Players defendem retomada dos eventos com protocolo e consciência

De acordo com Octávio Pereira de Almeida, um dos idealizadores da Expo-Retomada, o a retomada deve ocorrer com protocolos bem estabelecidos

eventos

A partir da próxima terça (17), São Paulo suspende as restrições de público e horários para eventos, bem como para museus, eventos sociais e feiras, desde que não gerem aglomerações. De acordo com Paulo Octávio Pereira de Almeida, diretor da Live Marketing Consultoria e um dos idealizadores da Expo-Retomada, essa ação pode ser o começo de uma importante retomada econômica, desde que seja “feita com consciência”.

“Sempre destaco que os eventos B2B são indutores da economia e não podem ser vistos como responsáveis por aglomerações, porque este não é o propósito. E a restrição na realização de eventos nos últimos 18 meses, gerou uma grande quebra de empresas e perda para outros setores de profissionais especializados. Poucas pessoas podem ficar tanto tempo sem renda nenhuma e isso ainda terá um impacto imenso no mercado nos próximos meses. Mas agora é o momento da verdade para o setor, responsabilidade versus a ganância”, pontua.

Ainda de acordo com o profissional, o momento exige que toda a cadeia comece a recuperar a confiança. Para isso, é necessário que os protocolos de biossegurança sejam mantidos, algo que o próprio setor se mostra preparado para oferecer. Durante a Expo-Retomada, os players discutiram e fomentaram a vivência com essas medidas de saúde.

“Os resultados obtidos com o monitoramento a distância feito com todos que participaram do evento presencialmente foram condensados e estão sendo discutidos com interlocutores nos três níveis de poder de modo a conquistarmos uma flexibilização consciente. Somos pró legalidade”, reforça.

O executivo ainda declara que é possível que essa reabertura gradual gere bons resultados, sobretudo com o respeito dos protocolos para que não volte a haver o fechamento das atividades. “Respeitar os protocolos significa realizar eventos menores e com mais custos para quem organiza, será que todos os organizadores de eventos estão conscientes desta situação? Quem é idôneo e responsável sabe o que significa respeitar protocolos e obter alvarás”, avalia.

Almeida conclui que é preciso reconhecer o valor de cada setor e que somente a indústria de eventos impacta mais de 50 setores da economia e movimenta, anualmente, mais de R$ 930 bilhões (quase 13% do PIB) e gera 25 milhões de empregos diretos e indiretos.

Deixe uma resposta