Grupo Sea World comemora o treinamento de 50 mil profissionais de Turismo

Resultado foi conquistado em dez anos de atuação dedicada ao mercado brasileiro
Equipe Sea World Brasil - Karen Amorim, Daniela Bergamini, Cris Muniz, Ana Maria Donato, Juliana Bordin, Larissa Alvarez e Marjori Schroeder

A equipe do Sea World reuniu executivos de operadoras hoje (7) no restaurante SAL, do chef Henrique Fogaça. O objetivo foi comemorar os resultados de 2019 e destacar as novidades que estreiam nos parques do grupo este ano. Liderado por Ana Maria Donato, o time dedicado à promoção do grupo Sea World no mercado brasileiro já treinou 50 mil profissionais em todos os estados e realizou cem viagens de familiarização com agentes de viagens, operadores, celebridades, influenciadores e jornalistas.

Daniela Bergamini, que integra o time há oito anos e foi recentemente promovida a gerente de Marketing e Vendas Brasil, destacou as novidades junto com Karen Amorim e Cris Muniz, respectivamente coordenadora de vendas e promotora de treinamentos. Em 2020, o grupo irá estrear oito atrações nos parques dos Estados Unidos, sendo duas na Flórida que estão previstas para estrear no segundo trimestre.

Em Busch Gardens, a novidade é o Iron Gwazi, montanha-russa híbrida dedicada aos jacarés. Ela será a mais alta da América do Norte e a mais rápida e íngreme do mundo, com quase 63 metros de altura, uma queda de 91° e pode atingir uma velocidade máxima de 122 quilômetros por hora. A experiência incluirá três inversões de sentido e 12 picos de airtime (sensação de gravidade zero) e deslizará em um trilho roxo de aço de 1.242 metros de extensão.

Já o Sea World Orlando terá sua primeira montanha-russa de arremessos, que ficará localizada próximo ao Wild Artic.  Ice Breaker terá quatro arremessos, tanto para frente como para trás, culminando em um arremesso reverso na queda mais íngreme e vertical da Flórida, a uma altura de mais de 28 metros e com ângulo de 100°. Além de diversão, a atração tem um viés educativo ao alertar para a importância do trabalho de pesquisas realizado pela Alaska Sea Life Center, parceria do grupo.

A ideia de conscientizar seus visitantes em torno da necessidade de preservação é tão levada a sério pela empresa quanto as iniciativas para propor diversão. Outra prova disso é o programa “Curtir e Preservar” que destina US$ 2 de cada produto extra – como Quick Queue e All Day Dining – para ações de resgate e apoio à natureza no Brasil por meio do Sea World & Busch Gardens Conservation Fund. Vale exclusivamente para as vendas realizadas por operadoras.


Leia mais:

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui