Icec sobe 10,9% em março e registra maior percentual desde 2012

De acordo com a pesquisa realizada pela CNC, seis em cada dez entrevistados acreditam que o mercado cenário está favorável

0

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) subiu 2,1% em março deste ano na comparação com o mês anterior, e 10,9% na comparação ano a ano, alcançando 127,1 pontos, ou seja, acima da zona de satisfação e o melhor resultado em pontos desde novembro de 2018 da pesquisa produzida mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Percentualmente, a confiança do setor é a maior para meses de março desde 2012, e o índice nacional só não registrou melhor resultado devido a fatos como a letargia na recuperação do mercado de trabalho e dificuldades para aprovação de reformas como a da Previdência.


LEIA MAIS:
+ CNC: Após quatro meses de alta, intenção de consumo diminui
+ CNC prevê crescimento de 2,3% no PIB em 2019; saiba mais
+ CNC registra aumento de 13,1% de consumo em fevereiro frente a 2018

“Além das dificuldades de estimular o crescimento mais vigoroso da economia, contratempos na esfera política poderão comprometer a aprovação das reformas essenciais. Ainda assim, o cenário de investimentos no setor, para o decorrer do ano, ainda não está comprometido”, contextualiza, explica Fabio Bentes, economista-chefe da Confederação.

O subíndice que mede as condições atuais do empresário do comércio (Icaec), com altas de 6,4% e de 16,7% nas comparações mensal e anual, respectivamente, mostrou que, em maro, seis em cada dez entrevistados acreditam que o momento atual da atividade econômica está mais favorável do que há um ano.

Este é o maior grau de satisfação com as condições atuais da economia desde março de 2011, quando 65% percebiam o nível de atividade do País de forma mais positiva. Os graus de satisfação quanto ao desempenho do setor e das empresas, que também compõem o mesmo subíndice, avançaram em relação a fevereiro, situando-se nos níveis mais elevados para meses de março desde 2011 e 2012, respectivamente.

Além disso, o índice que mede o otimismo dos empresários no curto prazo se manteve estável, com tímido aumento de 0,2% de fevereiro para março, sendo freado pela expectativa menor de desempenho no setor nos próximos meses. O início de ano mais fraco que o esperado no varejo levou a CNC a revisar de 5,6% a 5,4% sua expectativa quanto à variação das vendas no varejo neste ano.

Ainda assim, o varejo segue uma tendência de recuperação, mesmo que lenta. De acordo com os subíndices do Icec ligados a investimentos, as intenções na contratação de funcionário e na ampliação do número de lojas se encontram nos maiores patamares para os meses de março desde 2012 e 2014, respectivamente.

Entre os entrevistados, 72% relataram disposição para contratar funcionários nos próximos meses, enquanto 47,7% têm planos de investir em novas lojas ou ampliação de pontos de vendas atuais. Já em relação ao nível dos estoques, 23,7% dos entrevistados os consideram acima do adequado – menor percentual para meses de março desde 2014, chegando a 23%.

O emprego no setor avançou 1% no ano passado, representando um aumento de 71 mil vagas e, pela primeira vez desde 2014, o saldo entre aberturas e fechamentos de lojas com vínculos empregatícios foi positivo, somando 8,1 mil estabelecimentos comerciais em 2018.

Com perspectiva de crescimento ligeiramente maior neste ano, a CNC projeta saldo positivo de 102 mil, postos de trabalho formal no varejo e abertura de 23,3 mil novos pontos de vendas.


LEIA TAMBÉM:
- José Roberto Tadros assume a presidência da CNC
- FBHA ganha liberdade sindical e continua a ser coordenada pela CNC
- CNC lança revista “Turismo em Pauta”, com artigo do Brasilturis

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here