Kentucky: autenticidade é trunfo na Rota do Bourbon

Destino no sul dos Estados Unidos investe no tour temático para incrementar a visitação internacional

Lexington é a segunda cidade mais populosa do Kentucky

Por Leonardo Neves, especial para o Brasilturis

O sul dos Estados Unidos parece um território dominado pela popularidade de Louisiana – com New Orleans e seu conhecido Mardi Gras – e Tennessee – com Nashville e o mais conhecido roteiro focado em música. Os outros dez estados que compõem o Travel South USA ainda engatinham no mercado internacional, tanto em termos de promoção quanto no volume de visitantes recebidos, especialmente do Brasil.

Dentre eles está o Kentucky, estado que tem como maior trunfo a rota baseada no Bourbon, um tipo de uísque que tem quase sua totalidade produzida no território, com 17 destilarias oficiais e mais de 70 produtores locais. A rota é relativamente nova para os mercados fora dos EUA devido a pouca participação de turistas internacionais. Do Brasil são apenas 10 mil viajantes, número que deixa o Kentucky atrás da Georgia (com aproximadamente 47 mil visitantes brasileiros), Carolina do Norte (16 mil), Louisiana (15 mil) e Alabama (12 mil).

Jessica Morgan, diretora de Turismo de Louisville, principal cidade do Kentucky, aposta na autenticidade da região e coloca a experiência como essencial para o aumento no volume de chegada de estrangeiros, inclusive de brasileiros. “As pessoas já conhecem a maior parte dos destinos consolidados dos EUA e, agora, eles estão em busca de lugares menores e oferta de experiências únicas”, apontou, destacando a alta na hotelaria local que registrou o maior aumento de diária média de todo o país em 2019.

A autenticidade é um dos maiores trunfos de todo o circuito por tornar a região no maior exemplo da “verdadeira América”, tão difundido pelos estados sulistas. E com total razão. O Kentucky transpira a vida rural norte-americana, desde os pequenos restaurantes até a população com forte sotaque interiorano. As opções de lazer estão longe de se equipararem com cidades como Las Vegas, Orlando e Nova York, entre outras, seja em variedade ou em quantidade. E é exatamente por isso que o roteiro etílico vale a pena.

Não foi à toa que a Travel South USA escolheu apresentar essa rota para levar nove operadores brasileiros. Ana Taquecita (New Age), André Fulop (AIT High Light), Bruno Delfini (BWT), Cintia Damasceno (Queensbery), Kimie Finardi (Orinter), Georgia Mariano (Flytour), Cesar Turlão (Mondiale), Melissa Rosa (CVC Corp) e Saulo Júnior (Schultz) conheceram os atrativos após participarem do International Showcase 2019, evento promovido pela organização dos estados do sul, em dezembro de 2019.

Trilha do Bourbon

O Bourbon é um tipo de uísque, composto por cerca de 49% de álcool maltado com, ao menos, 51% de milho – o grão substitui o centeio, tornando a bebida única. A origem é antiga, com registros iniciais datados do século 18 no Condado de Bourbon, no Kentucky. Ao longo dos anos, a bebida de coloração dourada, com forte gosto de álcool com nuances de carvalho e, por vezes, caramelado, se popularizou e virou marca registrada do estado. A rigidez nas regras para a produção rendeu ao Bourbon o notório título de “Distinto Produto dos Estados Unidos” pelo congresso do país, na década de 1960.

A rota em si acabou surgindo apenas em 1999, com o avanço do turismo no estado. Porém, apesar de ter mais de 20 anos de existência, o roteiro é mais adotado pelos próprios norte-americanos do que pelo público internacional. Reino Unido, França, Alemanha e Austrália, maiores mercados emissores para a região, ainda desconhecem a oferta.  Mas, a aposta na rota para incrementar o fluxo de viajantes é tanta que Angela Blank, porta-voz do turismo do Kentucky, revelou que a campanha de promoção de 2020 terá foco em dois elementos: no próprio Bourbon e na música, já que o estado é também berço do estilo bluegrass. “Teremos diversos festivais de variados estilos de música ao longo do ano, como o ‘Louder Than Life’ ou o ‘Bourbon and Beyond’ que devem atrair milhares de apaixonados por música dos EUA e de diferentes países”, afirmou.

Atualmente, 17 destilarias formam o trajeto oficial da rota do Bourbon, que tem como ponto de partida o Frazier Museum em Louisville, a capital e cidade mais populosa do Kentucky. Outras cidades que integram o roteiro são Bardstown, Shelbyville, Lawrenceburg, Cox’s Creek, Clermont, Loretto, Owensboro, Lexington e Versailles, sendo que a ordem de visitas fica a critério do viajante. A escolha do período para visitar o estado também depende exclusivamente do desejo do turista. O Kentucky tem estações climáticas bem definidas, com frio é intenso no inverno – podendo chegar a -6 ºC em janeiro – e calor no verão – em julho, os termômetros atingem picos de 30ºC. Apesar dos extremos, a produção e os tours não param conforme a estação.

A alta no interesse já contribui para impulsionar investimentos. A Heaven Hill, matriz da Evan Williams de Louisville, passou por uma expansão milionária, avaliada em US$ 17,5 milhões, e acrescentou três novas salas de degustação, ampliando a capacidade de toda a instalação. Jean Michalak, diretora de Vendas da destilaria, afirma que a bebida começou a cair no gosto do público brasileiro e que vem notando mais procura pelos roteiros. “Ficamos abertos sete dias por semana e temos percebido um forte e rápido crescimento, principalmente no mercado internacional, incluindo os brasileiros”, destacou.

Pé na estrada

A rota do Bourbon é um roteiro concebido para ser percorrido de carro, em combinação com outros estados do Sul. Talvez, servindo como atrativo extra para a famosa Rota 66 – que se estende entre Chicago até o píer de Santa Monica, na Califórnia -, já que o Kentucky é vizinho de Illinois. Melhor apreciada em grupos, com escala de “motorista da vez” para revezar entre direção e degustação ou com transporte e condutor contratados.

Empresas como a Mint Julep Experience oferecem pacotes distintos combinando diferentes destilarias e transporte incluso em ônibus para cerca de 30 pessoas.

Outro aspecto interessante que beneficia os viajantes que estão em família pelas estradas norte-americanas são os preços mais em conta para menores de 21 anos, que também podem fazer o tour pelas destilarias, sem a inclusão do consumo da bebida e dos seus derivados, claro. Lembre-se de avisar seu cliente para levar o passaporte! Somente com o documento em mãos será possível participar das degustações.

Diversidade

Em Owensboro, primeira parada depois de quatro horas de estrada a partir de Saint Louis, toda a descrição da “verdadeira América” – tão mencionada quando se fala nestes estados do Sul – ganha vida. A cidade é pequena e os trejeitos de quem frequenta suas ruas e restaurantes lembram o estilo simples de moradores de uma cidade pouco conhecida no interior do Brasil – mas vestidos ao estilo norte-americano com boné, camisa xadrez, botas pesadas e com um sotaque único, característico do sul dos EUA. A dez minutos do centro, a primeira parada é na destilaria OZ Tyler.

Como base em todos os tours de destilarias do Kentucky, o início da visita tem uma introdução que explica todo o processo de fabricação do Bourbon e permite observar todo o processo de destilação quando o malte de milho se mistura com a água dentro dos tonéis de ferro, uma mistura densa que exala um forte cheiro de álcool. O tour guiado leva para o espaço onde ficam os barris de Bourbon que, após permanecer armazenado por pelo menos um ano, ganham a coloração dourada e 60% do sabor.

O grand finale inclui a degustação, com dicas dos especialistas para notar todas as nuances e os detalhes que distinguem os diferentes Bourbon. A diversidade está presente na rota, tanto em termos de sabores quanto no estilo de cada espaço. O ambiente na OZ Tyler é rústico e lembra uma antiga fábrica, com piso de tábuas e paredes de tijolos de barro. Bem diferente da Bardstown Bourbon Company, destilaria a uma hora de distância de carro de Owensboro, que apresenta um ambiente mais moderno para a rota etílica do Kentucky.

O piso de tábuas dá lugar para grades de metal, o armazém com os tonéis de ferro é amplo e tem grandes janelas e o local de degustação lembra um bar de hotel com vista para os barris armazenados. Além disso, a destilaria conta com um restaurante próprio que oferecem variados tipos de Bourbon e drinques produzidos com a bebida.

Bardstown também é o local onde fica My Old Kentucky State Park, um parque fechado que oferece tour guiado – com direito a guia fantasiado – por uma antiga casa de engenho do Kentucky, datada do século 18.

Um pouco mais à frente, a uma hora de distância de Bardstown, está Lexington. A cidade traz de volta o ambiente urbano para a rota do Bourbon. Além das destilarias tradicionais, o destino se diferencia pela concentração de bares frequentados por um público mais jovens da região, principalmente no Distillery District, área de uma antiga destilaria abandonada na década de 1950.

O local passou por reformas há alguns anos e se tornou um dos principais pontos de encontro da segunda cidade mais populosa do Kentucky. O ambiente contrasta com o encontrado em Owensboro e Bardstown, deixando de lado o ar rural e trazendo um clima de cidade grande, com prédios e movimentação constante de pessoas.

Com mais 90 minutos de estada o tour chega à capital Louisville, ponto de partida oficial da rota, mas que também pode finalizar o circuito. A cidade é conhecida por ter sido a primeira sede da rede de fast food KFC, local de nascimento do boxeador Mohamad Ali e por sediar a fábrica que produz quase todos os tacos de basebol que circulam no mundo: a Slugger. Porém, o grande trunfo da viagem até Louisville é a Evan Williams Boubon Experience.

Além do tour guiado e com degustação no final, o diferencial da Evan Williams é ter em seu subterrâneo um bar mantido exatamente como na época da Lei Seca dos Estados Unidos. O período entre 1920 e 1933 baniu todo o consumo e o comércio de álcool no país. Toda a ambientação da Evan Williams, uma das destilarias mais antigas do Kentucky, foi criada para remeter a bares daquela época, com móveis e detalhes em madeira por toda a instalação, especialmente na sala de degustação.

Conectividade doméstica

O Kentucky conta com um aeroporto, em Louisville. A capital é a principal porta de entrada para o estado, com voos diários partindo de diversas cidades norte-americanas. A partir do Brasil, a Delta Air Lines faz uma conexão rápida na rota São Paulo – Atlanta, na Geórgia. De lá, a conexão doméstica leva os viajantes para o Kentucky.

A companhia aérea deve aumentar o número de conexões nacionais ao longo de 2020, o que deve beneficiar os viajantes que querem aproveitar a rota do Bourbon.

Porém, o melhor do sul dos Estados Unidos está em pegar as estradas e combinar destinos, seja vindo de New Orleans, Tennessee ou de Chicago, ou como um desvio adicional enquanto se percorre a Rota 66.

Brasilturis Jornal viajou a convite da Travel South USA e da Delta Airlines, com proteção Affinity

Leia mais:

Deixe uma resposta