Passageiros aéreos poderão ter ano mais caótico em 2019

sky - iata -fecomerciosp - aviao - aviação

Mais de dois bilhões de passageiros poderão passar por problemas aéreos em 2019. Segundo uma pesquisa da AirHelp, até 33 mil voos por dia, apenas neste ano, poderão ser interrompidos em todo o mundo. Anteriormente, 2018 foi apontado como um ano muito perturbador para a indústria.

“A incerteza do Brexit, novas greves aéreas, falta de pilotos e controladores de tráfego aéreo, bem como horários congestionados na maioria dos aeroportos europeus. Nós acreditamos que os passageiros devem ter mais um ano de atrasos. Dificilmente, porém, os passageiros estão familiarizados com seus direitos e reivindiquem o que é legalmente deles”, destaca a diretora de comunicação da AirHelp, Paloma Salmeron.

LEIA MAIS
+ Aviação transportará 4,59 bilhões de passageiros em 2019
+ Aviação comercial registra aumento de vítimas fatais em 2018
Iata relata crescimento sólido mas lento na aviação global

No ano passado, quase 15 milhões de passageiros estiveram em voos atrasados no Brasil. Para 2019, a AirHelp prevê que o número será ainda maior. Por volta de 45 mil pessoas podem ser afetadas por dia.

O aumento do tráfego, aliás, ameaça levar a ainda mais interrupções de voo. Contudo, nem as companhias aéreas ou os aeroportos parecem ter tomado medidas suficientes. O ideal é atender às crescentes demandas de aumento dos volumes de tráfego.

Em números

Além disso, confirmada a tendência mundial de aumento, poderão ser mais de 820 mil de voos partindo do Brasil. Ou seja, quase 2,5 mil voos por dia. Mas, com mais aviões decolando, é possível que hajam mais atrasos.

E, se em 2018 mais de 127 mil voos atrasaram no País, a tendência é que os números possam passar de 132 mil em 2019. Assim, mais de 360 aeronaves (e seus passageiros) podem sofrer com atrasos por dia.

Outro ponto crítico que os passageiros precisam observar são as datas em que os aeroportos estão mais lotados. No Brasil, de acordo com a estatística de quatro dos últimos cinco anos, o mês de dezembro é o período que mais tende a superlotação.

Deixe uma resposta