Reino Unido confirma planos de voos em caso de não-cumprimento do Brexit

As companhias operarão rotas de e para a Terra da Rainha e para os países da União Europeia

0

As companhias aéreas da União Europeia poderão continuar a operar os voos entre o Reino Unido e o velho continente, mesmo em caso de não cumprimento do Brexit, no dia 29 de março. Pelo menos é isso o que o governo britânico assegura.

De acordo com o Reino Unido, ele irá retribuir os arranjos da União Europeia para viagens aéreas. Permitindo, assim, que companhias operarem rotas de e para a Terra da Rainha e para os países da União Europeia. Além disso, as aéreas terão permissão para fazer escalas nos países do bloco.

“Este anúncio ocorre quando a União Européia também está prestes a finalizar seu regulamento de aviação sem fins lucrativos, que protegerá as aéreas britânicas que voam para a Europa. Ambas as propostas garantirão conectividade contínua à aviação em qualquer cenário”, afirmou o governo britânico em comunicado.

LEIA MAIS:
+ Brexit sem acordo pode resultar em bilhões em prejuízos; entenda
+ Viagens & Turismo podem impulsionar recuperação do Reino Unido pós-Brexit
+ Brexit: Europa pode perder 700 mil empregos ligados ao turismo

O parlamento europeu, contudo, deve votar na quarta-feira (13) para aprovar a legislação. Inicialmente, a comissão disse que os vôos para 2019 serão limitados nos níveis de verão. Em um não acordo, no entanto, foi confirmado que poderá retirar isso da legislação final.

Notícia bem recebida

A Associação de Agentes de Viagens Britânicos (ABTA) recebeu a notícia com bons olhos. “Isso fornece mais garantias de que, qualquer que seja o resultado do Brexit, os viajantes podem continuar a reservar feriados e viagens de negócios com confiança”, pontua o executivo-chefe da associação, Mark Tanzer.

Tanzer destaca ainda que, se o Reino Unido e a União Europeia concordarem, haverá um período de transição. “E tudo continuará o mesmo para viagens até o final de 2020. O que significa que as pessoas podem continuar viajando para a União Europeia exatamente como fazem agora.”

Fonte: Breaking Travel News

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here