Miami, Madri e até Juiz de Fora: Clovis Casemiro, da IGLTA, apresenta destinos e eventos LGBT na Aviesp

Clovis Casemiro, da IGLTA, em palestra na Aviesp

Clovis Casemiro, coordenador da IGLTA (International Gay and Lesbian Travel Association) no Brasil, foi um dos palestrantes da Arena Brasilturis nesta sexta-feira (13), segundo dia de Aviesp, em Campinas (SP). Casemiro falou sobre destinos e eventos que atraem o público LGBT para uma platéia de agentes de viagens do interior paulista.

Ele começou falando sobre fatos e lendas relacionados aos LGBT, como o fato de serem considerados ricos, famosos, chiques, cultos, sem filhos. “Não é bem assim. Hoje, casais gays LGBT podem adotar filhos. Tony Warner, financeiro da IGLTA, por exemplo, contratou uma barriga de aluguel com seu companheiro e eles foram surpreendidos com trigêmeos, são uma grande família. Isso traz uma nova realidade. Hotéis e resorts precisam saber lidar com famílias gays com filhos”, afirmou.

Ele diz que o agente de viagem precisa dar oportunidade de o cliente se expressar, dizer o que gosta, para onde quer viajar. “Estar à vontade para uma conversa é fundamental.”

Em seguida, ele apresentou cases de destinos que têm investido no público LGBT e apresentou campanhas promocionais voltadas ao segmento. Os exemplos foram Buenos Aires (Argentina) e Fort Lauderdale (EUA) – famosa por incluir os transexuais e realizar campanhas específicas, além de já ter atraído dois congressos sobre o tema.

Eventos específicos também costumam agitar a comunidade LGBT. É o caso do Miss Brasil Gay, realizado em Juiz de Fora (MG), que chega a receber de 5.000 a 8.000 pessoas a cada edição, ocupando toda a rede hoteleira da região. Para 2018, segundo Casemiro, são esperadas 10 mil pessoas para o evento, que emenda com a parada LGBT da cidade.

As paradas LGBT, aliás, são excelentes para o turismo das cidades. Em Madri (Espanha), são movimentados 250 milhões de euros. Em São Paulo, que abriga a maior parada LGBT do mundo, o evento acontece no fim de semana do feriado de Corpus Christi. “Escolhemos essa data porque a cidade ficava vazia, muitos viajavam. Hoje, os hotéis faturam muito com a parada”, disse. Ele também citou as paradas LGBT de Miami e Nova York, que fez um vídeo promocional para convidar o público para o evento de 2019, quando se comemora o aniversário de 50 anos de Stonewall, um marco do início da luta pelos direitos LGBT.

Os esportes também movimentam o segmento do turismo LGBT. Alguns exemplos são a European Gay Ski Week, Gay Ski Aspen e Gay Games.

Segundo Casemiro, os debates sobre turismo LGBT estão evoluindo para além de viagens de casamento e lua de mel e começa-se a pensar o segmento também em MICE.

Por fim, ele convidou os agentes de viagens para participar da Convenção Global da IGLTA, no Canadá, em maio, e da 2ª edição do Fórum de Turismo LGBT, a ser realizado pela ViaG (a única revista especializada em turismo LGBT, com 10 anos de mercado e publicada pela Editora Via, a mesma do Brasilturis), em São Paulo, no dia 5 de junho.

 

 

 

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui