturalmente. Acredito que é muito importando cuidarmos dos nossos turistas e colaboradores. Vejo que no Brasil temos protocolos muito melhores executados do que na Espanha por exemplo. O papel do agente de viagens é de suma importância. Essa retomada vai acontecer pela força do turismo no Brasil ”, pontua.

Bernardo Cardoso, diretor do Turismo de Portugal no Brasil e Rafael Carniel, presidente da Gramadotur falam sobre a consolidação de uma marca e seus processos. O painel enfatiza o trabalho contínuo na promoção, comunicação, ênfase de atributos e construção de valor para a marca, além da atuação conjunta entre o setor privado e o governo, na consolidação e estruturação dos destinos.

Carniel declara que o 48° Festival de Cinema de Gramado acontecerá em formato online, no entanto, elementos decorativos como o tapete vermelho e peças de comunicação serão utilizadas para a promoção e identificação do evento e dá informações sobre outros eventos clássicos locais.

“O Festival vai ser televisionado com intervenções de artistas, e os dias de debates transmitidos. O Festival de Cultura e Gastronomia também precisou se reinventar. Ele vai acontecer nos próprios restaurantes como uma rota, mas agregando o fator do slow food. O nosso objetivo é que independente da bandeira, ele seja viável. Ele foi totalmente reinventado e eu tenho que parabenizar o time de eventos. Já o Natal Luz terá uma decoração afetiva. Segundo pesquisa, viver Gramado é mais importante do que viver um espetáculo. Estamos buscando formas de oferecer esses espetáculos dentro de diretrizes sanitárias, mas se não conseguirmos, não faremos. É um compromisso que assumimos”, destaca Rafael.

Confira na íntegra o vídeo completo e abaixo, a programação do primeiro dia.

Primeiro bloco

  • 15h | Saint Andrews Recebe Lucas Dócolas – Gerente de Contas do Saint Andrews
  • 15h05 | Abertura Oficial com João Alfredo Bertoluci, prefeito Municipal de Gramado, Marta Rossi – CEO Festuris, e Eduardo Zorzanello, CEO Festuris.
  • 15h20 | Os desafios para recuperação do turismo e dos eventos no mundo pós pandemia com Alejandro Varella, diretor Regional Para a América Latina da OMT
    15h40 | Políticas públicas para a retomada do turismo, com Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal
  • 16h20 | A importância da cultura da cooperação para recuperar nossos destinos, com Solon Stapassola Stahl, diretor Executivo do Sicredi Pioneira RS
  • 16h40 | Espaço do Patrocinador

Segundo bloco

  • 16h50 | Hospitalidade, turismo doméstico e novo bem receber pós-pandemia, com Guilherme Paulus, fundador do Grupo CVC e GJP, Luciano Peccin, diretor do Grupo Casa Hotéis, Márcio Favilla, economista e moderação de Tarcísio Michelon, diretor Superintendente na Rede de Hotéis Dall’Onder
  • 17h50 | Espaço do Patrocinador

Terceiro bloco

  • 18h00 | Novas estratégias de place branding e a plataforma de marketing para o turismo pós pandemia, com Bernardo Cardoso, diretor do Turismo de Portugal no Brasil, Rafael Carniel, presidente da Gramadotur  com moderação de Marcus Rossi, CEO da Gramado Summit
  • 18h45 | Encerramento

Deixe uma resposta