Ministério do Turismo discute redução de passagens aéreas

Reunião contempla novos projetos e a revisão do Código Brasileiro Aeronáutico
ministério do turismo
Ministério do Turismo, Embratur e Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC) se reúnem para discutir. Foto: reprodução/MTur.

Na última quinta-feira (16), o Ministério do Turismo se reuniu com a Embratur e a Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC), para analisar um documento com 22 medidas que discutem a redução do imposto do QAV, agendas tributárias, regulatórias e a judicialização no setor.

“Para nós, é importante fomentar, não apenas os destinos já consolidados, mas sim outros pontos como o Jalapão e a Serra da Capivara. O turismo precisa de uma aviação mais conectada, com mais voos, mais destinos atendidos e com o menor custo possível. Tudo feito de forma responsável”, reforçou Bob Santos, secretário nacional de Integração Interinstitucional.

A regionalização dos voos e o alinhamento do Código Brasileiro Aeronáutico à Convenção de Montreal, parâmetro regula o transporte aéreo internacional também foram discutidos. A reunião visa implementar ações para impulsionar o desenvolvimento da aviação e turismo.

“Hoje as empresas nos apresentaram a realidade delas aqui no Brasil e como internacionalmente isso é inexistente. Com esse subsídio, poderemos estudar medidas que fomentem o setor, acarretem numa melhor oferta de serviços ao cidadão e estimulem o turismo”, afirma o diretor-presidente da Embratur.

Concorrência mercadológica

Na mesma data, Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo e John Rodgerson, presidente da Azul Linhas Aéreas se reuniram para discutir a competitividade do mercado aéreo brasileiro. O intuito da conversa foi estabelecer medidas para incentivar a concorrência.

Ampliação da cobertura aérea regional a redução do custo Brasil e a estruturação dos destinos turísticos brasileiros são prioridade do Turismo, segundo o ministro. Para que isso aconteça, medidas como o Plano de Desenvolvimento Turístico foi iniciado em 2019.

“É uma inciativa totalmente integrada com diversas áreas do governo federal como meio ambiente, infraestrutura, desenvolvimento regional e segurança. A ideia é pensar no produto turístico como um todo para que ele seja consolidado e promovido em sua integralidade. Já visitamos cinco regiões em 2019 e neste ano vamos ter pelo menos mais 10 já mapeadas”, destacou o ministro.

Álvaro ressaltou a Medida Provisória 907/2019 que garante importantes reduções de impostos ao setor aéreo e demais segmentos do turismo, a entrada de companhias de baixo custo e a redução do imposto sobre o QAV (combustível para aviação).

John manifestou a preocupação em reduzir as tarifas das passagens mantendo a qualidade do serviço. “Temos um custo ainda muito alto para se viajar dentro do Brasil que acaba fazendo com que o viajante vá para fora do país. Isso precisa mudar. Temos tanta riqueza por aqui”, enfatizou.

O empresário abordou ainda a promoção turística do país intencionalmente. “Precisamos intensificar a promoção do nosso país no mercado internacional. Por isso, a MP 907, que transforma a Embratur em uma agência de promoção mais ágil, independente e com orçamento próprio, é tão importante. Sem falar na redução de 15% para 1,5% do imposto sobre o leasing de aeronaves. Vamos lutar para aprovação da medida no Congresso”, ressaltou Rodgerson.


Leia mais:
MTur e Embratur se reúnem com o embaixador da Colômbia em Brasília
Ministério do Turismo recepciona grupo de investidores estrangeiros
+ Turismo cresce 2,6% em 2019 segundo estudo do IBGE


 

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui