L²ACTE² 16 reúne cerca de 200 participantes com evento Pop-up MICE

O evento promoveu networking entre os participantes e tendências do segmento

L²ACTE²

Nesta semana, o L²ACTE² 16 iniciou com o evento Pop-up MICE, e reuniu cerca de 200 participantes durante quatro horas. Os debates foram disponibilizados em português. A próxima edição será dia 15 de dezembro, para se inscrever gratuitamente acesse o link.

No 1º bloco do evento foram abordados temas como o briefing perfeito, construção de comunidades corporativas e Zeigeist para definição de propósitos de causas. A 2ª parte contou com conteúdo voltado para soluções de ordem prática como temas potentes para atrair público, maneiras de preparar seu speaker e facilitação de mindset digital. O 3º e último bloco apresentou um painel com gestores da América Latina, que falaram sobre aprendizados e transformações do setor. “Estamos expandindo horizontes, reforçando nossa participação no mercado latino-americano, construindo novas pontes e facilitando encontros e acesso ao conteúdo diferenciado”, pontua Roberta Moreno, presidente da Alagev.

Cepee Tabibian, fundadora da She Hit Refresh, uma comunidade para mulheres acima dos 30 anos, foi a responsável por trazer insights aos participantes sobre a importância de atrair, reter e se relacionar com membros de uma comunidade corporativa para potencializar resultados em eventos. O case da Go Pro foi abordado como uma estratégia interessante para engajar, gerar valor e construir uma comunidade corporativa sólida e comprometida.

Rodolfo Guttilla compartilhou seu conhecimento sobre a importância das empresas investigarem o Zeigeist, ou seja, o tempo presente, para que uma marca possa definir com clareza a causa que irá apoiar. Guttilla fez ainda uma reflexão sobre a necessidade de cruzar o propósito da empresa com as demandas da sociedade, para que a causa defendida seja genuína, e ressaltou a aplicação de três C’s nesse processo de apoio: coerência com os propósitos da empresa, convicção com engajamento das lideranças e consistência para que o projeto se perpetue.

Danilo Piccucci abordou a questão da escolha de temas e a relevância que o conteúdo qualificado agrega para os eventos. Segundo ele, entender para quem será a entrega do conteúdo e alinhar a expectativa ao perfil do público é um ponto de destaque no processo de curadoria de temas, além da orientação e briefing detalhado a fim de que se possa extrair o melhor do speaker.

Emendando no tema de speakers, Norberto Amaral trouxe dicas práticas e muito ricas para a preparação de palestrantes. Desde entonação, pausas, domínio do tema, relação com as câmeras – em especial nesse momento em que os eventos acontecem de forma digital ou híbrida – até conexão com a audiência.

Marina Franco apresentou dicas sobre facilitação de mindset em eventos digitais e fez uma reflexão entre a atmosfera de um evento físico e virtual. Marina destacou quatro pontos fundamentais para estruturar um evento digital que contribua para o engajamento e facilite a interação dos participantes: 1º – Programe palestras de no máximo 30 minutos com outras atividades intercaladas; 2º – Crie momentos de interação e networking; 3º – Organize um welcome coffee e convide as pessoas a estarem online 15 ou 30 minutos antes do início do evento; e 4º – Valorize o tempo de quem está ao vivo com você.

O painel de gestores da América Latina teve como mediadora Natasha Merino, CEO na  Mice & Events Education Training, e contou com os insights de Kossé Valest Jaller, gerente regional Latam  da Bayer (México), Mauricio Tejeda, líder global de projetos de futebol para a Adidas, baseado em Nourenberg, na Alemanha e Odette Latapi, responsável por eventos regionais na América Latina na Cisco.

 A conversa entre eles destacou pontos como a inteligência embutida na produção de eventos com formatos pré-gravados e ativações ao vivo, o papel da tecnologia e dos fornecedores dentro dessa realidade e a importância de se fazer e manter relevante e criativo em meio a tantos eventos virtuais.

A entrega de dados analytics e a integração com plataformas de social media também foram citadas pelos profissionais, que entendem o uso dessa informação como uma oportunidade de gerir e entender melhor a performance do evento. O encontro foi finalizado pelos membros da Comunidade de Logística de Eventos que apresentaram os resultados do trabalho da Comunidade com as melhores práticas nos processos de contratação de eventos.

Deixe uma resposta