Reprograma CVC: Coisa de gente grande

REprograma CVC

No finalzinho de maio, a CVC Corp assumiu compromissos públicos com a sustentabilidade ao apresentar o REprograma
CVC Corp.
Reconhecida por ampliar o acesso de brasileiros a viagens no Brasil e no exterior, a maior operadora de Turismo do País já esteve no centro de questionamentos importantes sobre impactos negativos, tanto pela movimentação de grande número de pessoas sem cuidar do desenvolvimento local dos destinos turísticos que comercializava quanto no estresse da sua própria cadeia de fornecedores.

A geração de emprego e a movimentação da economia das cidades-destinos eram, frequentemente, a justificativa de compensação
de outros impactos que, na verdade, nem eram mensurados – ou, se eram, não havia transparência.

Ver que a empresa reconhece o impacto de suas operações, suas externalidades, e compromete-se com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU, ao tornar-se signatária do Pacto Global, talvez seja a melhor notícia do ano no mercado de Turismo brasileiro. É um divisor de águas. É um marco histórico.

Realmente já extrapolamos todos os limites do razoável em relação à exploração insustentável do Turismo. Quando vemos um movimento como este, vindo de uma empresa brasileira, vale parar para prestar atenção. Corporações multinacionais já caminharam nesse sentido, em razão da própria pressão dos seus mercados de origem. E há excelentes iniciativas de grupos menores – não menos importantes, mas que atuavam como desbravadores -, assim como movimentos importantes de cidades e estados.

Mas ver a adesão de uma empresa brasileira deste porte é, realmente, surpreendente. São 13 milhões (milhões!) de clientes e 200 mil fornecedores. Ou seja, a possibilidade de liderar um movimento pela eficiência do setor na retomada pós-pandemia é real.

É claro que uma empresa listada na B3 tem obrigações diferenciadas. O mercado está pressionando por respostas mais objetivas em relação às práticas ambientais, sociais e de governança – o famoso ESG -, mas é bom lembrar que ela não é obrigada a assumir esses compromissos. Eles são de adesão voluntária.

Agora, cabe a mim – e a você, que lê esse texto – acompanhar a prestação de contas relacionadas a esses compromissos. Nós, que somos stakeholders ou públicos de relacionamento, temos interesses diretos em saber como os impactos negativos estão sendo
reduzidos e como a eficiência gera oportunidades.

O REprograma CVC Corp tem quatro diretrizes: reduzir pegada, focada na diminuição da poluição, da pegada de carbono e a melhor
utilização dos recursos naturais; regenerar destinos e comunidades, voltada ao respeito, à valorização, conservação e regeneração da biodiversidade, ao mesmo tempo em que prioriza a geração de valor econômico; respeitar diversidades para promover a inclusão na companhia e reeducar públicos para sensibilizar, conscientizar e engajar parceiros, clientes, comunidades e colaboradores na jornada por um Turismo mais sustentável.

Recentemente, a CVC Corp também divulgou o seu Código de Conduta Ética que está disponível do site de Relacionamento com Investidores e no Canal de Ética da CVC para o recebimento de manifestações internas ou externas, outro passo dentro do grande universo da sustentabilidade. A próxima fronteira será dar transparência tanto à forma como o grupo pretende atingir todos os objetivos quanto aos resultados reais do plano de ação.

A CVC tem na mão a chance de liderar esse movimento não só no Brasil, mas globalmente. E ligou um holofote para mostrar ao setor que este é um caminho sem volta.

Veja no Impresso

Artigo publicado originalmente na edição de junho de 2021 do Brasilturis

Deixe uma resposta