Potencial transformador

0

Estamos chegando ao final de 2018 e um novo e desafiador ciclo se apresenta à nossa frente: questões políticas, econômicas, sociais e ambientais, entre muitas outras, terão que ser enfrentadas por deputados, senadores, governadores e presidente recém-eleitos, com visões não alinhadas entre si e pressionados por uma população que ainda busca seu equilíbrio no “pós-eleições” e por uma situação macroeconômica desfavorável.

A forma como o turismo será conduzido nacionalmente ainda é uma incerteza, mas o trade já vem se mobilizando para tentar buscar a concretização do melhor cenário possível dado o ambiente atual. Não faltam conversas nas universidades, nas empresas, nas instâncias públicas associadas ao turismo de como será (ou deveria ser) o futuro do setor.

Entre visões otimistas e pessimistas é certo que os principais desafios, que já bem conhecemos, continuarão na pauta de quem trabalha de fato com a atividade. Assim, vale relembrar àqueles que estão assumindo suas responsabilidades na gestão pública e a empresários dispostos a acreditar em um futuro melhor para o Brasil alguns dos princípios que já são consenso quando se trata da reflexão sobre a importância do turismo sustentável como vetor de desenvolvimento socioeconômico e promoção de experiências enriquecedoras de vida.

O World Tourism Forum for Peace and Sustainable Development sistematizou experiências e evidenciou o potencial transformador das atividades de turismo e a sua capacidade de reunir uma série de dimensões aparentemente distintas. E é justamente nessa capacidade de catalisar que reside a possibilidade de o turismo contribuir de forma decisiva para uma sociedade melhor – menos desigual, mais pacífica e mais consciente da necessidade de se apoiar em processos produtivos sustentáveis.

Sob o aspecto do desenvolvimento socioeconômico, o turismo pode ser um aliado importante, gerando divisas, postos de trabalho e rendas adicionais com investimentos relativamente menores a outros setores e, bem planejado, gerando menos impactos negativos. Com relação a questões étnicas e culturais, o turismo pode contribuir de forma significativa pois olha para a diversidade cultural como uma forma de riqueza, e não como um obstáculo. Da mesma forma, a consciência da necessidade de conservação e preservação da biodiversidade e dos ambientes naturais encontram nas atividades de turismo um aliado, pois fazem delas ativos poderosos.

Também ganham importância crescente por meio do turismo os diálogos interculturais e os processos de construção de relacionamentos que criam condições para a paz, interferindo positivamente sobre o desenvolvimento social.

Todas essas questões surgem no âmbito de uma consciência nacional e global, e estimulam a percepção de uma nova interdependência ligando indivíduos, setores e sociedades distintas. Mais do que nunca, e com a influência definitiva da internet e das redes sociais, a função da comunicação passa a ser decisiva, não apenas como espaço de repercussão de problemas, mas, principalmente, como corresponsável pela formulação de propostas dos melhores caminhos a serem seguidos.

O turismo também pode e deve ser entendido como um importante aliado no alcance dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030, o que pode ser evidenciado pelo lançamento recente de uma plataforma on-line promovida pela ONU, chamada “Tourism4SDGs”, que tem como objetivo estimular um maior engajamento da atividade turística às metas da agenda global de desenvolvimento sustentável.

Com todas estas possibilidades, não quero ignorar uma quantidade até maior de argumentos que poderiam caracterizar o turismo de forma exatamente contrária. Mas prefiro olhar o copo meio-cheio e entendo que cabe a todos os envolvidos a responsabilidade de desenvolver seu potencial transformador positivo, confrontando tendências que apontam para problemas.

Para caminhar nessa direção, nossos novos líderes precisam entender a atividade do turismo como uma importante ferramenta, comprometida com a construção de caminhos sérios que busquem o desenvolvimento socioeconômico sustentável.

Que venha 2019! Vamos em frente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here