Iberostar Grand Amazon ingressa na Resorts Brasil

Por: Priscila Ferraz

O Iberostar Grand Amazon, navio-hotel da rede hoteleira espanhola Iberostar que navega durante o ano todo pelos rios Negro e Solimões, é o mais novo associado da Resorts Brasil – Associação Brasileira de Resorts. O navio-hotel é o primeiro resort flutuante a ingressar na entidade.

 

O Iberostar Grand Amazon oferece uma aventura pela selva amazônica com todo o conforto e requinte de um navio de cruzeiro, além de oferecer passeios por trilhas na maior floresta tropical do mundo.

 

Desde 2005, quando passou a operar, o Iberostar Grand Amazon recebeu mais de 20 mil turistas e navegou mais de 58 mil quilômetros. O navio foi o primeiro projeto turístico do grupo espanhol Iberostar no Brasil.

 

“O Iberostar Grand Amazon é um cruzeiro incomparável, que agrada tanto o público nacional – que hoje representa 66% dos nossos hóspedes – quanto internacional. A entrada na Resorts Brasil será um grande avanço para sua divulgação horizontal em todo o País”, afirmou o diretor comercial e marketing Iberostar Brasil, Orlando Giglio.

 

Saindo do porto de Manaus, o navio opera três opções de itinerários: um cruzeiro de três noites pelo rio Solimões; outro de quatro noites pelo Rio Negro; além da possibilidade de realizar o circuito completo, com duração de sete dias e passagem pelos dois rios. Um dos pontos fortes do Iberostar Grand Amazon é seu sistema de segurança, com equipamentos sofisticados e treinamento da tripulação e chefes de expedição para assegurar uma viagem tranquila e proveitosa.

 

O navio-hotel tem 2,2 mil toneladas, 270 pés, 73 cabines de 23 m² e 2 suítes de 50 m², todas externas, distribuídas em três decks para passageiros. Além delas, dois restaurantes, dois bares, salão, duas piscinas e sala de fitness fazem parte do sistema all inclusive, que oferece hospedagem, alimentação e bebidas (nacionais e importadas), além de excursões e apresentações artísticas no navio. O projeto de decoração de interiores, assinado pelos arquitetos Fernanda Salles e Gilles Jacquard, priorizou objetos folclóricos e obras de arte locais.

 

 

PF

Deixe uma resposta