Migro: startup hoteleira visa parceria com agente de viagens

A Migro conta com as vertentes Room; Condo; Home; e Management Hotel; e a porcentagem de lucro do agente segue os parâmetros do mercado

migro

Acaba de ser lançada a Migro, startup brasileira que atua como Online Travel Agency (OTA), mas que também preza pela parceria com o agente de viagens. Em entrevista exclusiva ao Brasilturis Jornal, Sergio Assis, fundador da empresa detalha essa combinação.

migro
Sergio Assis, fundador da Migro

“Estou seguindo uma tendência. A hotelaria precisa ser modernizada e viemos para agregar para o mercado e gerar receita para os empreendimentos. Com a pandemia achei uma janela para lançar a Migro. Nossa plataforma é totalmente online e temos um espaço pronto para os agentes de viagens. Estamos trabalhando com a porcentagem de lucro compatível com o mercado, que é de dez por cento, mas isso pode ter uma variação”, pontua.

A parceria com o agente de viagens ajudará também a propagar aspectos sobre os pontos turísticos e meios de hospedagem, seja digitalmente por meio de suas redes sociais ou via contato direto com seus clientes.

O sistema é dividido em quatro frentes: Migro Room, dedicado a estada em hotéis e resorts com alta reputação; Migro Home, que oferece hospedagem em apartamentos, casas e vilas localizadas em estruturas que contem com serviços hoteleiros; Migro Condo, responsável pela gestão de condomínios; e Migro Management Hotel, que visa a administração e apresentação de soluções para hotéis.

“Trabalhamos com três critérios para a escolha dos estabelecimentos. O primeiro é a capilaridade em destinos, pois visamos o setor de lazer e o corporativo e queremos apresentar as melhores opções em diversas regiões. O segundo é a segurança. Enviamos a todos os parceiros uma série de requisitos que chamamos de selo de segurança, para atestar que estão em conformidade, seja burocraticamente ou em protocolos. O terceiro é a reputação. Só selecionamos os hotéis com maiores pontuações em qualidade de acordo com sua localização”, ressalta.

A ideia da plataforma de venda já existe há anos para o hoteleiro, o qual teve tempo em seus anos de experiência no mercado para entender os pontos fortes e fracos do setor. “Percebi como rede hoteleira que era difícil competir com as OTA’s devido ao seu investimento em comunicação e marketing. Além disso, notei que não existe uma capilaridade hotéis em diferentes destinos, aspecto que dificultava criar uma fidelização e crescimento”, destaca.

Assis destaca também, que até o momento estão cadastradas na plataforma empreendimentos em 135 cidades brasileiras e que o objetivo é atingir um milhão de clientes nos próximos seis meses. “ A principal parte estratégica agora é a captação de leads. Depois que chegarmos a marca de um milhão, acreditamos que teremos um crescimento exponencial. Dando certo o nosso negócio aqui no Brasil, pensamos em expandir internacionalmente, principalmente na América do Sul, mas há ainda um trabalho grade a ser feito até que isso aconteça”, finaliza.

Deixe uma resposta