Produto e serviço… o que é o que é?

Confesso que existem tantos significados para cada uma destas duas palavras que, muitas vezes, a despeito do óbvio, até os mais experientes estudiosos têm encontrado certa dificuldade em separar um termo do outro ou diferenciar os próprios conceitos em questão.

Produto vem do latim “productus,a,um” que significa “levado para diante, alongado, desenvolvido”. Com o passar dos anos, vemos o conceito adquirindo compreensões mais específicas como “qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial” ou, mesmo, “coisa produzida” (a batata é um produto da terra); “resultado de uma transação, de um esforço” (produto da venda, de um trabalho), “resultado proveitoso de algo”, “rendimento, lucro, proveito”, etc.

Na Matemática encontramos o “resultado de uma multiplicação” (21 é o produto de multiplicar três por sete), “produto cartesiano”, “produto vetorial”, etc. Na Fisiologia temos a “substância resultante de uma elaboração”. Na Medicina “o tecido anormal desenvolvido no organismo”. Na Filosofia “a consequência da concepção”. Na Química “o resultado de uma operação ou de uma reação química” (produtos químicos). No Marketing “algo que pode ser oferecido em um mercado para satisfazer uma necessidade”. Na Indústria, seria “o resultado de atividades ou de processos” (produto industrializado).

De acordo com nossos dicionários, é “tudo aquilo que é produzido para venda em um determinado mercado”, “resultado da produção”… Também podemos escutar expressões como “produto da imaginação”; “o enfarte foi produto do excesso de trabalho”; “a empresa produziu um lucro de 100 mil Reais”; “a ordem dos fatores não altera o produto”, entre outros.


Serviço também vem do latim “servitiium,ii” e expressa “a condição de escravo, escravidão, jugo ou obediência”. O termo também se aplicaria a “qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante eventual remuneração, inclusive de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária (salvo decorrentes das relações de caráter trabalhista)”. Serviço se concentra na ação ou no efeito de servir, de dar algo de si em forma de trabalho. O conceito permite, ainda, fazer referência aos “serviços públicos” (pagos pelos contribuintes através de taxas ou impostos).

Na concepção econômica e/ou mercadológica, serviço é visto como um conjunto de atividades desenvolvidas por uma empresa com o objetivo de atender às expectativas e/ou necessidades dos seus clientes. Sempre lembrando de que serviço é entendido como um “bem não material”, um “exercício e desempenho de qualquer atividade”.


Nas áreas de viagens e Turismo, muitos destes conceitos se fundem e, vez ou outra, nos confundem. Um virtual viajante poderá, eventualmente, precisar e/ou “demandar” serviços de assessoria ou orientação previamente à viagem, tais como: serviços de transporte, acomodação ou hospedagem, alimentação, traslados, aquisição de ingressos para atrações, auxílio de interprete, etc.

Ou, até, de produtos específicos como “pacotes turísticos”: isto é, vários serviços reunidos e comercializados de forma “empacotada” (ao juntar, por exemplo, um serviço de transporte, mais um serviço de hospedagem, mais um serviço de traslado, mais um serviço de assistência personalizada, teremos “fabricado” um produto, vendendo o conjunto de todos estes serviços por um único valor e sob um mesmo “título”, denominação ou nome, não especificando o valor de cada serviço em separado.

Profissionais do setor entendem que roteiros e/ou itinerários (que se constituem num conjunto de serviços e/ou que incluem um conjunto de serviços), quando reunidos e comercializados debaixo de uma mesma denominação e vendidos a um valor único/global se transformarão em um produto turístico.


Verdade é que conceitos de produto e/ou serviço irão, necessariamente, variar de acordo com o contexto no qual cada um deles é inserido.

Deixe uma resposta