Mato Grosso do Sul realiza workshop de Turismo LGBT+ para o trade

Evento reuniu cerca de 100 profissionais do trade do Mato Grosso do Sul

Pela primeira vez, a Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul realizou um workshop focado no Turismo LGBT+. O evento teve apoio do Sebrae-MS aconteceu na última quinta-feira (12/3), com suporte da Secretaria de Turismo local. O destino, que é um dos mais famosos do mundo quando falamos em ecoturismo, recebeu cerca de 100 profissionais do trade de todo o estado para um dia inteiro de muita informação e aprendizado. 

“A Fundação de Turismo do Mato Grosso do Sul trabalha com inteligência de mercado que monitora seus públicos justamente para conhecer necessidades específicas e trabalhá-las. Depois de participar do Fórum de Turismo LGBT+, concluímos que antes de promover nosso destino para esse público precisávamos ter certeza que nosso trade possuía conhecimento adequado para prestar um bom atendimento. O público LGBT+ tem necessidades específicas e todo destino precisa se capacitar para atendê-las”, declarou Bruno Wendling, diretor-presidente da Fundtur. 

A hora da verdade

As capacitações, realizadas em três etapas, ficaram a cargo da Revista ViaG, publicação da Editora Via, que há 12 anos produz conteúdo voltado para esse segmento. A primeira palestra foi ministrada por JP Polo, jornalista, diretor executivo do Fórum de Empresas LGBT+. Em seu conteúdo, ele esclareceu as dúvidas sobre a sigla LGBT+ e os significados de cada letra, além de discorrer sobre vieses inconscientes, sustentabilidade, diversidade e direitos humanos. O profissional conclui que “trazer essa pauta para a agenda do turismo amplia os aprendizados do setor em relação a esse público especificamente, mas também ajuda a sensibilizar para um atendimento mais humano, acolhedor e respeitoso. Dessa maneira, todo mundo ganha: os turistas, o trade, os negócios e a sociedade”. 

Alex Bernardes, Marcell Filgueiras e JP Polo

A segunda etapa ficou a cargo de Marcell Filgueiras, jornalista, youtuber e editor da Revista ViaG. O foco foi capacitar hotéis, receptivos, restaurantes, guias de Turismo e todos os demais estabelecimentos envolvidos em um possível roteiro, com as melhores práticas de atendimento ao turista LGBT+ e, principalmente, como gerenciar conflitos em situação de discriminação. De acordo com Filgueiras, “mostrar como agir na prática, com exemplos do dia a dia, fez com que todos os profissionais pudessem se ver e absorver melhor o conhecimento compartilhado. Dava para ver no rosto deles o quanto estavam comprometidos, abertos e confortáveis para interagir, tirando dúvidas e trocando experiências.”

A última palestra do dia foi ministrada por Alex Bernardes, diretor comercial da Revista ViaG e diretor geral do Fórum de Turismo LGBT+ do Brasil. Foram abordados números desse mercado e a importância de se investir em diversidade, além de dicas preciosas de como atrair esse público. “Foi incrível poder realizar essa capacitação em Bonito. Estou muito orgulhoso por fazer parte desse projeto e poder compartilhar o meu conhecimento sobre esse mercado. Espero ter contribuído para ajudar os  profissionais do trade local a quebrarem paradigmas e a enxergarem novas possibilidades de faturamento recebendo de maneira adequada o turista LGBT+”, revela Bernardes. 

Segundo Wendling, “com a receptividade do workshop, hoje temos certeza de que o Mato Grosso do Sul se encontra no caminho certo para se destacar como destino de ecoturismo e aventura para o público LGBT+. Estamos muito felizes com este evento e temos mais ações planejadas. É um trabalho que vai muito além desse workshop e estamos muito animados para realizá-lo junto ao nosso trade.”

E falando em trade…

Todos os participantes do evento receberam uma cartilha desenvolvida com as boas práticas de atendimento ao turista LGBT+, para que as informações possam ser repassadas aos demais profissionais que não puderam estar presentes. “O workshop superou minhas expectativas, acrescentou muito aos meus conhecimentos pelo fato de ensinar como tratar a comunidade LGTB+. Em números foi surpreendente, não tinha noção do quanto agrega ao universo turístico!”, disse Thais Ilha, gerente de hotelaria. 

Liliane Cascaes, proprietária de uma empresa receptivo, conceituou o evento como maravilhoso. “Um show de muito conhecimento sobre um assunto que é de extrema importância para a sociedade. As palestras nos ajudaram a esclarecer alguns conceitos, a não cometer certas gafes e ser mais do que tudo, multiplicadores dessa informação não só na nossa empresa mas também na nossa vida. Sabia da existência mas fiquei muito surpresa com o potencial do mercado, devemos estar realmente muito bem preparados para recebê-los”, diz.

Karla Cavalcanti, gerente de mercado da Fundtur, afirmou que o workshop LGBT+ foi uma experiência muito enriquecedora e intensa. “O assunto foi tratado com muita didática e permitiu que a gente conhecesse realmente as nuances das necessidades do público para que possamos recebê-los com o tratamento adequado e sem exageros desnecessários. Os exemplos práticos permitiram que o nosso trade soubesse como bem atender e também como se comportar em situações delicadas e conflitos. O workshop também mostrou a expressividade desse mercado e as muitas oportunidades que ele traz.”

O município de Bonito fica à 300 quilômetros de Campo Grande e recebe milhares de turistas por ano. Por se tratar de um destino muito conhecido internacionalmente, já tem aptidão natural com a diversidade. Entretanto, como o evento trouxex profissionais de diversas partes do estado, para Cavalcanti, fica claro que “o público LGBT+ é bem-vindo em todo o Mato Grosso do Sul.”

Marco Antonio Tiago, da M26 Assessoria em Gestão e Marketing, responsável por convocar pessoalmente muitos dos participantes, declarou que o melhor destino de ecoturismo do Brasil precisava de capacitação especializada. “O conteúdo trouxe muito mais do que informação. Destacou conceitos de humanidade, respeito e inclusão ao trade de Bonito e região. Foi um momento balizador para o turismo local”, disse.

Fica a torcida para que essa iniciativa em Bonito seja exemplo para tantos outros destinos no Brasil, afinal, o que o turista leva é o modo como ele foi (bem) tratado.

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui