Líderes debatem o futuro do Turismo no Brasil

Um time de peso se reuniu ontem para debater opiniões, ideias e estratégias para o desenvolvimento do Turismo no Brasil, em tempos de covid-19. O encontro aconteceu no Vila Noah e foi promovido pelo Nikkey Empreendedores do Brasil, grupo com 70 empresários de diversos segmentos econômicos. A mediação ficou a cargo de Mami Fumioka, da Quickly Travel.

Luiza Helena Trajano, do Grupo Magazine Luiza; Vinicius Lummertz, Secretário de Turismo do Estado de São Paulo; Chieko Aoki, presidente da Rede Blue Tree; Gervásio Tanabe, presidente-executivo da Asssociação Brasileira das Agências Corporativas (Abracorp), Toni Sando, Presidente da Unedestinos, Jacqueline Conrado, diretora da United Airlines no Brasil e a Chef Ana Zambelli, do Noah Gastronomia.

Em mais de uma hora debate, os convidados responderam perguntas e falaram abertamente sobre as lições aprendidas pela pandemia e o que se espera do turismo nessa retomada. O grande destaque da noite ficou no consenso geral de que o turismo precisa deixar de ser tratado como um segmento isolado, mas sim como uma plataforma que impacta setores distintos da economia e leva emprego e renda para milhares de pessoas. E que, acima de tudo, todos os setores precisam se unir e pensar no coletivo, fazendo mais com menos.

Nas palavras do Secretário Vinicius Lummertz, o turismo não é mais o que era. O significado da palavra agora é outro. “É preciso criar diálogos no nosso país. Criar condições de conversar e entender que o turismo é uma plataforma. O comércio vai junto. Tudo está interligado. A beleza, a estética, a arquitetura e urbanismo, a arte… está tudo interligado”.

Luiza Trajano também endossou o coro por uma plataforma mais unida no turismo e reiterou: “é preciso parar de pensar no seu quintal e pensar no quintal global”. A empresária também defendeu a criação de um planejamento estratégico de políticas públicas e reforçou que o turismo precisa dar mais oportunidades e poder de compra para as classes populares.

“O turismo precisa ser barateado. Ele precisa estar ao alcance da classe popular. O sonho de todo o brasileiro que trabalha o ano inteiro é viajar. E pra isso ele precisa ter um preço mais acessível. Eu não posso pagar mais caro aqui do que uma viagem para Miami. A cadeia de setores do turismo precisa se unir para isso acontecer”, ressaltou Luiza.

Os convidados também falaram sobre o atual momento da indústria turística, como Jacqueline Conrado, da United, que reiterou a importância do Brasil para a empresa e enfatizou ainda mais a importância das pessoas, sejam elas clientes, colaboradores ou parceiros da empresa nesse momento de crise, ao relembrar a manutenção dos voos diários entre Brasil e Estados Unidos, na rota SP-Houston e na retomada do trecho SP-NYC, em agosto.

Tanabe, pelo lado das viagens corporativas, comentou sobre a retomada gradual do segmento, com crescimento entre 15 e 20% mês a mês e demonstrou otimismo. Sando, por outro lado, comentou que não há retomada no turismo, mas sim reconstrução. “O passado nos traz lembranças, o futuro expectativas e esperança e o presente é um momento de reconstrução”.

Chieko, pelo segmento de hotéis, falou sobre as lições apreendidas pela hotelaria no desenvolvimento e compartilhamento dos protocolos de segurança desenvolvidos pela Blue Tree para os empreendimentos que não contam com as mesmas condições que a rede no preparo de tais medidas preventivas. Ana Zambeli, por sua vez falou no resgate dos sabores do Brasil na retomada e na promoção da rica gastronomia e diversidade que as regiões brasileiras apresentam, o que o mundo precisa reconhecer.

O debate completo “Grandes Líderes do Brasil: Futuro do turismo, saúde, segurança e inovação” está disponível no canal do NEB no Youtube, por meio deste link.

Deixe uma resposta