Litoral Norte se destaca entre as regiões turísticas seguras de São Paulo

A estimativa da CIET é de que 15,2 milhões de turistas circularão nas regiões de Campinas, Baixada Santista, Litoral Norte, Vale do Paraíba e Grande São Paulo ainda em 2020

Circuito Litoral Norte Ilhabela

De acordo com os dados lançados na última semana, pelo Centro de Inteligência da Economia do Turismo (CIET), da Secretária de Turismo do Estado de São Paulo, Bertioga, Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba que integram o Circuito Litoral Norte, estão entre os principais destinos para o pós-pandemia.

“Nosso município sofreu e ainda sofre uma queda avassaladora em nossa economia, atingindo todos os setores do turismo diretamente. Sendo assim, criamos um comitê com a participação de técnicos de todos os setores do trade e do poder público para avaliar o impacto e criar soluções que foram analisadas prioritariamente pelos órgãos da Saúde municipal e seguindo as orientações da OMS, OMT e Secretaria de Turismo. Assim sendo, o prefeito Felipe Augusto adotou posturas e ações que colocaram São Sebastião com o maior índice de isolamento do Estado, bem como o maior índice de testagem frente ao coronavírus; o que culminou em tornar uma das cidades mais seguras de São Paulo, permitindo uma flexibilização mais precoce em relação aos demais municípios”, afirma Gustavo Monteiro, secretário Executivo do Circuito Litoral Norte.

O monitoramento analisou as perspectivas de fluxos turísticos estaduais, identificando tanto o interior quanto o litoral paulista, seguem com forte demanda de viajantes em busca de isolamento – o chamado turismo de segunda residência.

Além disso, Vale do Paraíba e Litoral Norte figuram como a terceira principal região do Estado em volume de turistas, atrás apenas da capital e Baixada Santista, com uma expectativa de receber mais de três milhões e meio de turistas paulistas.

“A região avaliada pelo CIET inclui a Mantiqueira, as cidades do Vale e o litoral, compondo uma oferta complementar. Os destinos de praia não concorrem com a serra, que não concorre com os roteiros religiosos, nem com o turismo rural, e muito menos com o turismo de negócios baseado na tecnologia, com ênfase na aeroespacial. Atrai tanto os moradores da Grande São Paulo, com população de 21,5 milhões de habitantes, quanto os turistas que vêm de diversas cidades do interior e se encantam com as belas praias”, pontua Vinicius Lummertz, secretário de Turismo do Estado.

O mapeamento do CIET aponta que os gastos dos turistas nacionais no Estado de São Paulo, estimados em cerca de R$ 24,6 bilhões para 2020, terão mais de 74,3% realizados pelos próprios paulistas, ou R$ 18,3 bilhões. Já os turistas internacionais devem injetar na economia paulista aproximadamente R$ 1,4 bilhão em hospedagem, alimentação, transporte local, gastronomia e compras.


Deixe uma resposta