Reino Unido: saiba o que é preciso para entrar nos países britânicos

O Reino Unido vê conexões aéreas com Brasil retornarem em dezembro, mas variante ômicron acende alerta e região renova cuidados e protocolos sanitários

Londres, no Reino Unido - aviareps
Londres, no Reino Unido (Foto: Dominika Gregušová/Pexels)

A flexibilização à entrada de brasileiros, junto com a validação da coronavac entre os imunizantes aceitos no Reino Unido, foram notícias positivas das últimas semanas. O mercado turístico britânico (Inglaterra, Escócia e País de Gales), no entanto, experimenta um retrocesso em algumas medidas da reabertura. A razão disso é a variante ômicron.

Por conta disso, o Visit Britain, órgão de promoção turística do Reino Unido, explicitou alguns dos protocolos de entrada nos países. Durante a estadia em qualquer um dos países britânicos, por exemplo, voltou a ser obrigatório a utilização de máscaras em lojas e transporte público.

Vale lembrar também que o destino não aceita mais outros testes, como de antígeno, e voltou com a lista vermelha. O relatório, que inclui países com maior risco de transmissão da covid-19, tem dez países africanos atualmente.

Válidas desde o início do mês, as novas medidas são:

Antes da viagem:

  • Realizar teste PCR;
  • Preencher um formulário online e incluir o código de reserva do teste PCR.

*Ambos documentos serão solicitados na imigração britânica

Ao chegar no Reino Unido:

  • Realizar teste PCR na chegada ao Reino Unido (entre a chegada e o segundo dia);
  • Autoisolamento obrigatório até a chegada dos resultados.

Frequências aéreas no Reino Unido

O surgimento da nova variante não impediu que o retorno dos voos do Brasil aos destinos britânicos fossem postergados. Sendo assim, entre as opções até o momento, o viajante nacional pode acessar o Reino Unido por meio de duas companhias aéreas: British Airways e Latam.

A primeira retomou a conexão entre Londres e Rio de Janeiro (Galeão) na quarta-feira (1), incluindo quatro voos semanais na malha aérea. O Boeing 787-800 é o modelo designado para essa operação. Além disso, em São Paulo (Guarulhos), a aérea também voltou com ligações diárias, no mesmo dia, com a capital inglesa. As rotas são realizadas com o Airbus 350-1000.

Já no caso da Latam, os voos entre Guarulhos e Londres foram restaurados na quinta-feira (2), operando entre três e quatro vezes por semanas. O modelo utilizado é o Boeing 777-300.

Deixe uma resposta